Bal­let Sta­gium traz Ku­a­rup de vol­ta ao Te­a­tro Mu­ni­ci­pal, em ou­tu­bro.

Bal­let Sta­gium traz de vol­ta ao Te­a­tro Mu­ni­ci­pal em ou­tu­bro obra que man­tém sua ur­gên­cia mes­mo após 4 dé­ca­das

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - He­le­na Katz ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO

Há 40 anos, nos di­as 2, 3 e 4 de ju­lho de 1977, Ku­a­rup es­tre­a­va no mes­mo Te­a­tro Mu­ni­ci­pal de São Pau­lo on­de vai co­me­mo­rar as su­as qua­tro dé­ca­das, ce­le­bra­ção pre­vis­ta pa­ra os di­as 9 e 10 de ou­tu­bro. Na épo­ca, o Bal­let Sta­gium, fun­da­do e di­ri­gi­do por Má­ri­ka Gi­da­li e Dé­cio Ote­ro, fez um pro­gra­ma na for­ma de um jor­nal, em pa­pel craft, ten­do na ca­pa os cin­co pri­mei­ros pa­rá­gra­fos do Ma­ni­fes­to An­tro­pó­fa­go, de Oswald de An­dra­de, de 1928, e um pe­que­no tex­to de Dé­cio Ote­ro, de­di­can­do Ku­a­rup: “Pa­ra vo­cê, que nas­ceu aqui, que mo­ra aqui, que gos­ta da­qui”. Na par­te in­ter­na, di­zia que se tra­ta­va de um pri­mei­ro pas­so em um no­vo ca­mi­nho “de um des­po­ja­men­to a ser con­ti­nu­a­do”. Tu­do co­me­çou qu­an­do Dé­cio ou­viu a música do Xin­gu, três anos an­tes, e es­pan­tou-se com a sua com­ple­xi­da­de. Dei­xou ma­tu­rar por um tem­po, e daí sur­giu Ku­a­rup, a sua 23.° obra.

O es­ti­lis­ta Clo­do­vil Her­nan­des (1937-2009), con­vi­da­do pa­ra re­fa­zer o fi­gu­ri­no de ou­tro ba­lé, Pre­lú­di­os, ao sa­ber do pro­je­to de Ku­a­rup, fez ques­tão de co­la­bo­rar. Pa­ra ele, pa­re­cia um “aci­den­te pa­rap­si­co­ló­gi­co”, pois, as­sim co­mo ou­tros que fi­ze­ram par­te da equi­pe de pro­du­ção (Cláu­dio Ta­pe­cei­ro e Equi­pe Grá­fi­ca), tam­bém es­ta­va in­te­res­sa­do na ques­tão dos ín­di­os. Os ma­ca­cões que de­se­nhou, com as co­res da ban­dei­ra bra­si­lei­ra, pro­pu­nham uma as­so­ci­a­ção en­tre tra­ba­lha­do­res e ín­di­os, li­gan­do as vi­o­lên­ci­as que atin­gi­am a am­bos –e a for­ça des­sa as­so­ci­a­ção, que le­vou mul­ti­dões aos te­a­tros, pa­re­ce atra­ves­sar os tem­pos, atan­do aque­le Bra­sil que vi­via na di­ta­du­ra ao Bra­sil de ho­je, cu­jos jor­nais con­ti­nu­am a es­tam­par, 40 anos de­pois, vi­o­la­ções e ações de ex­ter­mí­nio a tri­bos in­dí­ge­nas na Amazô­nia e no Ja­ra­guá, em São Pau­lo, pa­ra ci­tar so­men­te dois exem­plos mui­to re­cen­tes.

Ku­a­rup tem co­re­o­gra­fia de Dé­cio Ote­ro e di­re­ção ar­tís­ti­ca de Má­ri­ka Gi­da­li, e já foi dan­ça­do cer­ca de 400 ve­zes, por di­fe­ren­tes ge­ra­ções de bai­la­ri­nos. “Foi gra­ças a uma par­ce­ria com a Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Cul­tu­ra que con­se­gui­mos fa­zer es­sa re­mon­ta­gem por­que, es­tra­nha­men­te, o pro­je­to de ce­le­bra­ção dos 40 anos de Ku­a­rup que en­vi­a­mos pa­ra o Pro­ac, que in­cluía apre­sen­ta­ções nas es­co­las, foi re­cu­sa­do”, con­ta Má­ri­ka Gi­da­li. Sem de­sis­tir de atin­gir os es­tu­dan­tes, a com­pa­nhia es­tá re­a­li­zan­do en­sai­os aber­tos, na sua se­de, às se­gun­das, quar­tas e sex­tas-fei­ras, às 11h30.

