O elei­tor no es­cu­ro

O Estado de S. Paulo - - Notas E Informações -

Pa­ra al­guns can­di­da­tos, pes­qui­sa elei­to­ral só va­le qu­an­do os mos­tra à fren­te. Se a son­da­gem lhes é des­fa­vo­rá­vel, a des­pei­to do es­for­ço pa­ra pa­re­ce­rem com­pe­ti­ti­vos e até fa­vo­ri­tos, en­tão a ex­pli­ca­ção só po­de ser uma: tra­ta-se de “ma­ni­pu­la­ção”, com o ob­je­ti­vo de in­du­zir o elei­tor a vo­tar nes­te e a evi­tar aque­le can­di­da­to. Por is­so, não sur­pre­en­de que, na co­mis­são que dis­cu­te re­for­ma po­lí­ti­ca na Câ­ma­ra, te­nha si­do apro­va­do o tex­to-ba­se de um pro­je­to de lei que pre­vê res­tri­ções às pes­qui­sas elei­to­rais. É um de­se­jo an­ti­go dos po­lí­ti­cos, que só não foi ado­ta­do até ago­ra por­que eles te­mi­am ser acu­sa­dos de vi­o­lar o pre­cei­to cons­ti­tu­ci­o­nal da li­ber­da­de de in­for­ma­ção. Pe­lo jei­to, per­de­ram es­se re­ceio.

“In­fe­liz­men­te, há mui­tas pes­qui­sas que não re­fle­tem a re­a­li­da­de. Acho que a no­va re­gra con­se­gue ali­ar bem a li­ber­da­de de ex­pres­são, mas sem que, na vés­pe­ra da elei­ção, uma pes­qui­sa in­flu­en­cie o re­sul­ta­do”, afir­mou o lí­der do DEM na Câ­ma­ra, Efraim Fi­lho (PB), re­su­min­do, em pou­cas pa­la­vras, os ar­gu­men­tos a fa­vor des­sa evi­den­te vi­o­la­ção da Cons­ti­tui­ção.

Em pri­mei­ro lu­gar, não es­tá em ques­tão a qua­li­da­de das pes­qui­sas. É evi­den­te que, co­mo em qual­quer ati­vi­da­de, há pes­qui­sas tec­ni­ca­men­te im­pe­cá­veis, ge­ran­do da­dos con­fiá­veis, e há pes­qui­sas cu­ja me­to­do­lo­gia é fa­lha, che­gan­do a re­sul­ta­dos dis­tor­ci­dos do qua­dro elei­to­ral. Nos úl­ti­mos anos, e não ape­nas no Bra­sil, os ins­ti­tu­tos de pes­qui­sa fo­ram ques­ti­o­na­dos so­bre a qua­li­da­de de seu tra­ba­lho em ra­zão da dis­cre­pân­cia, em al­guns ca­sos, en­tre seus le­van­ta­men­tos elei­to­rais e o re­sul­ta­do das ur­nas.

Na­da dis­so, po­rém, po­de ser­vir co­mo pre­tex­to pa­ra proi­bir to­tal­men­te a divulgação de pes­qui­sas elei­to­rais, se­ja na se­ma­na an­te­ri­or à vo­ta­ção, co­mo pre­vê o tex­to apro­va­do na co­mis­são, se­ja em qual­quer tem­po. Se al­gu­mas pes­qui­sas dei­xam a de­se­jar, a con­sequên­cia mais evi­den­te é a per­da de cre­di­bi­li­da­de de quem as pro­du­ziu –e é cla­ro que, num mer­ca­do com­pe­ti­ti­vo co­mo o des­sas son­da­gens, cre­di­bi­li­da­de é o prin­ci­pal pa­trimô­nio. Por­tan­to, é do in­te­res­se dos ins­ti­tu­tos de pes­qui­sa sé­ri­os apri­mo­rar seus mé­to­dos pa­ra pro­du­zir le­van­ta­men­tos com a me­nor mar­gem de er­ro pos­sí­vel, dis­tin­guin­do-se dos opor­tu­nis­tas con­tra­ta­dos por can­di­da­tos em­pe­nha­dos em con­fun­dir os ce­ná­ri­os elei­to­rais. Proi­bir es­sas em­pre­sas sé­ri­as de fa­zer seu tra­ba­lho, a par­tir do pres­su­pos­to de que há pes­qui­sas mal­fei­tas cu­jo ob­je­ti­vo é ma­ni­pu­lar a elei­ção, é trans­for­mar a li­ber­da­de de in­for­ma­ção em meia li­ber­da­de – fi­gu­ra que não exis­te no or­de­na­men­to ju­rí­di­co na­ci­o­nal.

No li­mi­te, quem de­ve de­ci­dir em quem acre­di­tar é o elei­tor. O que es­se pro­je­to em tra­mi­ta­ção pre­ten­de é di­zer ao elei­tor que, uma se­ma­na an­tes da vo­ta­ção, não de­ve acre­di­tar em nin­guém – nem mes­mo nos bons ins­ti­tu­tos de pes­qui­sa – sob o ar­gu­men­to de que os nú­me­ros po­dem in­du­zi-lo a vo­tar des­ta ou da­que­la ma­nei­ra.

De no­vo, o ci­da­dão bra­si­lei­ro é ti­do co­mo in­ca­paz de to­mar uma de­ci­são por con­ta pró­pria, a par­tir das in­for­ma­ções dis­po­ní­veis – en­tre as quais as pes­qui­sas elei­to­rais. A proi­bi­ção da divulgação des­sas son­da­gens so­ne­ga ao elei­tor jus­ta­men­te uma in­for­ma­ção que po­de efe­ti­va­men­te le­vá-lo a es­co­lher um e não ou­tro can­di­da­to, de acor­do com seus in­te­res­ses. E is­so na­da tem de ma­ni­pu­la­ção – a não ser, é cla­ro, pa­ra o can­di­da­to que vê o vo­to que ti­nha co­mo cer­to mi­grar pa­ra seu ad­ver­sá­rio.

As pes­qui­sas se tor­na­ram uma re­fe­rên­cia do elei­tor na ho­ra de vo­tar, e é por is­so que os po­lí­ti­cos as te­mem tan­to. Pre­ten­dem con­tro­lá-las sob o pre­tex­to de tor­nar o elei­tor li­vre de in­fluên­ci­as que, se­gun­do eles, po­dem de­se­qui­li­brar a dis­pu­ta.

Ora, o que de­se­qui­li­bra a dis­pu­ta é jus­ta­men­te a au­sên­cia de in­for­ma­ções. Co­mo es­que­cer que o go­ver­no pe­tis­ta tra­tou de so­ne­gar da­dos so­bre o au­men­to da de­si­gual­da­de de ren­da às vés­pe­ras da elei­ção pre­si­den­ci­al de 2014, aque­la que Dil­ma Rous­seff ga­nhou por um triz, sob o ar­gu­men­to de que a le­gis­la­ção elei­to­ral proi­bia a pu­bli­ca­ção de da­dos ca­pa­zes de in­flu­en­ci­ar as de­ci­sões do elei­tor? Eis aí o que acon­te­ce qu­an­do o elei­tor fi­ca no es­cu­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.