A re­vo­lu­ção do au­to­mó­vel

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - CEL­SO MING E-MAIL: CEL­SO.MING@ESTADAO.COM / COM AMAN­DA PUPO

Co­nec­ti­vi­da­de, au­to­ma­ção, sus­ten­ta­bi­li­da­de e se­gu­ran­ça são pri­o­ri­da­des do car­ro do fu­tu­ro.

Ain­dús­tria de veí­cu­los es­tá à bei­ra de uma re­vo­lu­ção mun­di­al. Ao lon­go de mais de cem anos, os au­to­mó­veis fo­ram usa­dos qua­se da mes­ma for­ma. No cur­so de uma dé­ca­da, não se­rá mais as­sim.

Por to­da par­te to­ma for­ça a re­jei­ção de mo­to­res mo­vi­dos a com­bus­tí­veis fós­seis. Is­so sig­ni­fi­ca que o mer­ca­do co­me­ça a dar pre­fe­rên­cia aos car­ros elé­tri­cos e hí­bri­dos. Além dis­so, es­tá em cur­so ra­di­cal mu­dan­ça de con­cei­to. Os apli­ca­ti­vos de alu­guel, de ca­ro­na com­par­ti­lha­da e de trans­por­te pri­va­do ten­dem a es­va­zi­ar a cul­tu­ra do car­ro co­mo ob­je­to de pro­pri­e­da­de e de bem de fa­mí­lia. Ga­nha cor­po a pro­pos­ta do veí­cu­lo autô­no­mo, que dis­pen­sa mo­to­ris­ta e que po­de­rá fi­car à dis­po­si­ção de qual­quer usuá­rio, co­mo ho­je acon­te­ce com bi­ci­cle­tas nas gran­des ci­da­des.

Co­nec­ti­vi­da­de, sim­pli­ci­da­de, au­to­ma­ção, sus­ten­ta­bi­li­da­de e se­gu­ran­ça pas­sam a ser pri­o­ri­da­des do car­ro do fu­tu­ro qua­se pre­sen­te. As mu­dan­ças de pa­ra­dig­ma não fi­ca­rão res­tri­tas ao que acon­te­ce den­tro das fá­bri­cas, mas pas­sam pa­ra a for­ma com que os car­ros são con­su­mi­dos.

Es­sas não são elu­cu­bra­ções de fu­tu­ris­tas. A Chi­na aca­ba de op­tar por po­lí­ti­cas de fa­vo­re­ci­men­to do car­ro elé­tri­co. A su­e­ca Vol­vo de­ci­diu que, a par­tir de 2019, não fa­bri­ca­rá mais veí­cu­los a di­e­sel e a ga­so­li­na. Os veí­cu­los autô­no­mos (sem con­du­tor) já co­me­ça­ram a ro­dar nos Es­ta­dos Uni­dos e até mes­mo no Bra­sil, no ca­so de ca­mi­nhões vol­ta­dos à co­lhei­ta de ca­na-de-açú­car. A Tes­la, em­pre­sa nor­te-ame­ri­ca­na pi­o­nei­ra e mais avan­ça­da em tec­no­lo­gia de car­ros elé­tri­cos e autô­no­mos, pro­du­ziu ape­nas 84 mil uni­da­des em 2016, mas, em abril, seu va­lor de mer­ca­do ul­tra­pas­sou o da Ge­ne­ral Mo­tors Cor­po­ra­ti­on, que fa­bri­cou e ven­deu 10 mi­lhões de veí­cu­los tam­bém em 2016. O Sa­lão do Au­to­mó­vel de Frank­furt, na Ale­ma­nha, que se en­cer­ra dia 24, exi­be gran­de nú­me­ro de veí­cu­los do­ta­dos de to­do ti­po de no­vi­da­de.

O Bra­sil, o dé­ci­mo mai­or pro­du­tor de veí­cu­los do mun­do, não vai es­ca­par des­sa re­vo­lu­ção, sob pe­na de ver se­pul­ta­da sua in­dús­tria di­an­te da ine­xo­rá­vel con­cor­rên­cia. No en­tan­to, lon­ge de ser ape­nas um pro­ble­ma, a no­va si­tu­a­ção po­de ser a re­den­ção da in­dús­tria bra­si­lei­ra de veí­cu­los.

