Em pre­fá­cio, FHC diz que li­vro é ‘es­tra­da a per­cor­rer’

O Estado de S. Paulo - - Política - Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so

En­tre se­tem­bro do ano pas­sa­do e ja­nei­ro de 2017, o ‘Estadão’ pu­bli­cou uma ex­ten­sa sé­rie de ma­té­ri­as so­bre a agen­da de re­for­mas que o Bra­sil tem de en­fren­tar pa­ra re­con­quis­tar um fu­tu­ro co­le­ti­vo me­lhor pa­ra os ci­da­dãos e ci­da­dãs que aqui vi­vem e tra­ba­lham. Ao reu­ni-las em um li­vro, o jor­nal ofe­re­ce à so­ci­e­da­de um di­ag­nós­ti­co dos de­sa­fi­os na­ci­o­nais e um ma­pa da es­tra­da que o País te­rá de per­cor­rer pa­ra su­pe­rá-los nes­te e nos pró­xi­mos man­da­tos pre­si­den­ci­ais. O li­vro vem em boa ho­ra. Quis a his­tó­ria que os 30 anos da As­sem­bleia Cons­ti­tuin­te que re­sul­tou na Cons­ti­tui­ção de 1988 coin­ci­dis­sem com a re­to­ma­da do de­ba­te pú­bli­co e da ini­ci­a­ti­va do go­ver­no em re­la­ção a mu­dan­ças ins­ti­tu­ci­o­nais mar­gi­na­li­za­das nos três man­da­tos pre­si­den­ci­ais an­te­ri­o­res ao atu­al. Pos­ter­ga­das a par­tir de 2003 e subs­ti­tuí­das por po­lí­ti­cas econô­mi­cas des­trui­do­ras do equi­lí­brio fis­cal e da ca­pa­ci­da­de de cres­ci­men­to da eco­no­mia a par­tir de 2010, es­sas re­for­mas se tor­na­ram não ape­nas ne­ces­sá­ri­as pa­ra as­se­gu­rar um fu­tu­ro me­lhor, mas tam­bém ur­gen­tes pa­ra res­ga­tar o Bra­sil da pro­fun­da e pro­lon­ga­da cri­se econô­mi­ca le­ga­da pe­lo ci­clo pe­tis­ta. O pre­si­den­te Mi­chel Te­mer com­pre­en­deu que sua bre­ve pas­sa­gem pe­la Pre­si­dên­cia de­ve­ria es­tar de­di­ca­da à mis­são his­tó­ri­ca e rei­ni­ci­ar o pro­ces­so de re­for­mas, a co­me­çar por aque­la que mai­or di­fi­cul­da­de po­lí­ti­ca re­pre­sen­ta, a da Pre­vi­dên­cia. Me­re­ce cré­di­to por is­so.

A re­cons­tru­ção do Es­ta­do e da eco­no­mia bra­si­lei­ra se­rá lon­ga, exi­gi­rá per­se­ve­ran­ça e sen­ti­do de di­re­ção. Ne­nhu­ma so­ci­e­da­de se mo­ve se não sou­ber aon­de quer che­gar. E se não ti­ver uma ra­zoá­vel no­ção dos pro­ces­sos que a le­va­ram às di­fi­cul­da­des do tem­po pre­sen­te. O li­vro que o lei­tor tem em mãos con­tri­bui pa­ra a com­pre­en­são do pas­sa­do dos úl­ti­mos 30 anos, as­sim co­mo pa­ra o de­ba­te a res­pei­to do fu­tu­ro pre­vi­sí­vel.

Da sua lei­tu­ra, sal­tam aos olhos o pe­so e a com­ple­xi­da­de cres­cen­tes do sis­te­ma tri­bu­tá­rio pa­ra fi­nan­ci­ar um Es­ta­do que se agi­gan­ta, mas não de­vol­ve à so­ci­e­da­de em qua­li­da­de de ser­vi­ços pú­bli­cos e me­lhor dis­tri­bui­ção da ren­da aqui­lo que lhe re­ti­ra sob a for­ma de tri­bu­tos. Par­te des­pro­por­ci­o­nal do que é trans­fe­ri­do aos co­fres es­ta­tais aca­ba no bol­so de se­to­res pri­vi­le­gi­a­dos. Ne­les se in­clu­em as cor­po­ra­ções mais bem or­ga­ni­za­das do fun­ci­o­na­lis­mo pú­bli­co, co­mo mos­tram com fa­tos e da­dos vá­ri­as das ma­té­ri­as pu­bli­ca­das no li­vro. As de­si­gual­da­des que se for­mam no mer­ca­do de tra­ba­lho se acen­tu­am nos sis­te­mas de­si­guais de Pre­vi­dên­cia, exem­plo cla­ro de co­mo o de­se­qui­lí­brio fis­cal e a de­si­gual­da­de de ren­da não ra­ro são ir­mãos si­a­me­ses no Bra­sil.

