Ino­va­ção na zo­na ru­ral

Tec­no­lo­gi­as ino­va­do­ras cri­a­das por jo­vens em­pre­en­de­do­res vêm mu­dan­do a for­ma co­mo os pro­du­to­res cui­dam da la­vou­ra e dos ne­gó­ci­os

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - An­na Ca­ro­li­na Papp

O nú­me­ro de star­tups no cam­po qua­dru­pli­cou nos úl­ti­mos dois anos. O se­tor apos­ta em so­lu­ções tec­no­ló­gi­cas pa­ra a agri­cul­tu­ra, co­mo in­ter­net das coi­sas, big da­ta e softwa­res de mo­ni­to­ra­men­to.

Já faz tem­po que o cam­po vi­rou pa­ra­dig­ma de avan­ço tec­no­ló­gi­co no País. Foi com ele que o agro­ne­gó­cio pas­sou a os­ten­tar gran­des ci­fras e ba­ter re­cor­des de pro­du­ti­vi­da­de ano a ano. Na fron­tei­ra des­sa ino­va­ção se en­con­tra uma sa­fra de jo­vens em­pre­en­de­do­res, de 20, 30 e pou­cos anos, que usam big da­ta, in­ter­net das coi­sas e até o con­cei­to de eco­no­mia com­par­ti­lha­da pa­ra re­vo­lu­ci­o­nar a ma­nei­ra co­mo o pro­du­tor cui­da da la­vou­ra e do seu ne­gó­cio.

De acor­do com a As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Star­tups (ABS­tar­tups), nos úl­ti­mos dois anos, qua­se qua­dru­pli­cou a quan­ti­da­de de star­tups li­ga­das à agri­cul­tu­ra – as cha­ma­das agri­te­chs, ou ag­te­chs. Ho­je, es­ti­ma-se que ha­ja cer­ca de 200 no País. Es­sas em­pre­sas, mui­tas in­cu­ba­das em uni­ver­si­da­des, de­sen­vol­vem so­lu­ções em agri­cul­tu­ra de pre­ci­são, mo­ni­to­ra­men­to de la­vou­ra e au­to­ma­ção de equi­pa­men­tos.

Es­sas tec­no­lo­gi­as não só re­du­zem cus­tos co­mo oti­mi­zam re­cur­sos. A Agros­mart, por exem­plo, pro­me­te eco­no­mia de até 60% da água uti­li­za­da pa­ra a ir­ri­ga­ção das la­vou­ras. Com sen­so­res es­pa­lha­dos pe­la plan­ta­ção, o sis­te­ma me­de in­di­ca­do­res co­mo umi­da­de e tem­pe­ra­tu­ra do so­lo, di­re­ção do ven­to e ra­di­a­ção so­lar pa­ra in­for­mar a quan­ti­da­de que ca­da par­te da plan­ta­ção ne­ces­si­ta, bem co­mo o ho­rá­rio mais econô­mi­co pa­ra a ir­ri­ga­ção. “Ro­da­mos al­go­rit­mos pa­ra sa­ber a quan­ti­da­de exa­ta que o pro­du­tor de­ve usar”, ex­pli­ca o só­cio Rapha­el Piz­zi. “Te­mos um ou­tro pro­du­to que é o de con­tro­le, pe­lo qual o pro­du­tor con­se­gue li­gar o sis­te­ma de ir­ri­ga­ção re­mo­ta­men­te, pe­lo smartpho­ne.”

A ideia do ne­gó­cio veio da só­cia-fun­da­do­ra Ma­ri­a­na Vas­con­ce­los, fi­lha de pro­du­to­res de mi­lho em Ita­ju­bá (MG), du­ran­te se­ca que cas­ti­gou a re­gião Su­des­te em 2014. Com dois ami­gos de in­fân­cia e di­nhei­ro do bol­so, fo­ram lan­ça­dos os pri­mei­ros pro­tó­ti­pos – tes­ta­dos na la­vou­ra do pai de Ma­ri­a­na.

A tra­je­tó­ria foi as­cen­den­te: em 2015, fo­ram pre­mi­a­dos pe­la Nasa e ti­ve­ram aces­so a um pro­gra­ma de trans­fe­rên­cia tec­no­ló­gi­ca. De­pois, a star­tup foi ace­le­ra­da pe­lo Go­o­gle, o que lhes ren­deu US$ 80 mil em in­ves­ti­men­to e uma tem­po­ra­da de três me­ses no Va­le do Si­lí­cio, nos EUA. No mês pas­sa­do, a em­pre­sa deu seu pon­ta­pé no ex­te­ri­or: com um par­cei­ro lo­cal, inau­gu­rou uma fi­li­al nos Es­ta­dos Uni­dos.

