‘Eu e Do­ria go­ver­na­mos a ci­da­de jun­tos’

Vi­ce-pre­fei­to de São Pau­lo, Bru­no Co­vas já ‘trei­na’ pa­ra as­su­mir o car­go se o ti­tu­lar dis­pu­tar a Pre­si­dên­cia

O Estado de S. Paulo - - Política - Adriana Fer­raz

A fo­to do avô Má­rio Co­vas sor­rin­do na pa­re­de do ga­bi­ne­te que ocu­pa no sex­to an­dar do Edi­fí­cio Ma­ta­raz­zo, se­de da Pre­fei­tu­ra de São Pau­lo, ilus­tra o mo­men­to vi­vi­do pe­lo ne­to Bru­no Co­vas (PSDB), vi­ce-pre­fei­to da ca­pi­tal e res­pon­sá­vel por uma das se­cre­ta­ri­as, a das Pre­fei­tu­ras Re­gi­o­nais. Aos 37 anos e com 18 qui­los a me­nos na ba­lan­ça, o tu­ca­no po­de­rá ser o prin­ci­pal im­pac­ta­do com a de­fi­ni­ção do con­fli­to en­tre o pre­fei­to da ca­pi­tal, João Do­ria, e o go­ver­na­dor do Es­ta­do, Ge­ral­do Alck­min, pe­la va­ga de pre­si­den­ciá­vel do PSDB em 2018.

Se Do­ria re­nun­ci­ar ao car­go, é Bru­no quem as­su­me o co­man­do da ci­da­de, fun­ção pa­ra qual “trei­na” di­a­ri­a­men­te, ape­sar de afir­mar se man­ter neu­tro. “Do­ria e eu ad­mi­nis­tra­mos a ci­da­de a qua­tro mãos”, dis­se em en­tre­vis­ta ao Es­ta­do. Abai­xo, os prin­ci­pais tre­chos.

• Vo­cê já fi­cou à fren­te da Pre­fei­tu­ra por 31 di­as. Es­tá pre­pa­ra­do pa­ra as­su­mir a ci­da­de?

Do­ria tem fei­to o que ele dis­se que fa­ria na cam­pa­nha, que nós iría­mos go­ver­nar jun­tos, que fa­ría­mos uma ad­mi­nis­tra­ção a qua­tro mãos. Ele não es­tá fa­zen­do na­da di­fe­ren­te do que foi com­pro­mis­sa­do em 2016. Ele me con­vi­dou pa­ra ser vi­ce e tem me da­do es­sa opor­tu­ni­da­de de go­ver­nar com ele.

• O pre­fei­to diz que não vai re­du­zir as vi­a­gens. Is­so te aju­da? Não mu­da a mi­nha rotina. É cla­ro que, qu­an­do es­tou na fun­ção de pre­fei­to, te­nho de par­ti­ci­par de mais even­tos. Em ju­nho, por exem­plo, fui à Pa­ra­da LGBT, à Mar­cha pa­ra Je­sus. E tam­bém não mu­da a co­bran­ça que ele faz via te­le­fo­ne ou What­sApp.

• Se Do­ria for es­co­lhi­do, vo­cê as­su­me a Pre­fei­tu­ra. Te­me que a po­pu­la­ção não te acei­te?

Não me pre­o­cu­po com is­so. Não dá pa­ra pen­sar qu­an­tas pes­so­as vão apro­var ca­da ação sua, se­ja do pon­to de vis­ta ad­mi­nis­tra­ti­vo, se­ja po­lí­ti­co. E es­sa de­ci­são não é mi­nha. Não se­ria a mi­nha re­nún­cia.

• Co­mo vo­cê vê es­sa dis­pu­ta en­tre Alck­min e Do­ria?

Ve­jo co­mo uma dis­pu­ta na­tu­ral. São du­as pes­so­as que ho­je têm con­di­ção de re­pre­sen­tar um pro­je­to pa­ra o País, de en­fren­tar uma can­di­da­tu­ra den­tro de um par­ti­do im­por­tan­te, co­mo o PSDB. Mas só tem uma can­di­da­tu­ra, por is­so é na­tu­ral que ha­ja con­fli­to. • En­tão, Do­ria é pré-can­di­da­to? Os dois es­tão cla­ra­men­te dis­pu­tan­do es­se es­pa­ço. A par­tir de de­zem­bro, com o no­vo pre­si­den­te na­ci­o­nal do PSDB, va­mos de­fi­nir um cro­no­gra­ma pa­ra es­sa es­co­lha.

