CO­MO NOS­SOS PAIS

Na es­tei­ra da on­da hips­ter, açou­guei­ros, bar­bei­ros, al­fai­a­tes e até flo­ris­tas apos­tam no re­trô e con­quis­tam cli­en­te­la na ca­pi­tal pau­lis­ta

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Jú­lia Mar­ques

Pe­dro Ric­ci, 22 anos, açou­guei­ro; Le­an­dro Felipe, 34 anos, bar­bei­ro; Marina Gur­gel, 31 anos, flo­ris­ta. Na es­tei­ra da mo­da hips­ter, an­ti­gas pro­fis­sões se re­va­lo­ri­zam e ga­nham adep­tos en­tre jo­vens de SP.

As ci­ca­tri­zes nos de­dos não es­con­dem: Ro­gé­rio Bet­ti, de 38 anos, é açou­guei­ro. Mas es­que­ça o aven­tal bran­co man­cha­do de san­gue e pe­ças de car­ne es­pe­ta­das em gan­chos atrás do bal­cão. Do­no de um es­ta­be­le­ci­men­to na zo­na sul de São Pau­lo, Bet­ti é de uma no­va ge­ra­ção de pro­fis­si­o­nais que es­tá re­pa­gi­nan­do ofí­ci­os clás­si­cos.

Além dos açou­guei­ros con­tem­po­râ­ne­os, bar­bei­ros, al­fai­a­tes e até flo­ris­tas ga­nham es­pa­ço en­tre pau­lis­ta­nos que que­rem ou­tras ex­pe­ri­ên­ci­as de con­su­mo. Em co­mum, es­sas pro­fis­sões – na es­tei­ra da mo­da hips­ter – re­to­mam um jei­to re­trô de pro­du­zir: pre­zam pe­lo tem­po e pe­la per­so­na­li­za­ção, va­lo­ri­zam o as­pec­to ar­te­sa­nal e in­cen­ti­vam o “fa­ça vo­cê mes­mo”.

No açou­gue de Bet­ti, o DeBet­ti, na Ci­da­de Jar­dim, zo­na sul, a mu­dan­ça é até ge­o­grá­fi­ca: as car­nes fi­cam ex­pos­tas em uma vi­tri­ne de vi­dro no cen­tro do es­ta­be­le­ci­men­to, em meio aos cli­en­tes. E eles po­dem es­co­lher exa­ta­men­te o cor­te que mais agra­da. “Os açou­gues eram fei­os, su­jos e ti­nham mos­cas. E o açou­guei­ro sa­bia cor­tar car­ne, mas não sa­bia pa­ra que ela ser­via ou co­mo pre­pa­rar”, afir­ma Bet­ti, que é a da quar­ta ge­ra­ção de açou­guei­ros na fa­mí­lia.

Dar con­sul­to­ria é uma das no­vas atri­bui­ções dos fun­ci­o­ná­ri­os. “Se vo­cê tem dú­vi­da so­bre co­mo fa­zer al­gum ti­po de car­ne, eles en­si­nam. Pe­gam as car­nes e dei­xam do jei­to que vo­cê quer. Não con­si­go ir lá e fi­car só 40 mi­nu­tos. Fi­co de du­as a três ho­ras ba­ten­do pa­po”, con­ta Ha­mil­ton Ju­ni­or, de 30 anos. Do­no de uma ofi­ci­na me­câ­ni­ca, ele ba­te pon­to no DeBet­ti to­do fim de se­ma­na. “Até en­gor­dei”, brin­ca.

Pa­ra Pe­dro Ric­ci, fun­ci­o­ná­rio do açou­gue, a vi­são so­bre o ofí­cio es­tá mu­dan­do. “No co­me­ço, eu ti­nha cer­ta ver­go­nha, qu­an­do ia sair com uma na­mo­ra­da, de fa­lar que sou açou­guei­ro. Ho­je fa­lo com o mai­or or­gu­lho, e o que era ver­go­nha vi­rou van­ta­gem. Es­sa pro­fis­são tem si­do vis­ta co­mo uma coi­sa ba­ca­na. Nun­ca fui tão con­vi­da­do pa­ra chur­ras­cos”, co­me­mo­ra o jo­vem de 22 anos que dei­xou a gra­du­a­ção em Eco­no­mia pa­ra se de­di­car às car­nes.

