Ju­les Ver­ne iné­di­to

O Tes­ta­men­to de um Ex­cên­tri­co faz um re­tra­to crí­ti­co do po­vo ame­ri­ca­no.

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - An­to­nio Gon­çal­ves Fi­lho

O fran­cês Ju­les Ver­ne (1828-1905), se­gun­do au­tor mais tra­du­zi­do do mun­do, atrás ape­nas do in­glês Wil­li­am Sha­kes­pe­a­re, aca­ba de ter um li­vro de sua fa­se ma­du­ra tra­du­zi­do pe­la pri­mei­ra vez no Bra­sil, O Tes­ta­men­to de um Ex­cên­tri­co, pu­bli­ca­do em 1899. An­tes tar­de do que nun­ca. Edi­ção li­mi­ta­da (1 mil exem­pla­res nu­me­ra­dos), o li­vro, pu­bli­ca­do pe­la editora Ca­ram­baia, é ao mes­mo tem­po uma des­cri­ção de­ta­lha­da da vi­da nos EUA na vi­ra­da do sé­cu­lo 19 pa­ra o 20 e uma aná­li­se do ca­rá­ter do ame­ri­ca­no mé­dio fei­ta por um au­tor re­ve­ren­te às con­quis­tas do país, mas ex­tre­ma­men­te crí­ti­co ao es­pí­ri­to com­pe­ti­ti­vo dos seus ci­da­dãos.

Ou­tros três li­vros de Ju­les Ver­ne es­tão sen­do si­mul­ta­ne­a­men­te lan­ça­dos por ou­tras edi­to­ras, en­tre eles uma ou­tra obra pou­co li­da do au­tor de Vin­te Mil Lé­guas Sub­ma­ri­nas. Tra­ta-se

de Dois Anos de Fé­ri­as (leia mais so­bre o

li­vro nes­ta pá­gi­na), pu­bli­ca­do pe­la pri­mei­ra vez em 1888, so­bre cri­an­ças à de­ri­va no mar do Pa­cí­fi­co que, pa­ra so­bre­vi­ver na na­tu­re­za hos­til, são obri­ga­das a re­pli­car o mo­de­lo da so­ci­e­da­de dos adul­tos – com to­da a hi­e­rar­quia de quem se ima­gi­na­va li­vre das or­dens dos pais. Dois Anos de Fé­ri­as é lan­ça­do pe­la mes­ma editora, a Via Lei­tu­ra, que pu­bli­ca uma no­va tra­du­ção de um dos li­vros mais po­pu­la­res do ro­man­cis­ta fran­cês, A Vol­ta ao

Mun­do em 80 Di­as (1873). En­tre es­se tí­tu­lo e O Tes­ta­men­to de

um Ex­cên­tri­co exis­te um vín­cu­lo na­da des­pre­zí­vel. Se A Vol­ta ao Mun­do em

80 Di­as tem um ri­co ca­va­lhei­ro in­glês só­cio de um clu­be fe­cha­do, vi­ven­do de ma­nei­ra um tan­to sis­te­má­ti­ca, o li­vro ame­ri­ca­no de Ver­ne tam­bém tem um mi­li­o­ná­rio fi­li­a­do a um clu­be – no ca­so, de ex­cên­tri­cos – que pre­ci­sa jus­ti­fi­car sua ade­são ao mes­mo, re­di­gin­do um tes­ta­men­to que obri­ga os in­te­res­sa­dos em sua he­ran­ça a vi­a­jar por to­da a ex­ten­são do ter­ri­tó­rio nor­te-ame­ri­ca­no. Va­le lem­brar que, em

A Vol­ta ao Mun­do em 80 Di­as, o iti­ne­rá­rio do ca­va­lhei­ro in­glês Phil­le­as Fog, que per­ten­ce igual­men­te a um clu­be pri­va­do, pre­vê uma vi­a­gem de trem de se­te di­as pe­los EUA, en­tre San Fran­cis­co e No­va York. De­ta­lhe: ne­le, a vi­a­gem se­gue um ro­tei­ro, a des­pei­to dos im­pre­vis­tos.

Nos dois li­vros, o des­lum­bre fu­tu­ris­ta de Ver­ne ce­de lu­gar a uma abor­da­gem mais crí­ti­ca dos im­pé­ri­os – A Vol­ta ao Mun­do em 80 Di­as faz um in­glês pon­tu­a­lís­si­mo che­gar atra­sa­do ao seu des­ti­no, re­pre­sen­ta­ção ale­gó­ri­ca do de­clí­nio do Im­pé­rio Bri­tâ­ni­co, in­ca­paz de acom­pa­nhar as mu­dan­ças de sua épo­ca e re­co­nhe­cer as di­fe­ren­ças cul­tu­rais de ou­tros pon­tos do pla­ne­ta, par­ti­cu­lar­men­te o No­vo Mun­do. Em O Tes­ta­men­to de um Ex­cên­tri­co, o mi­li­o­ná­rio obri­ga os pre­ten­den­tes à he­ran­ça a uma ma­ra­to­na de vi­a­gens por to­dos os 50 Es­ta­dos ame­ri­ca­nos, sub­me­ten­do os sor­te­a­dos a um jo­go de ta­bu­lei­ro e da­dos. A uma cer­ta al­tu­ra do li­vro, aliás, Ver­ne ci­ta Mal­lar­mé – “um jo­go de da­dos ja­mais eli­mi­na­rá o aca­so.” E é jus­ta­men­te o aca­so que dá as cartas em O Tes­ta­men­to de um Ex­cên­tri­co.