Igual­men­te elu­ci­da­ti­vas são as ma­té­ri­as que mos­tram o ana­cro­nis­mo ca­da vez mai­or da CLT fren­te às trans­for­ma­ções do mun­do re­al do tra­ba­lho e da pro­du­ção. De­vi­do à mi­nu­den­te ri­gi­dez da le­gis­la­ção e ao con­ser­va­do­ris­mo da hi­per­tro­fi­a­da Jus­ti­ça do Tra­ba­lho, o Bra­sil é pro­va­vel­men­te o cam­peão mun­di­al em ma­té­ria de ju­di­ci­a­li­za­ção das re­la­ções de tra­ba­lho. É tam­bém pró­di­go quan­to à pro­li­fe­ra­ção de sin­di­ca­tos, cri­a­dos com a fi­na­li­da­de ex­clu­si­va de abo­ca­nhar uma fa­tia do Im­pos­to Sin­di­cal com­pul­só­rio.

Tal si­tu­a­ção não fa­vo­re­ce a re­pre­sen­ta­ção au­tên­ti­ca e a com­po­si­ção dos in­te­res­ses di­ver­gen­tes dos tra­ba­lha­do­res e das em­pre­sas. Ini­be o em­pre­go for­mal e pre­ju­di­ca a pro­du­ti­vi­da­de ao cri­ar in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca nas re­la­ções de tra­ba­lho e es­ti­mu­lar a ro­ta­ti­vi­da­de da mão de obra.

O li­vro acer­ta na crí­ti­ca que faz à Cons­ti­tui­ção de 1988 pe­lo que ne­la exis­te de pro­te­ção a be­nes­ses e pri­vi­lé­gi­os de um país fei­to pa­ra pou­cas cor­po­ra­ções, oli­gar­qui­as e gru­pos so­ci­ais li­ga­dos ao Es­ta­do. Ela os aju­da a se per­pe­tu­ar não ape­nas por lhes dar sta­tus cons­ti­tu­ci­o­nal, mas tam­bém por con­sa­grar na Lei Mai­or es­tru­tu­ras de po­der ne­ces­sá­ri­as à sus­ten­ta­ção des­sas be­nes­ses e des­ses pri­vi­lé­gi­os.

Não se de­ve es­que­cer, po­rém, que, se a Cons­ti­tui­ção de 1988 re­fle­te al­guns “is­mos” de um pas­sa­do que cus­ta a mor­rer, ela ex­pres­sa tam­bém a von­ta­de de uma so­ci­e­da­de de­mo­crá­ti­ca, que ain­da não se de­sen­vol­veu por com­ple­to. A Cons­ti­tui­ção de 1988 tem aju­da­do o País a usu­fruir do mais am­plo e du­ra­dou­ro re­gi­me de li­ber­da­des da sua his­tó­ria, a na­ve­gar por gra­ves cri­ses po­lí­ti­cas sem rup­tu­ra da de­mo­cra­cia, a com­ba­ter a cor­rup­ção e os abu­sos de po­der den­tro do es­ta­do de di­rei­to, a avan­çar na re­du­ção da po­bre­za e na pro­te­ção do meio am­bi­en­te. Não é pou­co.

Re­for­mar a Cons­ti­tui­ção, sim, co­mo fiz com con­vic­ção e em­pe­nho qu­an­do fui pre­si­den­te. Pre­ser­van­do, en­tre­tan­to, o que ne­la há de fun­da­men­tal pa­ra ga­ran­tir e am­pli­ar con­quis­tas ci­vi­li­za­tó­ri­as in­dis­pen­sá­veis à cons­tru­ção con­tí­nua de um país não ape­nas mais de­sen­vol­vi­do, mas mais jus­to, de­cen­te e de­mo­crá­ti­co.

DA­NI­EL TEI­XEI­RA / ESTADÃO–8/12/2016

Ca­mi­nho. Pa­ra ex-pre­si­den­te, re­cons­tru­ção do Es­ta­do se­rá lon­ga e exi­gi­rá sen­ti­do de di­re­ção

» 18/12/2016 - O DESMONTE

DO LEVIATÃ. País pre­ci­sa dei­xar pa­ra trás o pre­con­cei­to ide­o­ló­gi­co e re­to­mar a pri­va­ti­za­ção

» 8/1/2017 - O DE­SA­FIO DE

VOL­TAR A CRES­CER. Com ajus­te fis­cal ali­nha­do, o de­sa­fio é fa­zer a eco­no­mia vol­tar a cres­cer

» 20/11/2016 - O PE­SO COLOSSAL

DOS TRI­BU­TOS. Sem re­du­ção de im­pos­tos, sim­pli­fi­ca­ção ao me­nos é es­sen­ci­al

» 27/11/2016 - UM AM­BI­EN­TE MAIS AMI­GÁ­VEL PA­RA OS NE­GÓ­CI­OS. A im­por­tân­cia de que­brar as bar­rei­ras do em­pre­en­de­do­ris­mo

15/1/2017 - A DES­CEN­TRA­LI­ZA­ÇÃO DO PO­DER. É ho­ra de re­dis­cu­tir as fa­ti­as da União, dos Es­ta­dos e dos mu­ni­cí­pi­os

13/11/2016 - O CER­CO À ROU­BA­LHEI­RA. Tor­nar as leis mais rí­gi­das é um dos pas­sos pa­ra aca­bar com a im­pu­ni­da­de

4/12/2016 - O RE­NAS­CI­MEN­TO NA ARE­NA GLO­BAL. Em bus­ca de uma mai­or in­ser­ção no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.