BNDES ame­a­ça ir ao TCU pa­ra evi­tar de­vo­lu­ção de R$ 180 bi

Re­cur­sos fo­ram pe­di­dos pe­lo go­ver­no e ser­vi­ri­am pa­ra re­du­zir dí­vi­da da União; ban­co ale­ga que an­te­ci­pa­ção de pa­ga­men­tos po­de­ria tra­zer ris­cos à ins­ti­tui­ção

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Idi­a­na To­ma­zel­li Adriana Fer­nan­des / BRA­SÍ­LIA

O em­ba­te en­tre o BNDES e o go­ver­no fe­de­ral po­de evo­luir pa­ra uma dis­pu­ta ofi­ci­al. O mo­ti­vo do con­fron­to é o pe­di­do da equi­pe econô­mi­ca pa­ra que o ban­co de­vol­va ao Te­sou­ro Na­ci­o­nal, en­tre 2017 e 2018, R$ 180 bi­lhões que fo­ram re­pas­sa­dos à ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra. Os re­cur­sos ser­vi­ri­am pa­ra o go­ver­no re­du­zir a dí­vi­da pú­bli­ca bru­ta. O co­man­do do BNDES é con­tra a de­vo­lu­ção do di­nhei­ro e ame­a­ça ape­lar

ao Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU). An­tes dis­so, co­mo úl­ti­ma car­ta­da, vai apre­sen­tar ao go­ver­no uma sé­rie de do­cu­men­tos que in­di­cam que a an­te­ci­pa­ção do pa­ga­men­to dos em­prés­ti­mos po­de tra­zer ris­co aos in­te­res­ses da ins­ti­tui­ção. A União pe­diu a de­vo­lu­ção de R$ 50 bi­lhões es­te ano e de R$ 130 bi­lhões em 2018. O pre­si­den­te do ban­co, Pau­lo Ra­bel­lo de Cas­tro, de­fen­de o pa­ga­men­to por meio de ati­vos do BNDES, co­mo ações de em­pre­sas, mas a pro­pos­ta já foi re­jei­ta­da pe­la equi­pe econô­mi­ca do go­ver­no Te­mer.

En­quan­to ten­ta re­sis­tir às in­ves­ti­das do go­ver­no pa­ra que re­du­za seu ta­ma­nho, o Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al (BNDES) bus­ca tra­çar des­de já am­pla es­tra­té­gia que ga­ran­ta sua so­bre­vi­vên­cia no fu­tu­ro.

A ins­ti­tui­ção de fo­men­to ten­ta ga­nhar tem­po pa­ra se re­ci­clar e con­se­guir per­ma­ne­cer re­le­van­te no pla­no na­ci­o­nal di­an­te de me­di­das que de­vem atin­gir em cheio seu po­der de fo­go, co­mo a pres­são do Te­sou­ro pa­ra ob­ter mais di­nhei­ro an­te­ci­pa­do do ban­co e a imi­nen­te mu­dan­ça nos ju­ros de seus fi­nan­ci­a­men­tos pa­ra uma ta­xa mais ali­nha­da à de mer­ca­do, a Ta­xa de Lon­go Pra­zo (TLP).

Sem aban­do­nar o pa­pel de pro­ve­dor de cré­di­to em gran­des pro­je­tos de in­fra­es­tru­tu­ra, a in­ten­ção é co­lo­car re­cur­sos em pro­je­tos que pos­sam ala­van­car o de­sen­vol­vi­men­to do País por meio de ou­tros ca­nais, co­mo tec­no­lo­gia e for­ma­ção de pes­so­as. O ban­co con­tra­tou a con­sul­to­ria ale­mã Ro­land Ber­ger pa­ra tra­ba­lhar no pla­no es­tra­té­gi­co 2022-2030. Du­as pa­la­vras de­vem vi­rar nor­te de atu­a­ção: ino­va­ção e in­te­ri­o­ri­za­ção.

O ban­co tam­bém es­tá de olho no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal pa­ra re­no­var sua fon­te de re­cur­sos. O pre­si­den­te do BNDES, Pau­lo Ra­bel­lo de Cas­tro, es­te­ve em Lon­dres pa­ra acer­tar de­ta­lhes da re­a­ber­tu­ra do es­cri­tó­rio da ins­ti­tui­ção e es­tu­da abrir ou­tros pos­tos no ex­te­ri­or. A ideia é que a pre­sen­ça in­ter­na­ci­o­nal abra ca­mi­nho pa­ra as fu­tu­ras cap­ta­ções de re­cur­sos que da­rão va­zão aos no­vos cré­di­tos.

Se­gun­do Ra­bel­lo, até o fim da tran­si­ção, o BNDES já te­rá re­for­mu­la­do com­ple­ta­men­te su­as prin­ci­pais fon­tes de fi­nan­ci­a­men­to. “Além dis­so, o go­ver­no nos so­li­ci­tou uma co­la­bo­ra­ção fi­nan­cei­ra abrup­ta e, por ou­tro la­do, vem uma men­sa­gem pre­si­den­ci­al mui­to cla­ra, do meu che­fe, que es­tá ob­ce­ca­do com a ideia de mais em­pre­go e in­ves­ti­men­to em 2018”, acres­cen­ta.

