O ter­cei­ro fan­tas­ma

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto - LUIZ SÉR­GIO HEN­RI­QUES ✱ TRA­DU­TOR E ENSAÍSTA, É UM DOS OR­GA­NI­ZA­DO­RES DAS OBRAS DE GRAMSCI. SI­TE: WWW.GRAMSCI.ORG

Es­pec­tros e as­som­bra­ções, de acor­do com sua na­tu­re­za eva­nes­cen­te, cos­tu­mam ron­dar ce­ná­ri­os de ter­ra de­vas­ta­da, co­mo é o ca­so da po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra, tra­zen­do pres­sá­gi­os e re­mi­nis­cên­ci­as mais ou me­nos dis­tan­tes e, no en­tan­to, úteis pa­ra nos­sa pon­de­ra­ção. De fa­to, a de­vas­ta­ção é gran­de de­mais: lí­de­res e par­ti­dos, de go­ver­no ou da opo­si­ção, pa­re­cem dis­sol­ver-se no ar, ar­rui­na­dos por de­nún­ci­as às ve­zes im­pre­vis­tas ou trans­for­ma­dos em al­vo de acu­sa­ções que os tra­tam, res­pec­ti­va­men­te, co­mo de­lin­quen­tes ou “or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas” im­pres­tá­veis pa­ra o fun­ci­o­na­men­to de uma de­mo­cra­cia nor­mal.

Ten­do em vis­ta as pro­sai­cas ma­las abar­ro­ta­das de di­nhei­ro ou os so­fis­ti­ca­dos softwa­res de pro­pi­na, não se po­de di­zer que se tra­ta de ca­lú­ni­as saí­das do na­da. Mas o fa­to é que, ao la­do do as­pec­to in­ves­ti­ga­ti­vo-ju­di­ci­al, é pre­ci­so vol­tar os olhos pa­ra to­da a imen­sa cri­se de re­pre­sen­ta­ção que as­sim se es­ta­be­le­ce, dan­do ou­vi­dos à as­som­bra­ção ita­li­a­na dos anos 90 do sé­cu­lo pas­sa­do e à ar­gen­ti­na da vi­ra­da de sé­cu­lo. A evo­lu­ção po­lí­ti­ca da­que­les dois paí­ses é o que nos in­te­res­sa de per­to; ju­di­ci­al­men­te, res­pei­ta­do o pro­ces­so le­gal, que os mor­tos en­ter­rem os mor­tos. De to­do mo­do, não ha­ve­rá mui­to a fa­zer se e qu­an­do con­de­na­dos, se­jam eles quem fo­rem e se­ja qual for a nar­ra­ti­va per­se­cu­tó­ria que pre­fe­ri­rem.

O im­pac­to da Mãos Lim­pas na his­tó­ria ita­li­a­na foi de tal mon­ta que as­si­na­lou o oca­so da Pri­mei­ra Re­pú­bli­ca, es­tru­tu­ra­da em tor­no de dois gran­des par­ti­dos de mas­sa, a De­mo­cra­cia Cris­tã e o Par­ti­do Co­mu­nis­ta. O pri­mei­ro de­les ain­da ten­ta­ria re­vi­ver com o no­me de seu lon­gín­quo an­te­ces­sor, o Par­ti­do Po­pu­lar, mas sem mui­to su­ces­so. E dei­xa­ria o cam­po da cen­tro-di­rei­ta li­vre pa­ra o sur­gi­men­to ful­mi­nan­te de um per­so­na­gem egres­so do mun­do dos ne­gó­ci­os, Sil­vio Ber­lus­co­ni, a se­du­zir ci­da­dãos-con­su­mi­do­res, nu­ma pe­cu­li­ar te­le­cra­cia, com a re­tó­ri­ca da an­ti­po­lí­ti­ca. Em­pre­sá­rio, es­ta­ria com­pro­me­ti­do só com a efi­ci­ên­cia; ri­co, não pre­ci­sa­ria va­ler-se da cor­rup­ção in­trín­se­ca à ati­vi­da­de po­lí­ti­ca.

Em sín­te­se ex­tre­ma, o que le­vou à ruí­na a De­mo­cra­cia Cris­tã –e o Par­ti­do So­ci­a­lis­ta de Bet­ti­no Cra­xi, mor­to no exí­lio – foi a cons­tru­ção de um com­ple­xo sis­te­ma de po­der, que ex­cluía por de­fi­ni­ção a al­ter­nân­cia. Im­pen­sá­vel um par­ti­do co­mu­nis­ta che­fi­ar um go­ver­no na­ci­o­nal na Itá­lia da­que­le tem­po. Ex­cluí­do do po­der cen­tral e, por­tan­to, só mar­gi­nal­men­te atin­gi­do pe­las in­ves­ti­ga­ções, o PCI, já mu­da­do em par­ti­do de es­quer­da de­mo­crá­ti­ca, se lan­ça­ra ha­via al­guns anos em bus­ca de uma iden­ti­da­de dis­tin­ta da ma­triz bol­che­vi­que, bus­ca evi­den­te­men­te ne­ces­sá­ria pa­ra a for­ma­ção de go­ver­nos al­ter­na­ti­vos ao de Ber­lus­co­ni.

