Haia 110 anos

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto - CEL­SO LAFER ✱ PRO­FES­SOR EMÉRITO DO INS­TI­TU­TO DE RE­LA­ÇÕES IN­TER­NA­CI­O­NAIS DA USP, FOI MI­NIS­TRO DAS RE­LA­ÇÕES EX­TE­RI­O­RES (1992; 2001-2002)

Há 110 anos ocor­ria a 2.ª Con­fe­rên­cia de Paz de Haia. Ela foi sig­ni­fi­ca­ti­va e te­ve des­do­bra­men­tos im­por­tan­tes. Ca­be lem­brá-los ho­je, na me­di­da em que o ana­lis­ta con­tem­po­râ­neo re­fle­te so­bre a ex­pe­ri­ên­cia his­tó­ri­ca, le­van­do em con­ta, à luz das in­qui­e­ta­ções do pre­sen­te, a di­men­são ci­vi­li­za­tó­ria do Di­rei­to das Gen­tes.

A con­fe­rên­cia de 1907, da qual o Bra­sil par­ti­ci­pou ati­va­men­te, ten­do Ruy Bar­bo­sa co­mo che­fe da de­le­ga­ção, foi o pri­mei­ro gran­de en­saio da di­plo­ma­cia mul­ti­la­te­ral no sé­cu­lo 20. Re­pre­sen­tou o mo­men­to inau­gu­ral da pre­sen­ça bra­si­lei­ra nos gran­des fo­ros in­ter­na­ci­o­nais. Um dos seus des­do­bra­men­tos pa­ra a po­lí­ti­ca ex­ter­na bra­si­lei­ra foi a cons­tan­te im­por­tân­cia que pas­sou a ser atri­buí­da ao mul­ti­la­te­ra­lis­mo co­mo um dos ca­mi­nhos da in­ser­ção in­ter­na­ci­o­nal do País.

As du­as con­fe­rên­ci­as de Haia, a de 1898 – da qual o Bra­sil, em­bo­ra con­vi­da­do, não par­ti­ci­pou –e a de 1907, ti­ve­ram um ca­rá­ter ino­va­dor no cam­po das re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais. Fo­ram con­fe­rên­ci­as mul­ti­la­te­rais que não li­da­ram com a or­ga­ni­za­ção da or­dem in­ter­na­ci­o­nal de um pós-gu­er­ra.

As con­fe­rên­ci­as de Haia ti­ve­ram co­mo las­tro ins­ti­ga­dor a ideia da paz, de­fen­di­da pe­los mo­vi­men­tos pa­ci­fis­tas que, a par­tir do sé­cu­lo 19, se or­ga­ni­za­ram no âm­bi­to da so­ci­e­da­de ci­vil, re­a­gin­do aos hor­ro­res da gu­er­ra, que se vi­ram mag­ni­fi­ca­dos pe­la des­tru­ti­vi­da­de das ar­mas que a ino­va­ção tec­no­ló­gi­ca foi pro­pi­ci­an­do. Fo­ram os hor­ro­res da gu­er­ra que ins­pi­ra­ram, no pla­no da so­ci­e­da­de ci­vil eu­ro­peia, a cri­a­ção da Cruz Ver­me­lha, em 1863, dan­do ori­gem ao di­rei­to hu­ma­ni­tá­rio com a Con­ven­ção de Ge­ne­bra de 1864, vol­ta­da pa­ra hu­ma­ni­zar a gu­er­ra por meio de nor­mas que se ocu­pa­vam da sor­te dos mi­li­ta­res fe­ri­dos nos exér­ci­tos em cam­pa­nha.

Haia, em 1907, foi pi­o­nei­ra da di­plo­ma­cia aber­ta, em con­tra­po­si­ção à tra­di­ção de di­plo­ma­cia do si­gi­lo e do se­gre­do, pois foi gran­de o pa­pel da im­pren­sa na co­ber­tu­ra das su­as ati­vi­da­des. An­te­ci­pou a pre­sen­ça das or­ga­ni­za­ções não go­ver­na­men­tais na agen­da da vi­da in­ter­na­ci­o­nal por meio do ati­vis­mo dos mo­vi­men­tos pa­ci­fis­tas.