“Ago­ra, es­ta­mos cap­tan­do uma se­gun­da ro­da­da de in­ves­ti­men­tos e que­re­mos, no pri­mei­ro se­mes­tre do ano que vem, fo­car na ex­pan­são La­tam: Colôm­bia, Chi­le e Ar­gen­ti­na”, diz Piz­zi. Es­te ano, o fa­tu­ra­men­to pre­vis­to da em­pre­sa é de R$ 10 mi­lhões.

Da sa­la de au­la aos ne­gó­ci­os. As agri­te­chs têm uma re­la­ção for­te com a aca­de­mia, uma vez que vá­ri­as des­sas star­tups são in­cu­ba­das em uni­ver­si­da­des, co­mo a EsalqTec, da USP, em Pi­ra­ci­ca­ba (SP) – além do apoio de ins­ti­tui­ções co­mo a Em­bra­pa. Se­gun­do o Cen­so Agri­te­ch Star­tups Bra­sil, de de­zem­bro de 2016, 53% des­sas em­pre­sas têm mem­bros com al­gum ti­po de pós-gra­du­a­ção.

“Em re­la­ção a fin­te­chs, por exem­plo, ain­da es­ta­mos mui­to atra­sa­dos em re­la­ção a ou­tros paí­ses. Ago­ra, no agro­ne­gó­cio... o que es­tá sain­do das uni­ver­si­da­des não dei­xa na­da a de­se­jar”, afir­ma Fran­cis­co Jar­dim, só­ci­o­fun­da­dor da SP Ven­tu­res, fun­do de in­ves­ti­men­to de ca­pi­tal de ris­co fo­ca­do no agro­ne­gó­cio.

Ape­sar do avan­ço de fun­dos de in­ves­ti­men­to e pro­gra­mas de ace­le­ra­ção, ain­da fal­tam re­cur­sos. De acor­do com a pes­qui­sa, 80% en­con­tra­ram di­fi­cul­da­des pa­ra cap­tar in­ves­ti­men­tos – e 42% fi­nan­ci­a­ram o ne­gó­cio do pró­prio bol­so. “Pre­ci­sa­mos de no­vas li­nhas de cré­di­to pa­ra es­se mer­ca­do, além de vi­são de ne­gó­cio – mui­tos em­pre­en­de­do­res que sa­em da aca­de­mia pen­sam co­mo ci­en­tis­tas, e não co­mo em­pre­sá­ri­os”, ob­ser­va Ma­teus Mon­din, pro­fes­sor da Esalq-USP e um dos res­pon­sá­veis pe­la pes­qui­sa. Pa­ra ele, ape­sar de ain­da ha­ver mui­ta des­con­fi­an­ça, a ten­dên­cia é que ha­ja uma ado­ção gra­da­ti­va e cres­cen­te das no­vas tec­no­lo­gi­as. “Há so­lu­ções pa­ra to­dos os por­tes e bol­sos, do gran­de pro­du­tor à agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar. Es­sas em­pre­sas es­tão fa­zen­do uma ver­da­dei­ra re­vo­lu­ção na agri­cul­tu­ra.”

Mai­kon Schi­es­sl, di­re­tor do co­mi­tê de agri­te­ch da ABS­tar­tups, con­cor­da. “O agri­cul­tor do pas­sa­do fi­cou pa­ra trás, ele ho­je é co­nec­ta­do: 67% dos pro­du­to­res usam o Fa­ce­bo­ok e 96% o What­sApp, in­clu­si­ve pa­ra os ne­gó­ci­os. Eles pre­ci­sam de so­lu­ções no­vas, di­gi­tais – e es­sas em­pre­sas es­tão en­tre­gan­do.”

EPITACIO PES­SOA/ESTADÃO

EPITÁCIO PES­SOA/ESTADÃO CON­TEÚ­DO

Oti­mi­za­ção. Sen­so­res da Agros­mart es­pa­lha­dos pe­la plan­ta­ção aju­dam a eco­no­mi­zar até 60% da água usa­da na ir­ri­ga­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.