Es­ta fun­ção cum­pri­da pe­los pós-co­mu­nis­tas ita­li­a­nos é al­go que ho­je nos fal­ta à es­quer­da, se for ver­da­de – do pon­to de vis­ta es­tri­ta­men­te po­lí­ti­co – que o com­por­ta­men­to do pe­tis­mo te­rá sig­ni­fi­ca­do pe­lo me­nos o iní­cio da cons­ti­tui­ção de es­tru­tu­ras de po­der aves­sas à al­ter­nân­cia e vol­ta­das pa­ra a co­op­ta­ção bru­ta de ali­a­dos, cha­ma­dos pa­ra ocu­par pre­da­to­ri­a­men­te, em po­si­ção su­bor­di­na­da, os lu­ga­res dis­po­ní­veis em ór­gãos de Es­ta­do e em­pre­sas pú­bli­cas. E es­ta fal­ta de pro­ta­go­nis­mo de uma es­quer­da for­te e res­pon­sá­vel po­de se ar­ras­tar por vá­ri­os anos, pe­na­li­za­dos que se­re­mos pe­las con­tra­di­ções e am­bi­gui­da­des do lu­lis­mo e do pe­tis­mo.

O fan­tas­ma ar­gen­ti­no tam­bém traz sua men­sa­gem pa­ra nós. Após a dé­ca­da ne­o­li­be­ral de Me­nem, uma das mais sur­pre­en­den­tes me­ta­mor­fo­ses do pe­ro­nis­mo, e do fra­cas­so de seu su­ces­sor “ra­di­cal”, Fer­nan­do de la Rúa, as pra­ças do país vi­zi­nho fo­ram in­va­di­das por in­ten­sos pro­tes­tos po­pu­la­res. E até hou­ve quem os to­mas­se, con­fun­din­do a nu­vem com Ju­no, por um pro­ces­so re­vo­lu­ci­o­ná­rio à mo­da de Le­nin, no qual uma even­tu­al in­va­são da Ca­sa Ro­sa­da sig­ni­fi­cas­se, quem sa­be, a to­ma­da do Pa­lá­cio de In­ver­no.

Tam­bém aqui a an­ti­po­lí­ti­ca res­sur­giu com vi­ru­lên­cia. O le­ma que se vayan to­dos, que no que­de uno so­lo, con­de­na­tó­rio de to­da a “clas­se po­lí­ti­ca”, cor­reu mun­do co­mo ex­pres­são da von­ta­de po­pu­lar de fa­zer tá­bu­la ra­sa de re­pre­sen­tan­tes e ins­ti­tui­ções re­pre­sen­ta­ti­vas. Al­guns te­rão so­nha­do no­va­men­te com a “de­mo­cra­cia di­re­ta”, a ser exer­ci­da nas pra­ças, dis­pen­san­do me­di­a­ções e dan­do voz ao ver­da­dei­ro so­be­ra­no. A ilu­são de co­me­çar do ze­ro, em meio à ins­ta­bi­li­da­de pro­vo­ca­da pe­la su­ces­são alu­ci­nan­te de go­ver­nos bre­vís­si­mos, ha­ve­ria de de­sem­bo­car pa­ra­do­xal­men­te na era Kir­ch­ner, ma­ni­fes­ta­ção des­ta fei­ta do pe­ro­nis­mo de es­quer­da, cu­jo ape­lo “na­ci­o­nal-po­pu­lar” nem sem­pre, ou qua­se nun­ca, ocul­tou o de­síg­nio de uma de­mo­cra­cia ili­be­ral e ten­den­ci­al­men­te ca­ren­te de con­tra­pe­sos re­pu­bli­ca­nos.

Po­de ser que um ter­cei­ro fan­tas­ma te­nha, ago­ra, apa­re­ci­do em nos­so re­la­to. Am­bí­guo, mul­ti­for­me, o po­pu­lis­mo se­rá um es­pec­tro ca­paz de va­ri­a­das en­car­na­ções e, por is­so mes­mo, de di­fí­cil apre­en­são con­cei­tu­al. Há mes­mo um bom ar­gu­men­to que re­jei­ta seu uso por cau­sa des­tas su­as múl­ti­plas fi­gu­ras, que vão dos go­ver­nan­tes “na­ci­o­nal-po­pu­la­res” da Amé­ri­ca La­ti­na até Ber­lus­co­ni ou mes­mo Trump. O fa­to é que, em nos­sos di­as, im­por­tan­tes teó­ri­cos vol­ta­ram a pôr em cir­cu­la­ção a “ra­zão po­pu­lis­ta”, que in­va­ri­a­vel­men­te ten­ta de­sa­gre­gar, se­gun­do a ló­gi­ca fe­roz de ami­gos ver­sus ini­mi­gos, o con­sen­so em tor­no das ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas. O que di­fe­ren­ci­a­ria o po­pu­lis­mo pro­gres­sis­ta da­que­le re­a­ci­o­ná­rio se­ria a es­co­lha ati­la­da dos ini­mi­gos: as eli­tes em vez dos imi­gran­tes, por exem­plo.

Em tem­pos di­fí­ceis, co­mo os que te­mos vi­vi­do aqui e ago­ra, o que se re­quer é uma es­quer­da que ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te não pen­se só na afir­ma­ção de su­as pró­pri­as ra­zões, mas se­ja ca­paz de le­var em con­ta o con­jun­to da so­ci­e­da­de, acei­tan­do a es­pi­nho­sa – e in­ter­mi­ná­vel – mis­são da per­su­a­são per­ma­nen­te. E re­co­nhe­ça, por is­so, que apos­tar na ci­são sim­pló­ria en­tre o po­vo e seus ini­mi­gos po­de acar­re­tar tra­gi­ca­men­te “a ruí­na co­mum das clas­ses em lu­ta”. Co­mo te­mos vis­to, cons­truir es­se ti­po de es­quer­da não é na­da fá­cil.

A fal­ta de pro­ta­go­nis­mo de uma es­quer­da for­te e res­pon­sá­vel po­de se ar­ras­tar por vá­ri­os anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.