Pos­ses­são de­mo­nía­ca e do ca­pi­tal

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - LE­AN­DRO KARNAL LE­AN­DRO KARNAL ES­CRE­VE ÀS QUAR­TAS-FEI­RAS E AOS DO­MIN­GOS

Quer sa­ber se vo­cê é pos­suí­do ou his­té­ri­ca? Bas­ta to­mar uma no­ta de cem re­ais, ou eu­ros, em mãos.

Fa­mi­li­ar aos his­to­ri­a­do­res em ge­ral, o con­ven­to em Lou­dun, Fran­ça, é qua­se des­co­nhe­ci­do do gran­de pú­bli­co. A pe­que­na ci­da­de fo­ra pal­co das de­vas­ta­do­ras guer­ras re­li­gi­o­sas en­tre ca­tó­li­cos e pro­tes­tan­tes, além de ter en­fren­ta­do um mor­tí­fe­ro sur­to de pes­te. Em 1632, qu­an­do as coi­sas pa­re­ci­am re­tor­nar a al­gu­ma nor­ma­li­da­de, um gru­po de ir­mãs ur­su­li­nas co­me­çou a apre­sen­tar es­tra­nhos com­por­ta­men­tos. Vi­sões, gri­tos, ata­ques de his­te­ria sem cau­sa apa­ren­te, blas­fê­mi­as e ou­tros fa­tos es­tra­nhos ron­da­vam aque­las an­tes pi­e­do­sas pa­re­des con­ven­tu­ais. A ma­dre Joana dos An­jos (Je­an­ne des An­ges) es­ta­va no epi­cen­tro dos fa­tos bi­zar­ros.

Uma in­ves­ti­ga­ção foi ini­ci­a­da e des­co­ber­tas sur­pre­en­den­tes emer­gi­ram. O pá­ro­co da igre­ja lo­cal, um je­suí­ta cha­ma­do Ur­bain Gran­di­er, foi apon­ta­do co­mo um ser­vo do demô­nio. Em do­cu­men­to as­si­na­do com san­gue, te­ria im­pos­to um pac­to di­a­bó­li­co a to­da a co­mu­ni­da­de de re­li­gi­o­sas em tro­ca de fa­vo­res se­xu­ais e po­der.

A pos­ses­são co­le­ti­va tor­nou-se fa­mo­sa. Mui­ta gen­te que­ria ver as ator­men­ta­das que, em es­pe­tá­cu­los qua­se te­a­trais, re­pe­ti­am su­as dan­ças fre­né­ti­cas e fa­las ofen­si­vas a emi­nên­ci­as da cor­te. A no­to­ri­e­da­de do con­ven­to pro­du­zia uma ob­ses­são. Gran­di­er aca­bou en­con­tran­do a fo­guei­ra, ma­dre Joana foi exor­ci­za­da du­ran­te dois anos por ou­tro je­suí­ta, Je­an-Jo­seph Su­rin.

Zê­ni­te da cren­ça em bru­xa­ri­as e pac­tos de­mo­nía­cos, o epi­só­dio de Lou­dun, se­gun­do al­guns es­pe­ci­a­lis­tas, mar­ca­ria o iní­cio do de­clí­nio da cren­ça. Lou­dun foi o mo­men­to mais ex­pres­si­vo do po­der de Lú­ci­fer so­bre os demô­ni­os. A idade con­tem­po­râ­nea des­lo­ca­ria o mal das pro­fun­de­zas ín­fe­ras pa­ra os ga­bi­ne­tes po­lí­ti­cos. Sa­ta­nás en­fren­tou mal a con­cor­rên­cia com a cri­a­ti­vi­da­de des­tru­ti­va dos hu­ma­nos. O sa­bá di­a­bó­li­co foi subs­ti­tuí­do pe­los co­mí­ci­os na­zis­tas e o ver­me­lho in­fer­nal, pe­lo es­ta­tal de Sta­lin. Nos­so mun­do não pre­ci­sa mais de demô­ni­os.

Por que a pos­ses­são saiu das zo­nas cen­trais dos sa­be­res re­co­nhe­ci­dos e pas­sou pa­ra as pe­ri­fé­ri­cas? Ain­da exis­tem exor­cis­mos e mui­ta gen­te crê nas le­giões do mal com fer­vor. Po­rém, ne­nhum psi­qui­a­tra ou fi­ló­so­fo po­de in­vo­car Bel­ze­bu co­mo ori­gem de um mal sem ris­co de per­der a cre­di­bi­li­da­de.

Ho­je, se um gru­po de frei­ras co­me­ças­se a gri­tar co­le­ti­va­men­te, cha­ma­ría­mos a po­lí­cia e in­vo­ca­ría­mos a lei do si­lên­cio. Per­sis­tin­do os sin­to­mas, sur­gi­ri­am me­di­ca­men­tos psi­quiá­tri­cos e, não se re­sol­ven­do na­da, a in­ter­na­ção se­ria o ca­mi­nho. Mi­chel de Fou­cault ana­li­sou a ma­nei­ra de subs­ti­tuir os sa­be­res e prá­ti­cas re­li­gi­o­sas por mé­di­cas. De­sa­pa­re­ce o exor­cis­ta e emer­ge o te­ra­peu­ta. So­me o so­do­mi­ta e in­ven­ta-se o ho­mos­se­xu­al no sé­cu­lo 19. A pos­suí­da de Lou­dun dá lu­gar à his­té­ri­ca do Dr. Char­cot. Os dis­cur­sos mé­di­cos ten­dem a subs­ti­tuir a au­to­ri­da­de re­li­gi­o­sa.

