Vil­la­vi­cen­cio, a ci­da­de dos co­lom­bi­a­nos que fu­gi­ram das Farc

Pro­cu­ra­do­ria co­lom­bi­a­na aler­ta que a lis­ta de bens apre­sen­ta­da pe­lo gru­po não con­tém to­das as pos­ses ob­ti­das nos 50 anos de con­fli­to

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Fer­nan­da Si­mas EN­VI­A­DA ES­PE­CI­AL A BO­GO­TÁ Ja­mil Cha­de COR­RES­PON­DEN­TE / GE­NE­BRA

Com 384 mil ha­bi­tan­tes, a ci­da­de de Vil­la­vi­cen­cio, a 120 quilô­me­tros de Bo­go­tá, abri­ga cer­ca de 150 mil ví­ti­mas do êxo­do pro­vo­ca­do no país por dé­ca­das de con­fli­to ar­ma­do en­tre guer­ri­lha e o go­ver­no, in­for­ma a en­vi­a­da à Colôm­bia Fer­nan­da Si­mas. “Que­ri­am re­cru­tar meus ir­mãos”, con­ta o cos­tu­rei­ro Ed­gar Ra­mí­rez, que fu­giu das Farc. “So­mos des­lo­ca­dos de um con­fli­to que não era nos­so”, diz a mo­ra­do­ra Gló­ria Ji­mé­nez.

Des­de o iní­cio das ne­go­ci­a­ções de paz en­tre o go­ver­no e as For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia (Farc), os ne­go­ci­a­do­res dei­xa­ram cla­ro que o cen­tro do acor­do se­ri­am as ví­ti­mas do con­fli­to e a re­pa­ra­ção a elas. Pa­ra es­sa com­pen­sa­ção, se­rá usa­do o pa­trimô­nio con­quis­ta­do pe­las Farc ao lon­go de 50 anos na clan­des­ti­ni­da­de. A dis­cus­são so­bre o que a guer­ri­lha de­cla­rou ter e a rein­ser­ção econô­mi­ca dos ex-com­ba­ten­tes cau­sa re­cla­ma­ções dos dois la­dos e tra­va a apli­ca­ção dos pac­tos.

En­ri­que San­ti­a­go, ad­vo­ga­do e um dos prin­ci­pais ne­go­ci­a­do­res do gru­po no pro­ces­so de paz, aler­ta que o mai­or pro­ble­ma é a lentidão do go­ver­no em dar uma res­pos­ta so­ci­al e econô­mi­ca aos ex-guer­ri­lhei­ros, o que os tor­na al­vos de gru­pos cri­mi­no­sos que ofe­re­cem uma ren­da dez ve­zes mai­or. “Há a eco­no­mia dos con­tra­ban­dos e as ofer­tas de gru­pos cri­mi­no­sos che­gam a 6 mi­lhões de pe­sos, con­tra a aju­da do Es­ta­do de 600 mil pe­sos”, ex­pli­cou ao Es­ta­do.

O go­ver­no co­lom­bi­a­no afir­ma que es­tá de­sen­vol­ven­do pro­gra­mas de es­pe­ci­a­li­za­ções on­de os mais de 6 mil ex-in­te­gran­tes de guer­ri­lha fi­ca­ram con­cen­tra­dos pa­ra o pro­ces­so de de­sar­ma­men­to e rein­cor­po­ra­ção à vi­da ci­vil. Um des­ses pro­gra­mas por exem­plo se­ria um trei­na­men­to pa­ra que os an­ti­gos com­ba­ten­tes pos­sam tra­ba­lhar em em­pre­sas de se­gu­ran­ça pri­va­da.

San­ti­a­go con­tes­ta e diz que é pre­ci­so ocor­rer uma re­for­ma ru­ral e a pro­me­ti­da dis­tri­bui­ção de ter­ras. “Ne­nhum hec­ta­re de ter­ra foi co­lo­ca­do até ago­ra à dis­po­si­ção dos an­ti­gos guer­ri­lhei­ros. E 90% de­les são agri­cul­to­res. Eles não que­rem ser rein­cor­po­ra­dos nas zo­nas ur­ba­nas. Não adi­an­ta en­tre­gar um tá­xi a eles. O go­ver­no diz que não es­ta­va pre­vis­to en­tre­gar ter­ras. Ver­da­de. O acor­do diz que vão dar 10 mi­lhões de hec­ta­res a agri­cul­to­res sem ter­ra. Ago­ra, quem são os agri­cul­to­res sem ter­ra?”.

