Jar­naú­ba e Goi­â­nia

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Na úl­ti­ma quin­ta-fei­ra, dia 19, vi­vi um mo­men­to mui­to es­pe­ci­al: o lan­ça­men­to do meu ter­cei­ro li­vro. “So­mos Fa­róis – a Res­pon­sa­bi­li­da­de do Adul­to na For­ma­ção da Cri­an­ça e do Ado­les­cen­te” é um pro­je­to em par­ce­ria com a Edi­to­ra Vi­seu e tem co­mo ob­je­ti­vo pro­mo­ver re­fle­xões so­bre a edu­ca­ção e so­bre te­mas que te­nham re­la­ção com ela. Não foi ape­nas uma noi­te de au­tó­gra­fos. Foi uma opor­tu­ni­da­de de re­ce­ber fa­mi­li­a­res, en­con­trar ami­gos, re­ver ex-alu­nos, co­nhe­cer lei­to­res que acom­pa­nham meu trabalho. E, pa­ra um es­cri­tor, to­do nas­ci­men­to de um no­vo li­vro é sim­bó­li­co por­que, de al­gu­ma for­ma, ve­mos nos­so tra­ba­lhar ga­nhar for­ça e se es­pa­lhar por aí. Nas pá­gi­nas de “So­mos Fa­róis”, eter­ni­zei al­guns de­ba­tes que já trou­xe pa­ra es­ta co­lu­na e que, de ago­ra em di­an­te, po­dem ser­vir co­mo ma­te­ri­al de es­tu­do. Não pa­ra que as pes­so­as con­cor­dem co­mi­go, mas pa­ra que pen­sem nas ques­tões abor­da­das e ela­bo­rem seu pró­prio pon­to de vis­ta. Se ou­tu­bro de 2017 foi um mês mar­can­te pa­ra mim, ele in­fe­liz­men­te tam­bém fi­ca­rá mar­ca­do em nos­sa me­mó­ria por cau­sa de du­as tra­gé­di­as: a da creche de Jar­naú­ba, em Mi­nas Ge­rais, e a do Co­lé­gio Goya­ses, em Goi­â­nia. Du­as si­tu­a­ções ab­sur­da­men­te tris­tes, cu­jos des­fe­chos cul­mi­na­ram com a mor­te de oi­to cri­an­ças, dois ado­les­cen­tes e uma pro­fes­so­ra. His­tó­ri­as di­fe­ren­tes, mas com al­go em co­mum: o es­pa­ço fí­si­co em que ocor­re­ram. Se cha­ma­mos a es­co­la de “nos­sa se­gun­da ca­sa”, é na­tu­ral que pais, mães ou quais­quer ou­tros res­pon­sá­veis se sin­tam se­gu­ros quan­do ve­em seus me­ni­nos e me­ni­nas aden­tran­do pe­lo por­tão. Ape­sar dos nos­sos re­cei­os, do nos­so me­do da vi­o­lên­cia ur­ba­na, não pen­sa­mos que nos­sos fi­lhos pos­sam cor­rer o ris­co de mor­rer quan­do es­tão es­tu­dan­do. Pa­re­ce que o pe­ri­go mo­ra do la­do de fo­ra dos mu­ros es­co­la­res. Mas o que acon­te­ceu em Jar­naú­ba e em Goi­â­nia não trou­xe à to­na ape­nas de­ba­tes so­bre a se­gu­ran­ça nas ins­ti­tui­ções es­co­la­res, mas, prin­ci­pal­men­te, so­bre as cau­sas que te­ri­am le­va­do o por­tei­ro Da­mião e um ga­ro­to de 13 anos a se­rem os au­to­res des­ses cri­mes que cho­ca­ram o Bra­sil. E aí sur­gem opi­niões dos qua­tro can­tos do País, al­gu­mas vin­das de quem po­de até ter boa in­ten­ção, mas não tem mui­to pre­pa­ro pa­ra ex­ter­nar o que pen­sa. Es­pe­ci­a­lis­tas em gen­te que co­lo­ca fo­go em creche e em ado­les­cen­tes que ati­ram nos co­le­gas apa­re­cem com o úni­co pro­pó­si­to de apon­tar cul­pa­dos e ava­li­ar con­sequên­ci­as, mas sem mui­ta dis­po­si­ção pa­ra ana­li­sar mo­ti­vos. Na­tu­ral­men­te, ja­mais ha­ve­rá jus­ti­fi­ca­ti­vas plau­sí­veis pa­ra ações as­sim, po­rém é pre­ci­so pen­sar, mes­mo em meio à dor, no que é pos­sí­vel apren­der com ca­da uma de­las. No ca­so da creche mi­nei­ra, o que cha­mou aten­ção, além da cru­el­da­de da ação do por­tei­ro, foi o fa­to das cri­an­ças e da pro­fes­so­ra te­rem si­do ví­ti­mas de al­guém que per­ten­cia ao am­bi­en­te. Ou se­ja: não foi um es­tra­nho que en­trou na es­co­la. Foi uma pes­soa que, pe­lo que li em re­por­ta­gens, ti­nha um jei­to in­tros­pec­ti­vo, mas não re­pre­sen­ta­va um pe­ri­go. Fi­quei pen­san­do en­tão nos dis­túr­bi­os men­tais e em co­mo eles, mui­tas ve­zes, são im­per­cep­tí­veis. Não con­si­go acre­di­tar que aque­le ho­mem foi ape­nas mal, que ele de­se­jou a mor­te dos pe­que­ni­nos por pra­zer. O que pas­sa­va pe­la sua ca­be­ça? Co­mo per­ce­ber e aju­dar uma men­te do­en­te se ela pa­re­ce ser sã? Já o tris­te ca­so de Goi­â­nia abriu um le­que de dis­cus­sões. Al­guns apon­tam o bullying co­mo cau­sa da tra­gé­dia e ou­tros ne­gam es­sa pos­si­bi­li­da­de, ar­gu­men­tan­do ser “a fal­ta de pre­pa­ro emo­ci­o­nal e edu­ca­ci­o­nal pa­ra li­dar com frus­tra­ções” o dis­pa­ra­dor da ati­tu­de do ado­les­cen­te. Li a men­sa­gem da mãe de uma das ví­ti­mas fa­tais, a qual pe­dia pa­ra não jul­ga­rem a fa­mí­lia e li tam­bém o de­poi­men­to do pai do ati­ra­dor, afir­man­do que nun­ca ti­nha ou­vi­do qual­quer re­la­to do fi­lho com re­la­ção a agres­sões so­fri­das no co­lé­gio. Ou se­ja: re­fle­tir so­bre os dois acon­te­ci­men­tos é ne­ces­sá­rio, mas é até in­gê­nuo acre­di­tar que en­con­tra­re­mos res­pos­tas pron­tas. O que fi­cou em mim, co­mo edu­ca­do­ra e co­mo mãe, foi a dú­vi­da com re­la­ção aos porquês e a cer­te­za de que nun­ca es­ta­re­mos se­gu­ros. Nem nós, nem nos­sos fi­lhos. Por is­so, res­ta-nos ser fa­róis. So­bra-nos a chan­ce de sempre con­ver­sar com eles, de sempre es­tar vi­gi­lan­tes, de apro­vei­tar ca­da opor­tu­ni­da­de pa­ra es­cre­ver a nos­sa his­tó­ria com nos­sas cri­an­ças e nos­sos ado­les­cen­tes. O des­fe­cho, in­fe­liz­men­te, nem sempre nos per­ten­ce.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.