Pa­gan­do o pa­to

O Estado de S. Paulo - - Notas E Informações -

Não po­de res­tar qual­quer dú­vi­da de que o rom­bo da Petros foi cau­sa­do pe­la ges­tão cri­mi­no­sa do PT. No en­tan­to, há que lem­brar que is­so só foi pos­sí­vel com a com­pla­cên­cia dos sin­di­ca­tos pe­le­gos e dos pró­pri­os fun­ci­o­ná­ri­os da Pe­tro­brás, que em ne­nhum mo­men­to se ma­ni­fes­ta­ram con­tra a ob­vi­e­da­de das ma­no­bras dos ges­to­res do fun­do. Ago­ra, que a con­ta apa­re­ceu for­mal­men­te (R$ 27,7 bi­lhões), ela de­ve­ria ser pa­ga in­te­gral­men­te pe­los pró­pri­os be­ne­fi­ciá­ri­os do fun­do, os fun­ci­o­ná­ri­os da Pe­tro­brás – co­mo o que ocor­re­ria em qual­quer fun­do de pen­são de com­pa­nhia pri­va­da. Mas não. Na­da me­nos do que R$ 12,8 bi­lhões se­rão pa­gos pe­la em­pre­sa, ou se­ja, pe­lo po­vo bra­si­lei­ro, pe­los pró­xi­mos 18 anos. Mais do que is­so, os in­te­res­ses so­bre a Petros con­ti­nu­am tão gran­des que não se ou­viu um úni­co pio no sen­ti­do de con­tra­tar em­pre­sas in­de­pen­den­tes pa­ra ge­rir pro­fis­si­o­nal­men­te o fun­do, co­mo tam­bém ocor­re­ria em qual­quer fun­do de em­pre­sa pri­va­da. Por­tan­to, a rou­ba­lhei­ra não aca­bou. Co­mo sem­pre, na­da mu­da. A ban­da­lhei­ra nas es­ta­tais con­ti­nua e o po­vo é que pa­ga o pa­to. Ven­dam es­ta em­pre­sa!

OSCAR THOMP­SON Os­carThomp­son@hot­mail.com San­ta­na de Par­naí­ba

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.