Su­pre­mo pre­vê re­la­ção me­nos ten­sa com no­va pro­cu­ra­do­ra

O Estado de S. Paulo - - Política - Be­a­triz Bulla Bre­no Pi­res Ra­fa­el Mo­ra­es Mou­ra / BRA­SÍ­LIA

De­pois de um des­gas­te na re­la­ção en­tre Ro­dri­go Ja­not, no fim do man­da­to co­mo pro­cu­ra­dor­ge­ral da Re­pú­bli­ca, e o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), a ex­pec­ta­ti­va na Cor­te é de que sua subs­ti­tu­ta, Ra­quel Dod­ge, ti­tu­lar da PGR a par­tir de ama­nhã, fo­que no pa­pel ins­ti­tu­ci­o­nal do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral, sem des­cui­dar dos ru­mos da Ope­ra­ção La­va Ja­to.

A for­ma co­mo Ja­not con­du­ziu o epi­só­dio do áu­dio do em­pre­sá­rio Jo­es­ley Ba­tis­ta, do­no da J&F, e Ri­car­do Saud, ex-exe­cu­ti­vo da hol­ding, cau­sou des­con­for­to no STF. Mi­nis­tros e au­xi­li­a­res ava­li­a­ram que, qu­an­do anun­ci­ou a des­co­ber­ta da gra­va­ção que tra­zia in­dí­ci­os de omis­são de fa­tos gra­ves por de­la­to­res, Ja­not expôs ne­ga­ti­va­men­te o Tri­bu­nal por ter re­ve­la­do, sem ex­pli­car o con­tex­to, que ha­via ci­ta­ções a seus in­te­gran­tes.

Se o per­dão ju­di­ci­al con­ce­di­do por Ja­not aos exe­cu­ti­vos da J&F já era al­vo de ques­ti­o­na­men­tos, após o epi­só­dio da gra­va­ção sur­gi­ram dú­vi­das so­bre se a PGR se des­cui­dou nes­te acor­do de co­la­bo­ra­ção.

Mi­nis­tros do Su­pre­mo ou­vi­dos pe­lo Es­ta­do elo­gi­am o per­fil da su­ces­so­ra de Ja­not e di­zem acre­di­tar que, pe­la ex­pe­ri­ên­cia na área do di­rei­to pe­nal, ela vai atu­ar de for­ma fir­me e ri­go­ro­sa, sem com­pro­me­ter os des­do­bra­men­tos da La­va Ja­to.

Em si­nal de de­fe­rên­cia à Cor­te, Ra­quel fez ques­tão de se en­con­trar com mi­nis­tros an­tes de sua pos­se, apre­sen­tan­do a equi­pe e en­tre­gan­do pes­so­al­men­te con­vi­tes pa­ra a so­le­ni­da­de, que te­rá a pre­sen­ça do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer – al­vo de du­as de­nún­ci­as de Ja­not, a mais re­cen­te apre­sen­ta­da na quin­ta-fei­ra ao Su­pre­mo por or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa e obs­tru­ção da Jus­ti­ça.

Au­xi­li­a­res da pre­si­den­te do STF, mi­nis­tra Cár­men Lú­cia, apos­tam em “um no­vo tem­po”, com uma mai­or har­mo­ni­za­ção das re­la­ções com a PGR.

Úni­co mi­nis­tro do STF pu­bli­ca­men­te crí­ti­co a Ja­not, Gil­mar Men­des não es­con­de a ex­pec­ta­ti­va pe­la subs­ti­tui­ção do de­sa­fe­to por Ra­quel. “Ela é uma pes­soa qua­li­fi­ca­da, tem gran­de ex­pe­ri­ên­cia ins­ti­tu­ci­o­nal no Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e en­fren­ta um gran­de de­sa­fio pe­la fren­te: res­tau­rar os la­ços de cre­di­bi­li­da­de da Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral. Te­nho a im­pres­são de que ela res­tau­ra um qua­dro de nor­ma­li­da­de, de con­fi­an­ça e de de­cên­cia nos qu­a­dros da PGR”, dis­se.

O mi­nis­tro – que se en­con­trou com Te­mer um dia an­tes de ele anun­ci­ar a es­co­lha de Ra­quel, se­gun­da mais vo­ta­da na lis­ta trí­pli­ce do MP – não par­ti­ci­pou do jul­ga­men­to em que, por no­ve a ze­ro, o STF re­jei­tou afas­tar Ja­not das in­ves­ti­ga­ções con­tra Te­mer no ca­so J&F.

Pa­ra o mi­nis­tro Luiz Fux, Ra­quel cum­pre bem as “fun­ções ins­ti­tu­ci­o­nais”. “Ela en­car­na a fi­gu­ra do MP co­mo ele de­ve ser, é bem equi­li­bra­da, dis­cre­ta, enér­gi­ca”, dis­se.

Se­gun­do o mi­nis­tro Mar­co Au­ré­lio Mel­lo, a La­va Ja­to es­ta­rá em “bo­as mãos”. “A dou­to­ra Ra­quel é uma pes­soa apli­ca­da, é uma pes­soa que tem os olhos vol­ta­dos pa­ra os in­te­res­ses na­ci­o­nais per­ma­nen­tes.”

DIDA SAM­PAIO/ESTADAO-25/7/2017

Pos­se. Ra­quel Dod­ge vai as­su­mir o co­man­do do MPF ama­nhã

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.