Li­nhas e agu­lhas. Quem tam­bém mu­dou a tra­je­tó­ria da car­rei­ra pa­ra vol­tar às ori­gens foi o al­fai­a­te Bru­no Co­lel­la, de 37 anos. Ins­pi­ra­do pe­lo avô, que se de­di­ca­va ao ofí­cio, ele abriu uma al­fai­a­ta­ria na Vi­la No­va Con­cei­ção, zo­na sul de São Pau­lo, de­pois de se for­mar em Ho­te­la­ria e tra­ba­lhar com co­mér­cio ex­te­ri­or. Na BRNC, as rou­pas são fei­tas sob me­di­da. É pos­sí­vel es­co­lher – ali­san­do as tex­tu­ras de um ca­tá­lo­go – en­tre 14 mil op­ções de te­ci­dos e fa­zer al­gu­mas pro­vas pa­ra ajus­tes an­tes de re­ce­ber o pro­du­to fi­nal. “Com­pro exa­ta­men­te o (ne­ces­sá­rio pa­ra o) con­su­mo.” A ex­clu­si­vi­da­de tem um pre­ço – não só em di­nhei­ro: um ter­no po­de le­var até 60 di­as pa­ra fi­car pron­to e não há a op­ção de en­co­men­das “ex­press”.

“O cli­en­te vai ‘di­ge­rir’ a com­pra por al­guns di­as, se­ma­nas ou até me­ses. E par­ti­ci­pa do pro­ces­so com a gen­te. Is­so des­per­ta um in­te­res­se”, con­ta Co­lel­la, em meio ao som nos­tál­gi­co das má­qui­nas de cos­tu­ra ao fun­do. “É di­fe­ren­te de pe­gar uma rou­pa no ca­bi­de, sem sa­ber por qu­an­tas mãos pas­sou.”

Tra­di­ci­o­nal, a área da al­fai­a­ta­ria tam­bém es­tá mu­dan­do. A ten­dên­cia é pro­du­zir rou­pas mais con­for­tá­veis e são uti­li­za­dos no pro­ces­so pro­gra­mas de com­pu­ta­dor, con­ta Ed­son Azu­rem, de 36 anos, que tra­ba­lha na BRNC há dois me­ses. “Eu sou al­fai­a­te, mas não sou da­que­les ‘ti­o­zões’, não. Sou mo­de­lo no­vo, re­pa­gi­na­do”, avi­sa.

Na­va­lha. No ni­cho da vai­da­de mas­cu­li­na, ou­tro se­tor que cres­ceu em São Pau­lo foi o das bar­be­a­ri­as. Em es­ti­lo vin­ta­ge, elas fa­zem res­sur­gir a fi­gu­ra do bar­bei­ro e já mo­bi­li­zam jo­vens atrás de for­ma­ção pa­ra apren­der a cul­ti­var os bi­go­des. “Eu não nas­ci bar­bei­ro”, diz Le­an­dro Felipe, de 34 anos, pa­ra ex­pli­car que en­trou no ra­mo aju­dan­do a mu­lher em um sa­lão de be­le­za. Só de­pois se es­pe­ci­a­li­zou no cui­da­do com os pe­los mas­cu­li­nos.

