O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

De re­pen­te, to­do mun­do re­sol­veu fa­lar so­bre ar­te, in­cluin­do no pa­co­te ques­tões se­rís­si­mas so­bre pe­do­fi­lia e cen­su­ra. Is­so tu­do após ter ha­vi­do a in­te­ra­ção de uma cri­an­ça em uma per­for­man­ce do ar­tis­ta Wag­ner Schwartz, que es­ta­va nu no mo­men­to em que foi fil­ma­do no Mu­seu da Ar­te Mo­der­na (MAM), em São Pau­lo, re­a­li­zan­do a per­for­man­ce. Ví­de­os da in­te­ra­ção “vi­ra­li­za­ram” na in­ter­net, ge­ran­do po­lê­mi­ca na­ci­o­nal e di­vi­din­do opi­niões.

Cer­ca de 83% dos bra­si­lei­ros re­pro­vam o que hou­ve, re­ve­la uma pes­qui­sa on­li­ne re­a­li­za­da pe­lo Pa­ra­ná Pes­qui­sa nos di­as 11 e 16 des­te mês. A mes­ma pes­qui­sa diz que 9,2% não cas­ti­gam a in­te­ra­ção por tra­tar-se de ar­te, en­quan­to 7,8% das pes­so­as vo­ta­ram em “não acom­pa­nhei a dis­cus­são”. A cri­an­ça, apa­ren­te­men­te en­tre 6 e 10 anos, es­ta­va acom­pa­nha­da da mãe na ex­po­si­ção de ar­te e am­bas to­ca­ram no ar­tis­ta sem rou­pa.

A per­for­man­ce “La Bê­te” faz par­te da 35º Pa­no­ra­ma de Ar­te Bra­si­lei­ra e é ins­pi­ra­da no trabalho “Bi­chos”, de Ly­gia Clark. As­sim co­mo as do­bra­di­ças de Clark po­dem ter a in­te­ra­ção do pú­bli­co, na apre­sen­ta­ção do ar­tis­ta as pes­so­as são con­vi­da­das a par­ti­ci­par e in­te­ra­gir, po­den­do to­cá-lo ar­tis­ti­ca­men­te, ori­en­tan­do mo­vi­men­tos. Em­bo­ra a per­for­man­ce não apre­sen­tas­se conteúdo eró­ti­co, com ba­se no Es­ta­tu­to da Cri­an­ça e do Ado­les­cen­te (ECA), o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co abriu inqué­ri­to pa­ra investigar se hou­ve vi­o­la­ção ou cri­me por par­te do ar­tis­ta, do MAM ou da mãe.

Pa­ra o ar­tis­ta plás­ti­co ma­rin­ga­en­se Pa­o­lo Ri­dol­fi não hou­ve cri­me ou qual­quer in­cen­ti­vo à pe­do­fi­lia, co­mo mui­tos gru­pos e po­lí­ti­cos acre­di­tam ter ha­vi­do. “Sou a fa­vor da in­te­ra­ção, é um mu­seu e a cri­an­ça es­ta­va acom­pa­nha­da da mãe. Quem de­ci­de se a cri­an­ça de­ve ou não par­ti­ci­par é a mãe”, diz.

Ele ain­da ex­pli­ca que mui­tas pes­so­as, ape­sar de de­sin­for­ma­das so­bre a si­tu­a­ção, opi­nam co­mo se ti­ves­sem co­nhe­ci­men­to na área ou na ar­te ex­pos­ta. Ou­tro pro­ble­ma, pa­ra ele, é a apro­pri­a­ção po­lí­ti­ca pa­ra in­flu­en­ci­ar opi­niões não for­ma­das. “Se­ria uma gran­de opor­tu­ni­da­de de edu­car a mas­sa e avan­çar ques­tões, mas a gen­te re­gri­de. É uma lo­co­mo­ti­va an­dan­do em mar­cha ré”, la­men­ta.