A TLP vai subs­ti­tuir a Ta­xa de Ju­ros de Lon­go Pra­zo (TJLP) nos fi­nan­ci­a­men­tos do BNDES a par­tir de 2018. Com a no­va ta­xa, o sub­sí­dio dos ju­ros vai cair, ou se­ja, o cré­di­to pa­ra as em­pre­sas com re­cur­sos do BNDES vai fi­car mais caro. Ho­je, a TJLP es­tá em 7%, abai­xo dos 8,25% da Se­lic. O sub­sí­dio me­nor con­tri­bui pa­ra o equi­lí­brio fis­cal, mas Ra­bel­lo era con­tra a mu­dan­ça no mo­men­to em que a eco­no­mia ini­cia uma re­to­ma­da por­que o cré­di­to mais caro po­de ini­bir os in­ves­ti­men­tos.

Mes­mo com a ten­ta­ti­va do BNDES de se rein­ven­tar, o pes­qui­sa­dor da Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas (FGV) Jo­sé Roberto Afon­so ava­lia que o ban­co te­rá me­nos re­cur­sos pa­ra em­pres­tar e a um cus­to mais caro, uma vez que a TLP apro­va­da va­le­rá pa­ra to­dos os em­prés­ti­mos, não só os fei­tos com re­cur­sos do Te­sou­ro. “Ine­vi­ta­vel­men­te se­rá um ban­co pa­ra pou­cos. Vão cres­cer as ope­ra­ções di­re­tas, às quais só gran­des e me­lho­res em­pre­sas têm aces­so.”

No­vo fo­co. For­ça­do a se rein­ven­tar, a ideia do no­vo BNDES é in­ves­tir em pro­je­tos tec­no­ló­gi­cos, até mes­mo em mer­ca­dos que ain­da não exis­tem no Bra­sil. “Não te­mos ci­en­tis­tas man­dan­do fo­gue­te pa­ra a Lua, mas es­ta­mos mui­to in­te­res­sa­dos em sa­ber se por aca­so tem al­guém fa­zen­do um pe­que­no fo­gue­te. Is­so po­de ser uma rup­tu­ra fu­tu­ra”, diz o pre­si­den­te do ban­co. Na in­te­ri­o­ri­za­ção, a pri­o­ri­da­de se­rá in­ten­si­fi­car a ofer­ta de cré­di­to a pe­que­nos em­pre­sá­ri­os que ho­je não têm aces­so.

O no­vo pla­no es­tra­té­gi­co do ban­co de­ve ser con­cluí­do no iní­cio de 2018, mas há áre­as que des­de já es­tão no ra­dar co­mo po­ten­ci­ais no­vas fren­tes de atu­a­ção, diz o di­re­tor de Cré­di­to, Pla­ne­ja­men­to e Pes­qui­sa do BNDES, Car­los Da Cos­ta. En­tre es­ses fo­cos es­tão o in­ves­ti­men­to em tec­no­lo­gia; es­pe­ci­a­li­za­ção do ca­pi­tal hu­ma­no das em­pre­sas; mo­der­ni­za­ção da ges­tão e da go­ver­nan­ça de em­pre­sas, ci­da­des e go­ver­nos; e aden­sa­men­to de ca­dei­as pro­du­ti­vas, com in­ves­ti­men­tos pa­ra in­te­grar em­pre­sas que par­ti­ci­pam de um mes­mo pro­ces­so de pro­du­ção.

Prin­ci­pal be­ne­fi­ciá­rio da po­lí­ti­ca de cré­di­to sub­si­di­a­do no BNDES nos úl­ti­mos anos, o se­tor pro­du­ti­vo vê es­se “no­vo ban­co” com ce­ti­cis­mo. Pa­ra o vi­ce­pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção das In­dús­tri­as do Es­ta­do de São Pau­lo (Fi­esp), Jo­sé Ri­car­do Ro­riz Co­e­lho, a re­du­ção de sua ca­pa­ci­da­de se­rá fa­tal pa­ra o ban­co.

Re­fle­xões

“O cus­to do fun­ding na­ci­o­nal ‘te­le­pou’, não ho­je por­que is­so é as­sun­to pa­ra 2022, mas nin­guém vai es­pe­rar che­gar 2022.”

Pau­lo Ra­bel­lo de Cas­tro PRE­SI­DEN­TE DO BNDES

“Ine­vi­ta­vel­men­te, se­rá um ban­co pa­ra pou­cos.”

Jo­sé Roberto Afon­so PES­QUI­SA­DOR DA FGV

WILTON JU­NI­OR/ESTADÃO - 14/9/2017

Lon­ge da apo­sen­ta­do­ria. ‘Te­nho cer­te­za de que o BNDES che­ga aos 100 anos’, diz Ra­bel­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.