Haia, em 1907, con­tou com a pre­sen­ça 44 paí­ses e 256 de­le­ga­dos. Apon­tou, por obra da par­ti­ci­pa­ção de Es­ta­dos não eu­ro­peus – com des­ta­que pa­ra os la­ti­no-ame­ri­ca­nos –, o ca­mi­nho da uni­ver­sa­li­za­ção do sis­te­ma in­ter­na­ci­o­nal. Re­co­nhe­ceu a igual­da­de dos Es­ta­dos na par­ti­ci­pa­ção das de­li­be­ra­ções da di­plo­ma­cia mul­ti­la­te­ral, por obra do prin­cí­pio igua­li­tá­rio de um vo­to pa­ra ca­da de­le­ga­ção. Mi­nou, as­sim, o ex­clu­si­vis­mo da ges­tão da or­dem mun­di­al clas­si­ca­men­te atri­buí­da às gran­des po­tên­ci­as. In­je­tou as­pi­ra­ções nor­ma­ti­vas na vi­da do sis­te­ma in­ter­na­ci­o­nal que le­va­vam em con­ta os in­te­res­ses mais abran­gen­tes da hu­ma­ni­da­de, além de acei­tar a va­li­da­de da pre­sen­ça da opi­nião pú­bli­ca nos cor­re­do­res do po­der di­plo­má­ti­co. Des­te mo­do, re­co­nhe­ceu a exis­tên­cia de uma co­mu­ni­da­de mun­di­al não cir­cuns­cri­ta, co­mo an­tes, ape­nas à ló­gi­ca in­te­res­ta­tal das so­be­ra­ni­as, am­pli­an­do o es­pa­ço das fon­tes ma­te­ri­ais da le­gi­ti­mi­da­de in­ter­na­ci­o­nal.

Ado­tou for­mal­men­te re­gras de pro­ce­di­men­to. Cri­ou tan­to um sis­te­ma de co­mis­sões pa­ra or­ga­ni­zar os tra­ba­lhos e re­por­tá-los ao ple­ná­rio da con­fe­rên­cia quan­to um co­mi­tê de re­da­ção pa­ra as­se­gu­rar a boa e de­vi­da for­ma das mi­nu­tas dos tex­tos ela­bo­ra­dos pe­las co­mis­sões – fos­sem as con­ven­ções ou as de­cla­ra­ções. Apri­mo­rou o con­cei­to do que ho­je é qua­li­fi­ca­do co­mo Ata Fi­nal, que au­ten­ti­ca, sem cri­ar vín­cu­los ju­rí­di­cos de­fi­ni­ti­vos, os re­sul­ta­dos das de­li­be­ra­ções.

Ba­tis­ta Pe­rei­ra, que in­te­grou a de­le­ga­ção do Bra­sil, as­sim sin­te­ti­zou a “ideia a re­a­li­zar” de Haia: “Mais ju­ri­di­ci­da­de en­tre as re­la­ções de po­vo a po­vo”, “mais hu­ma­ni­da­de das guer­ras” e, “na me­di­da do pos­sí­vel, subs­ti­tuir ao ar­bí­trio o di­rei­to, à vi­o­lên­cia a ra­zão, à in­to­le­rân­cia a jus­ti­ça”.

