O STF es­cal­da­do

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página -

Opro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca dei­xa o car­go, mas an­tes de ir cria um no­vo im­bró­glio, a se­gun­da de­nún­cia con­tra Te­mer, que exi­ge do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral me­di­das ex­cep­ci­o­nais de pru­dên­cia.

Sem­pre que se fa­la­va da pos­si­bi­li­da­de de uma se­gun­da de­nún­cia con­tra o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, Ro­dri­go Ja­not da­va a en­ten­der que tra­ba­lha­va in­ten­sa­men­te so­bre as in­ves­ti­ga­ções re­la­ti­vas ao pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e, ca­so apre­sen­tas­se uma no­va acu­sa­ção, ela se­ria mui­to ro­bus­ta, nu­ma es­pé­cie de co­ro­a­men­to do fi­nal de seu man­da­to co­mo pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca. Se­ria seu grand fi­na­le. Mas a pe­ça acu­sa­tó­ria apre­sen­ta­da ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) na quin­ta-fei­ra pas­sa­da não acres­cen­ta qual­quer ti­po de mé­ri­to ao cur­rí­cu­lo de seu au­tor. Ta­ma­nha é sua fra­gi­li­da­de que o mi­nis­tro Ed­son Fa­chin, re­la­tor da La­va Ja­to na Su­pre­ma Cor­te, pre­fe­riu fa­zer um ma­la­ba­ris­mo in­ter­pre­ta­ti­vo pa­ra não ter de en­vi­ar, mo­no­cra­ti­ca­men­te, a pe­ça à Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos. Em de­ci­são pro­fe­ri­da no mes­mo dia em que a de­nún­cia foi pro­to­co­la­da, Ed­son Fa­chin con­di­ci­o­nou o en­ca­mi­nha­men­to da acu­sa­ção pa­ra a Câ­ma­ra a uma de­li­be­ra­ção do ple­ná­rio do STF, pre­vis­ta pa­ra ser ado­ta­da na pró­xi­ma quar­ta-fei­ra.

A prin­cí­pio, o re­la­tor de­ve­ria en­vi­ar, por sim­ples ato de ofí­cio, a de­nún­cia ao pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, ten­do em vis­ta que a Cons­ti­tui­ção de 1988, no art. 51, de­fi­ne que “com­pe­te pri­va­ti­va­men­te à Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos au­to­ri­zar, por dois ter­ços de seus mem­bros, a ins­tau­ra­ção de pro­ces­so con­tra o Pre­si­den­te”.

Na de­ci­são do dia 14, o mi­nis­tro Ed­son Fa­chin re­co­nhe­ce tal re­a­li­da­de: “No en­ten­der des­te re­la­tor, após o ofe­re­ci­men­to da de­nún­cia, ne­nhum ou­tro ato de pro­ces­sa­men­to é ca­bí­vel em fa­ce do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca sem que se ob­te­nha pre­vi­a­men­te re­fe­ri­da au­to­ri­za­ção por par­te do Po­der Le­gis­la­ti­vo”. Mais adi­an­te, o re­la­tor vol­ta a fri­sar es­se pon­to: “Di­an­te da au­sên­cia de efei­to sus­pen­si­vo da ques­tão de or­dem, a prá­ti­ca de ato de im­pul­so pro­ces­su­al sub­se­quen­te ao ofe­re­ci­men­to da de­nún­cia, sem em­bar­go da re­le­van­te ques­tão ju­rí­di­ca, não de­pen­de­ria, em te­se, de so­lu­ção por par­te do Ple­no”.

Nes­se tre­cho, o mi­nis­tro Ed­son Fa­chin faz re­fe­rên­cia à ques­tão de or­dem pre­vi­a­men­te apre­sen­ta­da pe­lo pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, com o ob­je­ti­vo de sus­tar o en­ca­mi­nha­men­to de even­tu­al de­nún­cia à Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos ten­do em vis­ta a pos­si­bi­li­da­de de re­vi­são ou de res­ci­são do acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da com in­te­gran­tes da JBS. Em te­se, diz o mi­nis­tro, se­ria pos­sí­vel en­vi­ar des­de já a de­nún­cia à Câ­ma­ra, mas pre­fe­riu não fa­zê-lo.

A pru­dên­cia de aguar­dar o jul­ga­men­to da ques­tão de or­dem e de re­me­ter ao ple­ná­rio do STF a de­ci­são so­bre o en­ca­mi­nha­men­to da de­nún­cia – qu­an­do tu­do po­dia ser fei­to por me­ro ato de ofí­cio, mo­no­cra­ti­ca­men­te – diz mui­to so­bre as mui­tas dú­vi­das que pai­ram so­bre a pe­ça acu­sa­tó­ria. A se­gun­da de­nún­cia é tão in­sus­ten­tá­vel que su­as mais de 200 pá­gi­nas não trou­xe­ram qual­quer no­vi­da­de pro­ba­tó­ria nem se­quer pro­du­zi­ram aba­lo de mon­ta no am­bi­en­te po­lí­ti­co, o que se­ria mais que na­tu­ral di­an­te de uma acu­sa­ção for­mal con­tra o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

“Em ho­me­na­gem à co­le­gi­a­li­da­de e à se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca, emer­ge ra­zoá­vel e re­co­men­dá­vel aguar­dar o jul­ga­men­to da ci­ta­da ques­tão de or­dem, pre­vis­to pa­ra o dia 20 de se­tem­bro pró­xi­mo, con­for­me ses­são de 13.9.2017”, diz Ed­son Fa­chin na de­ci­são. Por trás des­sas pa­la­vras se vis­lum­bra um STF es­cal­da­do pe­las ações de Ro­dri­go Ja­not. Tal­vez os even­tos das du­as úl­ti­mas se­ma­nas pos­sam ter con­tri­buí­do pa­ra a Su­pre­ma Cor­te dar-se con­ta do ris­co que é pôr a mão no fo­go pe­lo pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca. Após os ve­e­men­tes vo­tos dos mi­nis­tros, pro­fe­ri­dos em fins de ju­nho, a res­pei­to da com­pe­tên­cia do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pa­ra fir­mar acor­dos de de­la­ção pre­mi­a­da – dis­cu­tia-se a va­li­da­de dos ter­mos do acor­do com Jo­es­ley Ba­tis­ta –, não de­ve ter si­do fá­cil aos in­te­gran­tes do STF to­mar co­nhe­ci­men­to da con­fu­são e das pos­sí­veis ile­ga­li­da­des en­vol­ven­do as tra­ta­ti­vas des­sa de­la­ção com a Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca.

Ago­ra, o pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca dei­xa o car­go, mas an­tes de ir cria um no­vo im­bró­glio, que exi­ge do STF me­di­das ex­cep­ci­o­nais de pru­dên­cia. Di­an­te da mi­ría­de de ab­sur­dos a que o País tem si­do obri­ga­do a as­sis­tir, é ao me­nos ani­ma­dor sa­ber do es­for­ço que in­te­gran­tes da mais al­ta Cor­te do Ju­di­ciá­rio fa­zem pa­ra con­ter os da­nos de atu­a­ção tão de­sas­tra­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.