Pou­co com­pe­ti­ti­vo e atra­sa­do do pon­to de vis­ta tec­no­ló­gi­co, o se­tor não pre­ci­sa­ria mais gas­tar ca­pi­tal e es­for­ço ad­mi­nis­tra­ti­vo pa­ra se igua­lar ao es­tá­gio atu­al das mon­ta­do­ras con­ven­ci­o­nais. Po­de dar o pu­lo do ga­to e abra­çar mais ra­pi­da­men­te os no­vos tem­pos. De­pen­de ape­nas de de­ci­são das mon­ta­do­ras e de von­ta­de do go­ver­no pa­ra de­fi­nir uma po­lí­ti­ca es­pe­cí­fi­ca pa­ra o se­tor.

O go­ver­no es­tá pa­ra anun­ci­ar o pro­gra­ma Ro­ta 2030 em subs­ti­tui­ção ao mo­ri­bun­do Ino­var-Au­to, ins­ti­tuí­do no go­ver­no Dil­ma, con­de­na­do na Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio por ado­tar me­di­das des­le­ais de con­cor­rên­cia e ob­je­to de gra­ves crí­ti­cas aqui den­tro, na me­di­da em que en­ca­re­ceu a im­por­ta­ção de tec­no­lo­gia. Mas o no­vo pro­gra­ma pa­re­ce mui­to aquém das exi­gên­ci­as que es­tão sen­do cons­truí­das nes­se ad­mi­rá­vel mun­do no­vo.

Pen­sa­do pa­ra en­trar em vi­gor em 2018, o Ro­ta 2030 pre­ten­de tor­nar o Bra­sil com­pe­ti­ti­vo glo­bal­men­te por meio de efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca, bai­xo ín­di­ce de emis­sões, se­gu­ran­ça e in­cor­po­ra­ção de tec­no­lo­gia. O pro­je­to tem lá seu mé­ri­to, que é o de pro­por a re­du­ção do Im­pos­to so­bre Pro­du­tos In­dus­tri­a­li­za­dos (IPI) em pro­por­ção in­ver­sa à in­cor­po­ra­ção do cha­ma­do “Fa­tor K”: quan­to mai­or a efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca, mais bai­xo o im­pos­to. Mas, se tu­do der cer­to, es­se pro­gra­ma nem se­quer ar­ra­nha­rá o que se pe­di­rá do se­tor nos pró­xi­mos anos. Efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca con­ven­ci­o­nal é pou­co di­an­te da re­vo­lu­ção que vem aí.

Es­pe­ci­a­lis­ta em Se­tor Au­to­mo­ti­vo na Pri­cewa­terhou­seCo­o­pers (PwC) Bra­sil, Mar­ce­lo Ci­of­fi en­ten­de que a in­dús­tria bra­si­lei­ra de­ve mo­vi­men­tar-se em du­as di­re­ções: tan­to de­ve mo­der­ni­zar seus pro­du­tos co­mo de­ve di­ver­si­fi­car su­as fon­tes de re­cei­ta. O car­ro bra­si­lei­ro te­rá de com­pe­tir in­ter­na­ci­o­nal­men­te sob pe­na de ser ali­ja­do do mer­ca­do. E as mon­ta­do­ras te­rão de in­se­rir-se mais de­ci­si­va­men­te no se­tor de ser­vi­ços, on­de ten­dem a pre­va­le­cer a ca­ro­na com­par­ti­lha­da e o alu­guel de veí­cu­los. “A lon­go pra­zo, elas es­tão cor­ren­do atrás da so­bre­vi­vên­cia”, ad­ver­te ele.

O ar­gu­men­to de que no Bra­sil as pri­o­ri­da­des são ou­tras e que o car­ro do fu­tu­ro po­de es­pe­rar es­bar­ra não só com a ne­ces­si­da­de de com­pe­tir lá fo­ra, on­de o mer­ca­do mu­dou. Se con­ti­nu­ar afer­ra­do aos car­ros con­ven­ci­o­nais, o País se­rá ine­vi­ta­vel­men­te ter­ri­tó­rio de de­so­va de en­ca­lhes de to­do o mun­do.

As no­vi­da­des atin­gem tam­bém dois ou­tros se­to­res: os sin­di­ca­tos e o seg­men­to do eta­nol. Os pri­mei­ros te­rão de en­fren­tar enor­mes pro­ble­mas de re­qua­li­fi­ca­ção pro­fis­si­o­nal. E o eta­nol, em­bo­ra mui­to me­nos po­lu­en­te do que os com­bus­tí­veis fós­seis, en­fren­ta­rá os pro­ble­mas crô­ni­cos de bai­xa com­pe­ti­ti­vi­da­de e, por­tan­to, de re­la­ti­va re­jei­ção in­ter­na­ci­o­nal.

BLOOMBERG/SIMON DAWSON

Sem vo­lan­te: o Vi­si­on EQ, da Smart

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.