Con­so­li­dou ju­ri­di­ca­men­te os ca­mi­nhos da so­lu­ção pa­cí­fi­ca de con­tro­vér­si­as – bons ofí­ci­os, me­di­a­ção, co­mis­sões in­ter­na­ci­o­nais de inqué­ri­to e ar­bi­tra­gem, es­tas ten­do co­mo ca­rac­te­rís­ti­ca de­ci­sões de na­tu­re­za ju­rí­di­ca. Cri­ou a Cor­te Per­ma­nen­te de Ar­bi­tra­gem, pri­mei­ra ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­ção de uma es­tru­tu­ra per­ma­nen­te con­ce­bi­da pa­ra fa­ci­li­tar a ar­bi­tra­gem in­ter­na­ci­o­nal. O art. 33 da Car­ta da ONU, que tra­ta da so­lu­ção pa­cí­fi­ca de con­tro­vér­si­as, ecoa de ma­nei­ra atu­a­li­za­da à cor­res­pon­den­te Con­ven­ção de Haia; a ar­bi­tra­gem en­tre Es­ta­dos e en­tre Es­ta­dos e par­ti­cu­la­res é ho­je ge­ne­ra­li­za­da, e a so­lu­ção ju­di­ci­al de con­fli­tos é uma pos­si­bi­li­da­de aber­ta pe­la Cor­te In­ter­na­ci­o­nal de Jus­ti­ça e mui­to pre­sen­te na ju­ri­di­ci­da­de do sis­te­ma da OMC.

Haia avan­çou pou­co na te­má­ti­ca do de­sar­ma­men­to. Mas am­pli­ou o es­co­po do jus in bel­lo – do pa­pel do di­rei­to na gu­er­ra –, tra­tan­do dos li­mi­tes nor­ma­ti­vos dos mei­os de con­du­ção das hos­ti­li­da­des e de nor­mas de pro­te­ção in­ter­na­ci­o­nal das ví­ti­mas de con­fli­tos ar­ma­dos.

Pa­ra o Bra­sil, Haia foi a pri­mei­ra opor­tu­ni­da­de de ar­ti­cu­lar o seu in­te­res­se ge­ral na di­nâ­mi­ca de fun­ci­o­na­men­to da or­dem mun­di­al, in­clu­si­ve o da de­mo­cra­ti­za­ção do sis­te­ma in­ter­na­ci­o­nal. É, as­sim, um im­por­tan­te an­te­ce­den­te das po­si­ções mul­ti­la­te­rais do nos­so país, e inau­gu­rou, nes­ta ma­té­ria, um es­ti­lo de atu­a­ção di­plo­má­ti­ca ajus­ta­da às pos­si­bi­li­da­des de uma po­tên­cia in­ter­mé­dia dis­tin­ta na sua dig­ni­da­de, co­mo dis­se Ruy Bar­bo­sa dos que im­pe­ra­vam “na ma­jes­ta­de de sua gran­de­za” e dos que se en­co­lhi­am “no re­ceio de sua pe­que­nez”. Ruy atu­ou em es­trei­ta co­or­de­na­ção com Rio Bran­co, e foi bem-su­ce­di­do por­que ti­nha to­das as qua­li­da­des pa­ra a di­plo­ma­cia par­la­men­tar do mul­ti­la­te­ra­lis­mo: o do­mí­nio dos as­sun­tos, a vo­ca­ção de in­fa­ti­gá­vel tra­ba­lha­dor e a ca­pa­ci­da­de de ex­pri­mir-se, in­clu­si­ve de im­pro­vi­so e com per­fei­ção, em fran­cês – a lín­gua ofi­ci­al da con­fe­rên­cia – con­ju­ga­dos à com­ba­ti­vi­da­de que sem­pre o ca­rac­te­ri­zou co­mo ad­vo­ga­do, po­lí­ti­co e par­la­men­tar.

Na sua ava­li­a­ção de Haia, Ruy faz uma ob­ser­va­ção que an­te­ci­pa o te­ma do soft-power e que é de gran­de re­le­vân­cia pa­ra o mun­do glo­ba­li­za­do em que es­ta­mos in­se­ri­dos: “Ho­je, com efei­to mais do que nun­ca, a vi­da as­sim mo­ral co­mo econô­mi­ca das na­ções é ca­da vez mais in­ter­na­ci­o­nal. Mais do que nun­ca, em nos­sos di­as, os po­vos sub­sis­tem de sua re­pu­ta­ção no ex­te­ri­or”.

A con­fe­rên­cia de 1907 é um an­te­ce­den­te im­por­tan­te das po­si­ções mul­ti­la­te­rais do Bra­sil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.