Qu­an­do a má­fia bri­ga

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - E-MAIL: VERA.MAGALHAES@ESTADAO.COM TWIT­TER: @VERAMAGALHAES POLITICA.ESTADAO.COM.BR/BLOGS/VERA-MAGALHAES/

An­to­nio Pa­loc­ci era o elo que le­va­va o di­nhei­ro das em­prei­tei­ras a Lu­la.

Nos fil­mes de má­fia sem­pre exis­te aque­le mo­men­to de ten­são em que um lu­gar-te­nen­te ou al­guém me­nos ex­pres­si­vo na hi­e­rar­quia co­me­ça a dar si­nais de que vai ro­er a corda e aju­dar os in­ves­ti­ga­do­res ou se ban­de­ar pa­ra o gru­po ri­val. Na fic­ção, es­se con­fli­to ge­ral­men­te aca­ba em mor­te, mas às ve­zes re­sul­ta na im­plo­são da or­ga­ni­za­ção.

No en­re­do de gângs­te­res que a La­va Ja­to re­ve­la ao Bra­sil em tem­po­ra­das ca­da vez mais ele­tri­zan­tes, por ora não se te­ve ain­da – o que é até de cer­ta for­ma sur­pre­en­den­te, da­da a pro­fun­di­da­de e a ex­ten­são das re­ve­la­ções – ca­sos de quei­ma de ar­qui­vo, ou mes­mo ten­ta­ti­vas de. Mas a im­plo­são das or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas pe­lo “pio” de su­as fi­gu­ras pro­e­mi­nen­tes tem si­do e ten­de a ser o gran­de com­pli­ca­dor pa­ra os ca­pos po­lí­ti­cos.

Ago­ra qu­es­ti­o­na­da pe­la ra­zão, mais ou me­nos ób­via, de que não pro­du­ziu pro­vas ma­te­ri­ais, a de­la­ção de Del­cí­dio do Amaral foi a pri­mei­ra nes­sa ca­te­go­ria de co­la­bo­ra­ções. Ex-pre­si­den­te da CPI dos Cor­rei­os, ex-lí­der do go­ver­no Dil­ma Rous­seff, fre­quen­ta­dor as­sí­duo do Ins­ti­tu­to Lu­la e in­ter­fa­ce do PT com a Pe­tro­brás por dé­ca­das, Del­cí­dio sem­pre foi um in­si­der.

Su­as re­ve­la­ções so­bre a ca­deia de co­man­do no PT e na re­la­ção do par­ti­do com as em­pre­sas, em­bo­ra não te­nham re­ci­bo, se mos­tra­ram pre­ci­sas na des­cri­ção da en­gre­na­gem. Ele dis­se: An­to­nio Pa­loc­ci era o elo que le­va­va o di­nhei­ro das em­prei­tei­ras a Lu­la.

Vi­e­ram as co­la­bo­ra­ções da Ode­bre­cht, es­sas sim mais mu­ni­ci­a­das de do­cu­men­tos, pois en­vol­vem a má­qui­na de uma das mai­o­res em­pre­sas do País, que ti­nha até um de­par­ta­men­to de­di­ca­do à cor­rup­ção e, por­tan­to, dis­põe de pla­ni­lhas, pas­sa­gens, de­pó­si­tos, con­tra­tos pa­ra ofer­tar, e con­fir­mou, ip­sis lit­te­ris, a nar­ra­ti­va de Del­cí­dio.

Ago­ra es­tá pró­xi­mo de ser se­la­do o acor­do em que Pa­loc­ci da­rá o fe­cho na ca­deia de con­fis­sões que co­me­ça em Del­cí­dio, pas­sa pe­la Ode­bre­cht, de­mais em­prei­tei­ras, pe­lo ca­sal João San­ta­na e Mô­ni­ca Mou­ra e aca­ba em Lu­la.

Não é por ou­tra ra­zão que a fi­gu­ra que se sen­tou di­an­te do juiz Sér­gio Mo­ro na quar­ta-fei­ra na­da mais era do que uma fe­ra acu­a­da. Por trás de uma ma­lo­gra­da ten­ta­ti­va de so­ar in­dig­na­do ou fa­lar co­mo psi­có­lo­go so­bre as su­pos­tas ra­zões de seu an­ti­go lu­gar-te­nen­te, Lu­la dei­xa­va trans­pa­re­cer na voz rou­ca e nos olhos as­sus­ta­dos a cer­te­za de que não há co­mo con­tes­tar o que es­tá por vir.

Por um mis­té­rio des­ses da po­lí­ti­ca, Pa­loc­ci, um mé­di­co in­te­ri­o­ra­no sem ne­nhu­ma ex­per­ti­se em eco­no­mia em 2002, foi o pas­sa­por­te de in­gres­so de Lu­la nos sa­lões dos em­pre­sá­ri­os. Foi ele que, jun­ta­men­te com os mar­que­tei­ros Du­da Men­don­ça e João San­ta­na, pas­sou em Lu­la a ca­ma­da de ver­niz que ates­ta­va: se elei­to, ele não vai con­tra­ri­ar vos­sos in­te­res­ses, mui­to pe­lo con­trá­rio.

Uma vez que a “es­pe­ran­ça” ven­ceu o me­do, cou­be a ele vol­tar aos que lhe abri­ram as por­tas pa­ra in­tro­du­zir Lu­la e apre­sen­tar o pros­pec­to do cus­to que te­ri­am e dos be­ne­fí­ci­os de que go­za­ri­am pa­ra ser “ami­gos” do PT. Um pla­no de fi­de­li­za­ção que le­vou em­pre­sas à con­di­ção de cam­peões na­ci­o­nais na ve­lo­ci­da­de da luz e deu no que es­ta­mos ven­do ago­ra.

Di­zer que es­te per­so­na­gem, as­sim tão cen­tral, diz o que diz sem ter ele­men­tos pa­ra de­mons­trar as acu­sa­ções é brin­car com a in­te­li­gên­cia alheia. Pa­loc­ci cons­truiu uma con­sul­to­ria gi­gan­te. Con­tra­tos ma­qui­a­dos e trá­fi­co de in­fluên­cia eram seu co­re bu­si­ness. E o Ins­ti­tu­to Lu­la, sua se­gun­da se­de.

Em tem­po: a mes­ma ló­gi­ca da im­plo­são in­ter­na da ir­man­da­de va­le­rá pa­ra Mi­chel Te­mer se Ged­del Vi­ei­ra Li­ma, Hen­ri­que Al­ves e até ca­pa­ta­zes me­nos in­flu­en­tes co­mo Ro­dri­go Ro­cha Lou­res re­sol­ve­rem abrir o bi­co. Nes­te ca­so, tam­bém o clã pe­e­me­de­bis­ta es­ta­rá di­an­te do ris­co re­al de im­plo­são de seu che­fe. Sem Ro­dri­go Ja­not pa­ra atra­pa­lhar.

An­to­nio Pa­loc­ci era o elo que le­va­va o di­nhei­ro das em­prei­tei­ras a Lu­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.