So­bre a re­mon­ta­gem, Má­ri­ka des­ta­ca a ex­pe­ri­ên­cia de tra­ba­lhar com bai­la­ri­nos mui­to jo­vens. “É bem di­fe­ren­te en­sai­ar gen­te com 17 anos, que tem ou­tros va­lo­res e vem do mun­do dos fes­ti­vais. Par­ti­mos da for­ma, le­va­mos ca­da um a se jo­gar pa­ra den­tro de si pa­ra cons­truir o con­tex­to, pa­ra de­pois, em ce­na, de­vol­ver o que bro­tou.” E Dé­cio com­ple­men­ta: “É im­pres­si­o­nan­te co­mo atu­al­men­te os bai­la­ri­nos pe­gam a co­re­o­gra­fia tão fa­cil­men­te, mas, pa­ra che­gar à pro­pos­ta do co­reó­gra­fo, ah... is­so gas­ta um tem­po bem mai­or. No ca­so de Ku­a­rup, foi um ca­mi­nho tra­ba­lho­so pa­ra per­ce­be­rem por­que se tra­ta de uma obra clás­si­ca, di­ga­mos as­sim, da dan­ça bra­si­lei­ra”.

Es­se ca­mi­nho en­vol­veu pa­les­tras, fil­mes, lei­tu­ras, con­ver­sas, dis­cus­sões. “Nas ou­tras re­mon­ta­gens, boa par­te do elen­co já ha­via dan­ça­do, mas, des­sa vez, con­ta­mos com ape­nas qua­tro (Fá­bio Vil­lar­di, Eu­gê­nio Gi­da­li, Mar­cos Pal­mei­ra e John San­tos) pa­ra aju­dar a fa­zer a ca­be­ça de to­dos com o que não fa­zia par­te do seu dia a dia”, ex­pli­ca Má­ri­ka. E pa­re­ce que a me­to­do­lo­gia ado­ta­da deu cer­to.

“Ele é mui­to atu­al e faz 40 anos. A gen­te pas­sa por uma re­a­li­da­de mui­to pa­re­ci­da. Po­der par­ti­ci­par é mais do que um apren­di­za­do, é um pre­sen­te”, diz Ari­ad­ne Okuya­ma. Mar­cos Pal­mei­ra com­ple­men­ta: “Ku­a­rup nos mos­tra mais do que o que acon­te­ce com os ín­di­os, pois fa­la de uma re­a­li­da­de em que o mais for­te quer sem­pre ven­cer o mais fra­co, e is­so diz res­pei­to a to­da a so­ci­e­da­de. Qu­an­do dan­ça­mos o ce­ri­mo­ni­al fi­nal, es­ta­mos di­zen­do que ain­da es­ta­mos for­tes, que ain­da tem uma saí­da”.

Fabio Vil­lar­di, o úni­co que per­ten­ceu ao pri­mei­ro elen­co (do qual já mor­re­ram qua­tro bai­la­ri­nos: Ri­car­do Go­mes, Beth Oli­vei­ra, Ri­car­do Or­doñez e Mil­ton Car­nei­ro), de­cla­ra: “É co­mo se fos­se a pri­mei­ra vez, por­que es­sa obra con­ti­nua ten­do aque­la mes­ma for­ça”. E An­sel­mo Vi­ní­cius des­ta­ca: “Ku­a­rup é es­pe­ci­al não só pe­lo te­ma, mas so­bre­tu­do pe­la for­ma ge­ni­al dos mo­vi­men­tos cri­a­dos, cu­ja co­e­rên­cia nos faz sen­tir na pe­le a cul­tu­ra e a lu­ta dos ín­di­os. São pas­sos que re­al­men­te nos trans­por­tam. Por is­so, du­rou 40 anos com tan­ta vi­ta­li­da­de”.

Des­sa vez, o fi­nal se­rá um pou­co di­fe­ren­te. Mais de 30 ex-bai­la­ri­nos que já dan­ça­ram Ku­a­rup su­bi­rão ao pal­co. Má­ri­ka e Dé­cio de­se­jam agra­de­cer a to­dos por te­rem fei­to par­te da tra­je­tó­ria que os fez che­gar até aqui, ce­le­bran­do os 40 anos de Ku­a­rup.

HÉLVIO RO­ME­RO/ESTADÃO

Dois

tem­pos. E em am­bos, as mes­mas his­tó­ri­as de opres­são, mas tam­bém de re­sis­tên­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.