O pon­to de par­ti­da (e che­ga­da) dos seis can­di­da­tos sor­te­a­dos pa­ra her­dar a for­tu­na do mul­ti­mi­li­o­ná­rio Wil­li­am J. Hyp­per­bo­ne é Chi­ca­go, que, em 1897, da­ta em que co­me­ça a dis­pu­ta, os­ten­ta­va o tí­tu­lo de quin­ta ci­da­de do mun­do, já usan­do, na épo­ca, mei­os de trans­por­te mo­der­nos. Na ver­da­de, são se­te os can­di­da­tos – o ex­cên­tri­co Hyp­per­bo­ne, num com­ple­men­to ao tes­ta­men­to, de­ter­mi­na que o sé­ti­mo par­ti­ci­pa­rá do Jo­go do Gan­so sem ter sua iden­ti­da­de re­ve­la­da. Co­mo no tra­di­ci­o­nal jo­go de ta­bu­lei­ro, que se po­pu­la­ri­zou na Eu­ro­pa en­tre os sé­cu­los 16 e 17, os par­ti­ci­pan­tes po­dem avan­çar, re­tro­ce­der ou so­frer pe­na­li­za­ções, o que, em se tra­tan­do de uma cor­ri­da por uma he­ran­ça de US$ 60 mi­lhões, po­de sig­ni­fi­car mais que um sim­ples con­tra­tem­po.

Ver­ne cri­ou al­guns ti­pos bem an­ti­pá­ti­cos pa­ra par­ti­ci­par des­se ‘jo­go do gan­so’ – que Hyp­per­bo­ne ba­ti­za de Nobre Jo­go dos EUA, em que as ca­sas do ta­bu­lei­ro são subs­ti­tuí­das pe­los es­ta­dos do país. E, ob­vi­a­men­te, a mo­vi­men­ta­ção dos jo­ga­do­res é re­al. Há, por exem­plo, um ca­sal de usu­rá­ri­os, Her­mann e Ka­te Tit­bury, que, mes­qui­nhos ao ex­tre­mo, são obri­ga­dos a de­sem­bol­sar US$ 8 mil pa­ra pa­gar as des­pe­sas de vi­a­gem e apren­dem uma li­ção no epí­lo­go que dei­xa­rá mar­cas nes­se re­la­ci­o­na­men­to. Há tam­bém um co­lé­ri­co ca­pi­tão de san­gue quen­te que, acom­pa­nha­do de um ma­ri­nhei­ro, en­tra na com­pe­ti­ção e vi­a­ja ape­nas pa­ra amar­gar uma gran­de de­cep­ção. Ou­tro per­so­na­gem pa­té­ti­co, um pu­gi­lis­ta, le­va mais mur­ros da vi­da do que tal­vez me­re­ces­se.

A sim­pa­tia de Ver­ne con­ver­ge pa­ra a fi­gu­ra de um ar­tis­ta, o pin­tor (des­cen­den­te de fran­ce­ses, cla­ro) Max Réal, que, co­mo su­ge­re seu so­bre­no­me, tem uma re­la­ção ver­da­dei­ra com a vi­da – pa­ra ele, a he­ran­ça não sig­ni­fi­ca mui­to, mas a vi­a­gem, sim. Ou­tra per­so­na­gem sim­pá­ti­ca é Lis­sy Wag, ven­de­do­ra de uma lo­ja de Chi­ca­go. Acom­pa­nha­da na jor­na­da por sua me­lhor ami­ga, du­ran­te o jo­go ela e Max Réal fi­cam ca­da vez mais pró­xi­mos. Dois out­si­ders, que, en­fim, não se en­cai­xam num jo­go em que o ca­pi­tal é o prê­mio, são os he­róis de Ver­ne. A exem­plo dos de­mais, não são se­nho­res de seu des­ti­no. São ser­vos do aca­so num jo­go de da­dos, mas con­tam com a em­pa­tia do au­tor pe­los ar­tis­tas e des­fa­vo­re­ci­dos no gi­gan­tes­co ter­ri­tó­rio do jo­go (os EUA), on­de a pa­la­vra ‘lo­o­ser’ (per­de­dor) é fre­quen­te­men­te em­pre­ga­da pa­ra de­sig­nar ti­pos co­mo Max Réal e Lis­sy Wag.

Ver­ne foi não só um vi­si­o­ná­rio que anun­ci­ou o fu­tu­ro, mas um es­cri­tor ado­ta­do co­mo re­fe­rên­cia por au­to­res fi­li­a­dos ao sur­re­a­lis­mo, co­mo Ray­mond Qu­e­ne­au e Ju­lio Cor­tá­zar, co­mo já as­si­na­lou um crí­ti­co fran­cês, re­fe­rin­do-se à res­so­nân­cia de O Tes­ta­men­to de um Ex­cên­tri­co na obra dos dois (es­pe­ci­al­men­te em O Jo­go da Ama­re­li­nha, do es­cri­tor ar­gen­ti­no, que po­de ser li­do de ma­nei­ra li­ne­ar ou co­mo num jo­go do gan­so, par­tin­do do ca­pí­tu­lo 73 pa­ra re­tor­nar ao prin­cí­pio). As nar­ra­ti­vas li­te­rá­ri­as de Ver­ne con­ser­vam tam­bém um pa­ren­tes­co com Ray­mond Rous­sel e Bre­ton. É o que ga­ran­tem os aca­dê­mi­cos Ter­ry Ha­le e An­drew Hu­gill.

Tra­du­zi­do pe­la pri­mei­ra vez, ‘O Tes­ta­men­to de um Ex­cên­tri­co’ faz um re­tra­to crí­ti­co de um po­vo ob­ce­ca­do pe­la com­pe­ti­ção e pe­lo jo­go, o ame­ri­ca­no

LEV KAPLAN

Cri­a­ti­vo. Ilus­tra­ção de Lev Kaplan sin­te­ti­za in­ven­ti­vi­da­de da obra do es­cri­tor fran­cês

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.