• Es­sa dis­pu­ta tem pre­ju­di­ca­do a re­la­ção ins­ti­tu­ci­o­nal en­tre a Pre­fei­tu­ra e o go­ver­no do Es­ta­do? Não ve­jo is­so ou qual­quer ti­po de sa­bo­ta­gem nes­te sen­ti­do vin­do de­les. Até por­que es­sa dis­pu­ta sem­pre con­ta­mi­na mais o en­tor­no, que ten­de a ser mais re­a­lis­ta que o rei.

• De­fen­de pré­vi­as?

Pré­vi­as são sem­pre o fra­cas­so do con­sen­so. Quan­to mais a gen­te con­se­guir ter um es­for­ço em tor­no de um can­di­da­to que te­nha mais chan­ce de vi­tó­ria, um mar­co de ali­an­ça mai­or, me­lhor. Ago­ra, ha­ven­do qual­quer ti­po de pro­ces­so de es­co­lha por vo­ta­ção, que to­do fi­li­a­do pos­sa vo­tar. Não dá pa­ra res­trin­gir a uma Exe­cu­ti­va Na­ci­o­nal, on­de vo­tam de 25 a 30 pes­so­as.

• Se­ria le­al ou des­le­al Do­ria dis­pu­tar pré­vi­as com Alck­min? Des­le­al­da­de se­ria vo­cê dei­xar de aju­dar o Alck­min por­que ele foi es­co­lhi­do e vi­ce-ver­sa. Ago­ra, can­di­da­tu­ra ma­jo­ri­tá­ria não é só fru­to da von­ta­de in­di­vi­du­al, mas da von­ta­de co­le­ti­va. Não é por aca­so que a gen­te tem uma pré-can­di­da­tu­ra do João Do­ria, por­que as pes­so­as pas­sa­ram a en­xer­gar ne­le um pro­je­to viá­vel pa­ra o País. Não foi ele que acor­dou um dia e de­ci­diu que co­me­ça­ria a dis­pu­tar com o Alck­min.

• Não par­tiu de­le, en­tão?

Não. Vo­cê co­me­çou a ver uma re­por­ta­gem aqui, um dis­cur­so aco­lá. Is­so cri­ou um cal­do que per­mi­tiu a ele se apre­sen­tar co­mo pré-can­di­da­to.

• As pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to de­vem ser con­si­de­ra­das? Bom, quem for vo­tar nas pré­vi­as é que vai de­ci­dir is­so. Ca­da ca­be­ça uma sen­ten­ça. Uns vão olhar pa­ra o pas­sa­do, ou­tros pa­ra o fu­tu­ro.

• O Alck­min é o pas­sa­do e o Do­ria, o fu­tu­ro?

Não dis­se is­so. Olhar o pas­sa­do de ca­da um dos dois.

• A ex­pe­ri­ên­cia de Alck­min, que já go­ver­nou o Es­ta­do por 13 anos, po­de fa­zer di­fe­ren­ça?

Sim. Ele tem 13 anos só de go­ver­no, mas foi pre­fei­to, de­pu­ta­do, ve­re­a­dor. Es­sa ex­pe­ri­ên­cia o tor­na su­per­pre­pa­ra­do, mas não quer di­zer que Do­ria se­ja des­pre­pa­ra­do.

• Eles es­ta­rão jun­tos no PSDB em 2018?

Acho que sim. Não ve­jo nem Do­ria nem Alck­min dei­xan­do o PSDB se não for es­co­lhi­do can­di­da­to. Mas te­mos de es­co­lher quem tem con­di­ção de ga­nhar elei­ção. Tem de en­trar pa­ra ga­nhar.

BRU­NO RO­CHA/FOTOARENA-21/8/2017

Fu­tu­ro. Bru­no Co­vas vê co­mo ‘na­tu­ral’ a dis­pu­ta en­tre os tu­ca­nos Do­ria e Alck­min por 2018

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.