2ª ins­tân­cia da La­va Ja­to é mais ali­nha­da ao MPF

De­sem­bar­ga­do­res ten­dem a con­cor­dar mais com pro­cu­ra­do­res do que com Mo­ro, diz es­tu­do

O Estado de S. Paulo - - Política - Luiz Ma­klouf Car­va­lho

Um co­le­gi­a­do re­la­ti­va­men­te co­e­so, ali­nha­do mais com o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF) do que com o juiz fe­de­ral Sér­gio Mo­ro. É es­se o re­tra­to da 8.ª Tur­ma do Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral da 4.ª Re­gião (TRF-4), a se­gun­da ins­tân­cia nos jul­ga­men­tos da Ope­ra­ção La­va Ja­to, se­gun­do um cu­ri­o­so es­tu­do do eco­no­mis­ta Pe­dro Fer­nan­do Nery, con­sul­tor le­gis­la­ti­vo do Se­na­do Fe­de­ral.

Nery se­le­ci­o­nou uma amos­tra de 95 vo­ta­ções da 8.ª Tur­ma, to­das des­te ano, e apli­cou, com­pa­ran­do-as, um mo­de­lo es­pa­ci­al de vo­ta­ção, co­nhe­ci­do co­mo W-No­mi­na­te, mui­to usa­do pe­la ci­ên­cia po­lí­ti­ca ame­ri­ca­na pa­ra ana­li­sar o his­tó­ri­co de vo­ta­ções no Le­gis­la­ti­vo. “Es­sa fer­ra­men­ta per­mi­te tra­çar um ma­pa da ten­dên­cia dos vo­tan­tes, per­mi­tin­do a vi­su­a­li­za­ção, em um úni­co grá­fi­co, da di­vi­são dos par­la­men­ta­res no es­pec­tro es­quer­da-di­rei­ta”, ex­pli­cou Nery.

O pri­mei­ro ca­so em que apli­cou o mé­to­do ao Po­der Ju­di­ciá­rio foi o jul­ga­men­to da Ação Pe­nal 470, o cha­ma­do men­sa­lão, pe­lo Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF). “Foi pos­sí­vel vi­su­a­li­zar, por exem­plo, o tra­di­ci­o­nal iso­la­men­to do mi­nis­tro Mar­co Au­ré­lio, que fre­quen­te­men­te é vo­to ven­ci­do”, dis­se o con­sul­tor do Se­na­do.

Gros­so mo­do, a com­pa­ra­ção das vo­ta­ções re­sul­ta em re­pre­sen­ta­ção grá­fi­ca de dois ei­xos – um ho­ri­zon­tal, ou­tro ver­ti­cal. A po­si­ção de ca­da vo­tan­te re­ce­be pon­tos – o que vai de­ter­mi­nar a pro­xi­mi­da­de ou o dis­tan­ci­a­men­to en­tre as pos­sí­veis po­si­ções. No ca­so da 8.ª Tur­ma, o grá­fi­co mos­tra, no ei­xo ho­ri­zon­tal, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral e os re­cor­ren­tes de su­as de­ci­sões em po­los ex­tre­mos opos­tos. O ei­xo ver­ti­cal de­mons­tra a dis­tân­cia dos três de­sem­bar­ga­do­res, e tam­bém do juiz Sér­gio Mo­ro, em re­la­ção ao MPF e aos re­cor­ren­tes. O es­tu­do de Nery mos­trou que “há uma ra­zoá­vel dis­tân­cia en­tre MPF e Mo­ro, com a mai­o­ria dos de­sem­bar­ga­do­res se apro­xi­man­do mais do MPF do que do juiz da pri­mei­ra ins­tân­cia”.

O cru­za­men­to das 95 de­ci­sões cap­tou, tam­bém, que o de­sem­bar­ga­dor João Pe­dro Ge­bran Ne­to – que te­ve sus­pei­ção ar­gui­da pe­la de­fe­sa do ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, mas não aca­ta­da – apa­re­ce co­mo o mais dis­tan­te do juiz Sér­gio Mo­ro.

Nery cha­ma a aten­ção pa­ra a po­si­ção de vo­tan­te me­di­a­no em que apa­re­ce o de­sem­bar­ga­dor Vic­tor Luiz dos San­tos Laus. “Na li­te­ra­tu­ra, há gran­de in­te­res­se pe­lo vo­tan­te me­di­a­no, já que é ele que com­põe a mai­o­ria com mai­or frequên­cia, é ven­ce­dor na mai­or par­te das ve­zes e, se­ria, por­tan­to, o vo­tan­te ‘de­ci­si­vo’”, dis­se Nery no ain­da iné­di­to ar­ti­go A re­pú­bli­ca de Por­to Ale­gre: ma­pa das de­ci­sões de 8.ª Tur­ma do TRF-4 na La­va Ja­to.

As con­clu­sões. Nery vai apre­sen­tar seu es­tu­do, nes­ta pró­xi­ma se­ma­na, em um con­gres­so da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Di­rei­to e Eco­no­mia. Su­as prin­ci­pais con­clu­sões so­bre a 8.ª Tur­ma do TRF-4 são: o co­le­gi­a­do é re­la­ti­va­men­te co­e­so, sem al­ta dis­per­são en­tre os seus mem­bros; o co­le­gi­a­do co­mo um to­do é mais pró­xi­mo do MPF do que dos re­cor­ren­tes; o co­le­gi­a­do co­mo um to­do é ain­da mais pró­xi­mo do MPF do que de Mo­ro – o que, com­bi­na­do com o item an­te­ri­or – su­ge­re uma se­gun­da ins­tân­cia com de­ci­sões ain­da mais du­ras do que a pri­mei­ra; o de­sem­bar­ga­dor mais pró­xi­mo dos re­cor­ren­tes é Vic­tor Luis dos San­tos Laus; o de­sem­bar­ga­dor mais dis­tan­te de Mo­ro é João Pe­dro Ge­bran Ne­to, às ve­zes a fa­vor da ape­la­ção do MPF, às ve­zes dos re­cor­ren­tes; o de­sem­bar­ga­dor me­di­a­no é Le­an­dro Paul­sen, que ten­de a ser o vo­to de­ci­si­vo da tur­ma.

Na sín­te­se de Nery, que su­bli­nha não co­nhe­cer de­ta­lhes dos pro­ces­sos, “a ab­sol­vi­ção de re­cor­ren­tes con­de­na­dos em pri­mei­ra ins­tân­cia, co­mo o ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, pa­re­ce im­pro­vá­vel”.

SYLVIO SIRANGELO/TRF4–1/6/2016

8ª Tur­ma. De­sem­bar­ga­do­res jul­gam ape­la­ções; con­de­na­ção de Lu­la che­gou à cor­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.