Ho­je, é um dos oi­to que aten­dem na bar­be­a­ria Ve­gas, em San­ta Ce­cí­lia, to­da de­co­ra­da com re­fe­rên­ci­as à ci­da­de ame­ri­ca­na dos cas­si­nos. O es­pa­ço, na re­gião cen­tral de São Pau­lo, ofe­re­ce qua­se uma te­ra­pia. “En­tre­vis­to mui­to meus cli­en­tes pa­ra en­ten­dê-los. É um tra­ta­men­to que o ho­mem an­ti­ga­men­te não ti­nha.” Lá, pa­ra ca­da cor­te, se ga­nha uma cer­ve­ja e há es­pa­ço pa­ra ta­tu­a­gem e até pa­ra fu­mar um cha­ru­to.

Pri­mei­ro cli­en­te da Ve­gas, que abriu há me­nos de um ano, o ad­vo­ga­do Jef­fe­son Ome­na, de 45 anos, é vi­zi­nho do es­pa­ço e fi­cou cu­ri­o­so des­de a mon­ta­gem. “Sou do tem­po em que bar­ba era uma coi­sa feia e su­ja, mas a ten­dên­cia co­me­çou, e em ca­sa eu não con­se­guia nun­ca dei­xá­la com es­ti­lo di­fe­ren­te.”

Ago­ra, o ad­vo­ga­do vai du­as ve­zes por mês e já le­va os fi­lhos de 12 e 14 anos, en­jo­a­dos de fre­quen­tar sa­lões unis­sex com a mãe. “Aqui eles se sen­tem ho­mens e que­rem fa­zer bar­ba. Mas, pa­ra cri­an­ças, (o brin­de)é um re­fri­ge­ran­te”, ad­ver­te Ome­na. “E o so­nho de­les é che­gar à cer­ve­ja”, com­ple­ta, aos ri­sos. Fa­zer a bar­ba é até des­cul­pa pa­ra re­la­xar e ver a ho­ra pas­sar. “Sex­ta à tar­de, ti­ro pa­ra mim.”

Es­ta­ções. Quem tam­bém re­ve­ren­cia o tem­po é a flo­ris­ta Marina Gur­gel, de 31 anos. Ela cri­ou com a ami­ga Ta­ti­a­na Pas­cowit­ch, de 42 anos, o ate­liê de flo­res A Be­la do Dia, em Pi­nhei­ros, na zo­na oes­te. Elas en­tre­gam ar­ran­jos au­to­rais sem pres­sa: flo­res en­co­men­da­das são le­va­das em bi­ci­cle­tas até o des­ti­no. “Pre­ci­sa ser fei­to com tem­po. E te­mos de res­pei­tar o tem­po de ca­da flor”, afir­ma Marina.

No ate­liê, que co­me­çou em 2013, as flo­ris­tas já dão cur­sos pa­ra en­si­nar a fa­zer ar­ran­jos em ca­sa e ofe­re­cem o ser­vi­ço de as­si­na­tu­ras de flo­res, com en­tre­gas uma vez por se­ma­na.

Os ar­ran­jos atra­em quem pro­cu­ra um pou­co de co­lo­ri­do em meio ao cin­za da ci­da­de. “Flo­res não re­sol­vem to­dos os pro­ble­mas, mas são um óti­mo co­me­ço”, diz uma men­sa­gem na por­ta do ate­liê. “É a vol­ta ao ro­man­tis­mo. E as flo­res são o sím­bo­lo má­xi­mo”, diz Ta­ti­a­na.

HÉLVIO RO­ME­RO/ESTADÃO

FO­TOS: TIAGO QU­EI­ROZ/ESTADÃO

Ve­gas. Em am­bi­en­te vin­ta­ge, bar­bei­ro tam­bém faz lim­pe­za na pe­le; es­pa­ço ser­ve pa­ra to­mar uma cer­ve­ja, con­ver­sar com os ami­gos e até fa­zer ta­tu­a­gem

HÉLVIO RO­ME­RO/ESTADÃO

Ori­gem. Cli­en­te quer sa­ber de on­de vem a car­ne, diz Bet­ti

Marina e Ta­ti­a­na. De bi­ci­cle­ta, ate­liê en­tre­ga flo­res em SP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.