Jus­ti­ça sol­ta PM acu­sa­do de ma­tar tu­ris­ta es­pa­nho­la

O Diario do Norte do Parana - - EGCEORNAOLMIA - Agên­cia Es­ta­do ge­ral@odi­a­rio.com

O te­nen­te da Po­lí­cia Mi­li­tar Da­vid dos San­tos Ri­bei­ro, que fo­ra pre­so por ma­tar com um ti­ro de fu­zil a tu­ris­ta es­pa­nho­la Ma­ria Es­pe­ran­za Ji­mé­nez Ruiz na Ro­ci­nha, zo­na sul do Rio, foi sol­to na tar­de de on­tem, em au­di­ên­cia de cus­tó­dia no Tri­bu­nal de Jus­ti­ça. O mi­li­tar fo­ra pre­so em fla­gran­te, e o de­le­ga­do ti­tu­lar da Di­vi­são de Ho­mi­cí­di­os, Fa­bio Car­do­so, ti­nha pe­di­do a con­ver­são des­sa pri­são em pre­ven­ti­va.

A Po­lí­cia Ci­vil anun­ci­ou o in­di­ci­a­men­to por ho­mi­cí­dio qua­li­fi­ca­do do ofi­ci­al, que ati­rou con­tra um car­ro on­de a tu­ris­ta es­ta­va. Ela fo­ra vi­si­tar a co­mu­ni­da­de, e o veí­cu­lo foi al­ve­ja­do per­to do Lar­go do Boi­a­dei­ro.

Pa­ra au­to­ri­zar a sol­tu­ra, o juiz Ju­a­rez Cos­ta de An­dra­de con­si­de­rou o que cha­mou de “ima­cu­la­da fi­cha fun­ci­o­nal” do PM. Ri­bei­ro, que res­pon­de­rá por ho­mi­cí­dio do­lo­so qua­li­fi­ca­do, re­ce­beu li­ber­da­de e po­de­rá vol­tar ao trabalho, mas ape­nas pa­ra exer­cer fun­ções ad­mi­nis­tra­ti­vas.

“Se de um la­do, o trá­gi­co acon­te­ci­men­to re­per­cu­tiu nes­ta ca­pi­tal (Rio de Ja­nei­ro) e no mun­do, fa­to é que o cus­to­di­a­do (Da­vid) es­ta­va tra­ba­lhan­do, pos­sui ima­cu­la­da fi­cha fun­ci­o­nal, não ha­ven­do in­dí­ci­os de que sol­to pos­sa rei­te­rar o com­por­ta­men­to cri­mi­no­so ocor­ri­do à luz do dia”, afir­mou o juiz na de­ci­são.

Na mes­ma de­ci­são, o ma­gis­tra­do des­ta­cou que o po­li­ci­al mi­li­tar “não tem con­di­ções psi­co­ló­gi­cas” de re­tor­nar ao po­li­ci­a­men­to os­ten­si­vo. As­sim, ele de­ve­rá exer­cer ape­nas ati­vi­da­des ad­mi­nis­tra­ti­vas. Ri­bei­ro tam­bém es­tá proi­bi­do de man­ter con­ta­to com as tes­te­mu­nhas, in­clu­si­ve com po­li­ci­ais que par­ti­ci­pa­vam da ope­ra­ção na Ro­ci­nha.

A Di­vi­são de Ho­mi­cí­di­os do Rio en­ca­mi­nhou pa­ra exa­me o car­ro em que es­ta­va Ma­ria Es­pe­ran­za. A Po­lí­cia quer lo­ca­li­zar um se­gun­do pro­jé­til de fu­zil, que atin­giu o veí­cu­lo na tra­sei­ra, mas não acer­tou ne­nhum dos ocu­pan­tes. Ou­tro dis­pa­ro pas­sou pe­lo vi­dro de trás e atin­giu a ví­ti­ma no pes­co­ço. A Po­lí­cia quer lo­ca­li­zar o pro­jé­til, pa­ra en­vi­ar pa­ra pe­rí­cia.

O po­li­ci­al mi­li­tar, que foi in­di­ci­a­do por ho­mi­cí­dio, ale­ga que o mo­to­ris­ta do car­ro, o ita­li­a­no Car­lo Za­ni­ne­ta, que es­ta­va a ser­vi­ço de uma em­pre­sa de pas­sei­os tu­rís­ti­cos, não obe­de­ceu a uma or­dem pa­ra pa­rar. Por is­so, dis­pa­rou con­tra o car­ro.

Ou­tro po­li­ci­al, o sol­da­do Luís No­ro­nha Ran­gel, deu um ti­ro pa­ra o al­to. Tam­bém foi pre­so, pe­lo cri­me mi­li­tar de dis­pa­ro de ar­ma de fo­go.

A ação

A tu­ris­ta mor­reu com um ti­ro no pes­co­ço, na se­gun­da-fei­ra, de­pois que o car­ro em que vi­a­ja­va foi atin­gi­do. O mo­to­ris­ta, o ita­li­a­no Car­lo Za­ni­ne­ta, dis­se que não viu quan­do os PMs man­da­ram que pa­ras­sem. Ou­tros ocu­pan­tes do au­to­mó­vel dis­se­ram o mes­mo. Ma­ria Es­pe­ran­za aca­ba­ra de fa­zer uma vi­si­ta tu­rís­ti­ca à fa­ve­la e des­cia a co­mu­ni­da­de a bor­do do veí­cu­lo, quan­do foi ba­le­a­da. A tu­ris­ta che­gou mor­ta ao hos­pi­tal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.