Pa­ra o ar­tis­ta plás­ti­co Jor­ge Pe­dro, de Ma­rin­gá, de­ve­ria ha­ver um li­mi­te de fai­xa etá­ria nos mu­seus, de­pen­den­do do conteúdo. “Não acre­di­to que a ar­te em si fa­ça mal a al­guém ou te­nha ape­lo eró­ti­co, mas creio que to­do ti­po de ex­po­si­ção de­ve ter bom sen­so e, nes­te ca­so, o mo­men­to não fa­vo­re­ceu a in­te­ra­ção en­tre a cri­an­ça e o ho­mem nu. O pú­bli­co-al­vo era pa­ra ser ou­tro”, de­fen­de.

O ide­al, se­gun­do ele, não se­ria uma proi­bi­ção ou cen­su­ra, e sim uma li­mi­ta­ção de ida­de. “Ca­da pú­bli­co de­ve ser atin­gi­do cor­re­ta­men­te pa­ra não ha­ver equí­vo­cos, co­mo hou­ve nes­te ca­so. Além dis­so, os pais têm gran­de pa­pel nes­ta pre­pa­ra­ção e for­ma­ção dos fi­lhos. A ar­te de­ve con­ti­nu­ar com seu pa­pel tam­bém.”

A de­ter­mi­na­ção de clas­si­fi­ca­ção etá­ria é bem-vin­da pa­ra Ra­chel Co­e­lho, jor­na­lis­ta e pro­du­to­ra de te­a­tro há 10 anos em Ma­rin­gá. Ela diz acre­di­tar ser um equí­vo­co as crí­ti­cas ao trabalho de Wag­ner Schwartz.

“Nin­guém é obri­ga­do a gos­tar, nem a ir, mas que­rer proi­bir que acon­te­ça é com­pli­ca­do, nós te­mos o di­rei­to ga­ran­ti­do pe­la Cons­ti­tui­ção de fa­zer es­te ti­po de ar­te”, afir­ma ela.

As­sim co­mo Pa­o­lo Ri­dol­fi, Ra­chel tam­bém jul­ga ser um re­tro­ces­so na so­ci­e­da­de, já que a nu­dez sempre es­te­ve pre­sen­te na his­tó­ria da ar­te. “O nu não é de ago­ra, te­nho a sen­sa­ção de um mo­vi­men­to de cor­ti­na de fu­ma­ça, em que gru­pos or­ga­ni­za­dos es­tão usan­do a cri­mi­na­li­za­ção da ar­te pa­ra ti­rar a aten­ção das pes­so­as de as­sun­tos que são mais im­por­tan­tes”, opi­na Ra­chel.

Pa­ra o pin­tor ma­rin­ga­en­se Ta­deu dos San­tos, en­tre to­da po­lê­mi­ca, o mai­or pro­ble­ma das dis­cus­sões so­bre es­te as­sun­to não é a cri­an­ça, a per­for­man­ce ou o mu­seu, e sim a dis­tor­ção de in­for­ma­ção. “O que me pre­o­cu­pa é a for­ma que foi di­vul­ga­do es­sa ques­tão, acho que a mí­dia e as pes­so­as de­vem ter res­pon­sa­bi­li­da­de em tra­tar es­tas in­for­ma­ções.”

Pa­ra ele, as opi­niões con­trá­ri­as à in­te­ra­ção da cri­an­ça e o ho­mem nu são re­sul­ta­dos do des­cui­do com a in­for­ma­ção, que che­gou ao in­ter­nau­ta sem con­tex­to.

En­quan­to ar­tis­ta, ele diz de­fen­der que não de­ve ser proi­bi­da a en­tra­da de cri­an­ças em mu­seus em de­ter­mi­na­das per­for­man­ces que te­nha nu­dez, mas de­ve ha­ver cui­da­dos por par­te dos pais, do ar­tis­ta e do pró­prio mu­seu em aler­tar o te­or do conteúdo.

Aci­ma de tu­do, um dos re­cei­os de Ta­deu é que se pre­ze pe­la não de­sin­for­ma­ção, a qual mui­tas ve­zes “con­fun­de a po­pu­la­ção não só na ar­te, e sim na po­lí­ti­ca, na eco­no­mia, en­tre ou­tros seg­men­tos”, con­si­de­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.