Ape­sar de ser lou­cu­ra, re­ve­la mé­to­do, as­se­gu­ra Polô­nio ao ou­vir o de­va­neio do prín­ci­pe Ham­let. Pen­so na fra­se ao re­lem­brar um co­le­ga pro­fes­sor que ma­ni­fes­ta­va com­por­ta­men­tos, di­ga­mos, atí­pi­cos. Os atos fo­ram ga­nhan­do in­ten­si­da­de e se tor­na­ram o cen­tro de aten­ção dos co­men­tá­ri­os. Hou­ve um de­ba­te: es­ta­ria de­men­te mes­mo ou se­ria, à ma­nei­ra do di­na­marquês ci­ta­do, um en­ce­na­dor de ro­tei­ros de­li­ran­tes pa­ra ob­ter van­ta­gens? Uma co­le­ga lan­çou ve­re­dic­to pre­ci­so: ele já foi vis­to ras­gan­do di­nhei­ro no pá­tio? Al­guém foi tes­te­mu­nha de que o pro­fes­sor pe­ga­va no­tas de cem re­ais e as pi­ca­va ao ven­to? Não, nun­ca ti­nha si­do tes­te­mu­nha­do tal ato. Lo­go, con­cluiu a do­na da ideia, ele não é lou­co! Apa­ren­te­men­te, o res­pei­to ao meio cir­cu­lan­te é o úl­ti­mo pa­ta­mar pa­ra de­ci­dir se so­mos ou não per­tur­ba­dos men­tais. O azul da no­ta de cem é o li­mi­te cro­má­ti­co da sa­ni­da­de. As ga­rou­pas in­tac­tas no de­se­ja­do pa­pel im­pres­so ga­ran­tem: vo­cê ain­da é um ser sau­dá­vel.

Fi­cou fá­cil, que­ri­da lei­to­ra e es­ti­ma­do lei­tor. Quer sa­ber se vo­cê é um pos­suí­do ou uma his­té­ri­ca co­mo as ur­su­li­nas de Lou­dun? De­se­ja in­ves­ti­gar se ha­bi­ta a exí­gua ilha da sa­ni­da­de que o Dr. Ba­ca­mar­te iden­ti­fi­cou n’O Ali­e­nis­ta? Bas­ta to­mar a no­ta de cem re­ais em mãos. Se pre­fe­rir um cer­ti­fi­ca­do in­ter­na­ci­o­nal de qua­li­da­de pa­ra o tes­te, pe­gue uma de cem eu­ros. Ten­te des­truí­la, ras­gá-la por com­ple­to. Não con­se­guiu? Pa­ra­béns: vo­cê é uma pes­soa nor­mal. Seus ti­ques, tre­jei­tos, trans­tor­nos e to­ques fa­zem par­te ape­nas da idi­os­sin­cra­sia que nos aco­me­te. Con­ti­nue a re­fle­xão: ali es­tá o di­nhei­ro pe­lo qual vo­cê acor­da ce­do e qua­se se ma­ta di­a­ri­a­men­te. Ali, o pa­pel pe­lo qual sua saú­de se es­vai. Di­an­te de vo­cê o ei­xo im­pres­so de to­da sua vi­da. Ele é su­a­da­men­te ob­ti­do, ze­lo­sa­men­te guar­da­do e so­fri­da­men­te en­tre­gue. Di­nhei­ro é um re­gis­tro de tem­po, já que pa­ra con­se­gui-lo vo­cê vai en­tre­gan­do sua vi­da na am­pu­lhe­ta bi­o­grá­fi­ca des­ti­na­da ao es­va­zi­a­men­to de to­da areia. E, ao fi­nal de tu­do, aque­le ob­je­to de sa­ni­da­de que vo­cê não con­se­guiu ras­gar por­que vo­cê é nor­mal vai con­su­mir tu­do, en­ve­ne­nar re­la­ções com só­ci­os, cri­ar hu­mi­lha­ções con­sen­ti­das, ma­tar pes­so­as num as­sal­to, cor­rom­per al­mas de cor­rup­tos e até fi­gu­rar em cai­xas em um apar­ta­men­to so­te­ro­po­li­ta­no. Por fim, ser­vi­rá co­mo uma ce­nou­ra de pa­pel a sua fren­te até o úl­ti­mo sus­pi­ro, que só se­rá tran­qui­lo se o mes­mo di­nhei­ro for su­fi­ci­en­te pa­ra seu pla­no de saú­de e ex­ce­den­te pa­ra que a fa­mí­lia só sin­ta a dor da sua par­ti­da sem o ônus do dé­fi­cit. Ha­ve­ria exor­cis­mo pa­ra es­se pa­drão de nor­ma­li­da­de? Afi­nal, quem não ras­ga di­nhei­ro é nor­mal. Quem ras­ga tal­vez se­ja sá­bio. O res­to, di­ria um lou­co sá­bio, é si­lên­cio. Bom do­min­go a to­dos vo­cês.

Quem ras­ga di­nhei­ro tal­vez se­ja sá­bio. O res­to, di­ria um lou­co sá­bio, é si­lên­cio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.