O ad­vo­ga­do ale­ga que a fal­ta de pro­je­tos pro­du­ti­vos, cha­ve pa­ra ga­ran­tir a rein­cor­po­ra­ção econô­mi­ca dos ex-guer­ri­lhei­ros, po­de tor­nar mais in­te­res­san­te dei­xar a im­ple­men­ta­ção do acor­do de paz e vol­tar pa­ra o cri­me or­ga­ni­za­do. “Por en­quan­to, o go­ver­no ape­nas ga­ran­te cer­ca de 200 eu­ros por mês por dois anos. Is­so é 80% do sa­lá­rio mí­ni­mo”, dis­se. Em sua ava­li­a­ção, se as me­di­das des­cri­tas nos acor­dos não fo­rem im­ple­men­ta­das, as Farc po­dem ter pro­ble­mas in­ter­nos e even­tu­ais dis­si­dên­ci­as. “Po­de­mos ter um ce­ná­rio de fim da vi­o­lên­cia po­lí­ti­ca que não é acom­pa­nha­da pe­lo fim da vi­o­lên­cia so­ci­al”, aler­tou.

Des­lo­ca­da pe­lo con­fli­to, a ar­te­sã Glo­ria Pa­tri­cia Aran­go Ji­mé­nez, de 45 anos, con­ta que há três anos, qu­an­do já ha­via fu­gi­do da guer­ri­lha, foi ví­ti­ma de um no­vo gru­po cri­mi­no­so que rou­bou tu­do o que ela ti­nha. “Há pa­ra­mi­li­ta­res, gru­pos ar­ma­dos, o acor­do não mu­dou mui­ta coi­sa. Ou­tros gru­pos se for­ma­ram e es­tão rou­ban­do e ma­tan­do da mes­ma for­ma”, afir­ma a mo­ra­do­ra de Vil­la­vi­cen­cio, ci­da­de de ocu­pa­ções ile­gais for­ma­da por quem fu­giu do con­fli­to (mais in­for­ma­ções nes­ta pá­gi­na).

A Pro­cu­ra­do­ria co­lom­bi­a­na aler­tou que a lis­ta de bens apre­sen­ta­da pe­lo gru­po não con­tém to­das as pos­ses ob­ti­das nos 50 anos do con­fli­to. As Farc afir­mam ter 963 bi­lhões de pe­sos (R$ 1 bi­lhão). O acor­do pre­vê que se al­gum in­te­gran­te da guer­ri­lha omi­tir pro­po­si­tal­men­te va­lo­res dei­xa de ter o be­ne­fí­cio de ser jul­ga­do na Jus­ti­ça Es­pe­ci­al pa­ra a Paz e te­rá o ca­so tra­ta­do pe­la Jus­ti­ça co­mum.

“Acho mui­to di­fí­cil pen­sar nes­se mo­men­to que o se­cre­ta­ri­a­do das Farc es­tá in­ten­ci­o­nal­men­te es­con­den­do re­cur­sos. Eles es­tão com­pro­me­ti­dos com o pro­ces­so de paz, sa­bem que têm a opi­nião pú­bli­ca des­fa­vo­rá­vel e o te­ma da cor­rup­ção no país é mui­to sen­sí­vel. Ago­ra, que lí­de­res das Farc te­nham fei­to tran­sa­ções no ex­te­ri­or e pos­si­vel­men­te têm bens por fo­ra da or­ga­ni­za­ção, is­so sim pa­re­ce mui­to pos­sí­vel, o ne­gó­cio era al­go mui­to ren­tá­vel”, ex­pli­ca Ser­gio Gu­a­rín, di­re­tor da Fun­da­ção Ide­as pa­ra la Paz.

O ci­en­tis­ta po­lí­ti­co Fré­dé­ric Mas­sé con­si­de­ra um er­ro po­lí­ti­co do no­vo par­ti­do das Farc dei­xar de de­cla­rar al­go. “Se en­con­tra­rem di­nhei­ro fo­ra ou den­tro do país não de­cla­ra­do se­rá um gol­pe na ima­gem que eles es­tão ten­tan­do pas­sar”. Gu­a­rín res­sal­ta que o prin­ci­pal obs­tá­cu­lo é ga­ran­tir que o di­nhei­ro fru­to dos anos de con­fli­to das Farc não se­ja usa­do no fi­nan­ci­a­men­to de cam­pa­nhas po­lí­ti­cas do gru­po, por­que não há um me­ca­nis­mo de con­tro­le dis­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.