En­tre a emer­gên­cia e o ajus­te

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página -

Go­ver­no cor­re pa­ra fe­char a con­ta com dé­fi­cit de R$ 159 bi.

Com re­cei­ta abai­xo da pre­vi­são, o go­ver­no cor­re atrás de di­nhei­ro pa­ra fe­char su­as con­tas com um dé­fi­cit pri­má­rio de no má­xi­mo R$ 159 bi­lhões. O ob­je­ti­vo ime­di­a­to é sim­ples­men­te cum­prir a obri­ga­ção de en­tre­gar o re­sul­ta­do pro­pos­to pe­lo Exe­cu­ti­vo e apro­va­do pe­lo Con­gres­so. Ajus­te pa­ra va­ler, ba­se­a­do em no­vos cri­té­ri­os fis­cais e sus­ten­tá­vel a lon­go pra­zo, ain­da vai de­pen­der da im­plan­ta­ção de re­for­mas am­plas e com­pli­ca­das, a co­me­çar pe­la da Pre­vi­dên­cia. Tam­bém é pre­ci­so ga­ran­tir di­nhei­ro pa­ra cum­prir o Or­ça­men­to de 2018, sub­me­ti­do no fim de agos­to ao Le­gis­la­ti­vo. Nes­te mo­men­to, é pre­ci­so cui­dar des­sa pau­ta e ao mes­mo tem­po en­fren­tar o de­sa­fio mais ur­gen­te de abas­te­cer o Te­sou­ro. O es­for­ço in­clui a ten­ta­ti­va de apres­sar a pri­va­ti­za­ção do ae­ro­por­to de Con­go­nhas, as­sim co­mo a ne­go­ci­a­ção pa­ra an­te­ci­par o re­ce­bi­men­to de R$ 180 bi­lhões do Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al (BNDES).

O go­ver­no cen­tral, for­ma­do por Te­sou­ro, Ban­co Cen­tral (BC) e Pre­vi­dên­cia, acu­mu­lou de ja­nei­ro a ju­lho um dé­fi­cit pri­má­rio de R$ 76,3 bi­lhões, um bu­ra­co 32,5% mai­or que o de um ano an­tes, des­con­ta­da a in­fla­ção. Nos 12 me­ses até ju­lho o sal­do ne­ga­ti­vo che­gou a R$ 183,7 bi­lhões. Po­de­ria ter fi­ca­do em R$ 165,6 bi­lhões, se o go­ver­no ti­ves­se dei­xa­do de an­te­ci­par o pa­ga­men­to de pre­ca­tó­ri­os. Es­sa an­te­ci­pa­ção per­mi­tiu al­gu­ma eco­no­mia de ju­ros.

De to­da for­ma, o ba­lan­ço de 12 me­ses con­ti­nu­ou bem pi­or que a no­va me­ta, já mui­to ne­ga­ti­va, fi­xa­da pa­ra 2017. A me­ta ini­ci­al era um dé­fi­cit pri­má­rio de R$ 139 bi­lhões. A de 2018, tam­bém al­te­ra­da pa­ra R$ 159 bi­lhões, era um dé­fi­cit de R$ 129 bi­lhões. A re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia, ain­da mui­to len­ta nes­te ano, im­pe­diu a ar­re­ca­da­ção de im­pos­tos e con­tri­bui­ções pro­je­ta­da no Or­ça­men­to. De ja­nei­ro a ju­lho a re­cei­ta lí­qui­da to­tal (de­pois das trans­fe­rên­ci­as cons­ti­tu­ci­o­nais) atin­giu R$ 637,3 bi­lhões, com per­da re­al de 3,1% em re­la­ção à de um ano an­tes. No mes­mo pe­río­do, a des­pe­sa to­tal, de R$ 713,6 bi­lhões, foi ape­nas 0,2% me­nor que a dos me­ses cor­res­pon­den­tes de 2016.

A re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia, em­bo­ra len­ta, pa­re­ce con­so­li­dar-se e, se­gun­do as pro­je­ções, de­ve­rá ga­nhar im­pul­so no pró­xi­mo ano. Mas o go­ver­no con­ti­nu­a­rá a de­pen­der de re­cei­tas ex­tra­or­di­ná­ri­as pa­ra con­ter o dé­fi­cit pri­má­rio, is­to é, sem ju­ros, den­tro dos li­mi­tes fi­xa­dos pa­ra 2017 e 2018.

An­te­ci­par a de­vo­lu­ção de R$ 50 bi­lhões de­vi­dos pe­lo BNDES é par­te da es­tra­té­gia fi­xa­da pa­ra es­te ano. O ban­co de­vol­veu no ano pas­sa­do R$ 100 bi­lhões do to­tal trans­fe­ri­do a par­tir de 2009 pe­lo Te­sou­ro, mas con­ti­nu­ou de­ven­do R$ 450 bi­lhões. Se­gun­do fun­ci­o­ná­ri­os do BNDES, o pa­ga­men­to an­te­ci­pa­do equi­va­le­ria a uma pe­da­la­da fis­cal, por­que o adi­an­ta­men­to de re­cei­ta equi­va­le­ria a um atra­so de de­sem­bol­so (cri­me co­me­ti­do na ges­tão da pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff). O ar­gu­men­to é me­nos evi­den­te do que po­de pa­re­cer à pri­mei­ra vis­ta, mas, de to­da for­ma, o Exe­cu­ti­vo po­de­ria agir com mai­or se­gu­ran­ça, nes­sa ques­tão, se con­sul­tas­se o Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU).

Se o go­ver­no con­se­guir es­sa an­te­ci­pa­ção, apres­sar a ven­da de Con­go­nhas e avan­çar no pro­gra­ma de con­ces­sões e pri­va­ti­za­ções, po­de­rá ga­ran­tir o fe­cha­men­to das con­tas des­te ano e do pró­xi­mo den­tro dos li­mi­tes fi­xa­dos pa­ra o dé­fi­cit. Se­rá um bom re­sul­ta­do, mas se­ria um er­ro con­fun­di-lo com o ajus­te efe­ti­vo das con­tas.

Es­se ajus­te de­pen­de­rá, de iní­cio, da ob­ten­ção de su­pe­rá­vits pri­má­ri­os su­fi­ci­en­tes pa­ra o pa­ga­men­to dos ju­ros de ca­da exer­cí­cio e pa­ra o con­tro­le da evo­lu­ção da dí­vi­da pú­bli­ca. Mas o tra­ba­lho com­ple­to só se­rá pos­sí­vel com mu­dan­ças es­tru­tu­rais no es­que­ma de re­cei­tas e des­pe­sas. A re­for­ma da Pre­vi­dên­cia é a mais ur­gen­te. Mas a re­no­va­ção te­rá de in­cluir pe­lo me­nos uma am­pla re­vi­são do sis­te­ma tri­bu­tá­rio, pa­ra ajus­tá-lo às ne­ces­si­da­des atu­ais da eco­no­mia, e uma re­es­tru­tu­ra­ção das nor­mas or­ça­men­tá­ri­as, pa­ra de­sen­ges­sar as fi­nan­ças pú­bli­cas e per­mi­tir uma apli­ca­ção pla­ne­ja­da e ra­ci­o­nal do di­nhei­ro pú­bli­co. Além dis­so, o gran­de ob­je­ti­vo das pri­va­ti­za­ções de­ve ser o ga­nho de efi­ci­ên­cia econô­mi­ca, al­go mui­to di­fe­ren­te de um re­for­ço emer­gen­ci­al de cai­xa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.