ES­CO­LHI­DOS ATÉ POR APLI­CA­TI­VO AO ES­TI­LO ‘UBER’

Par­ti­dos co­mo PSL/Li­vres e No­vo ino­vam na se­le­ção de no­mes pa­ra as elei­ções de 2018

O Estado de S. Paulo - - Política - Gil­ber­to Amen­do­la

Em­bo­ra o Con­gres­so ain­da dis­cu­ta uma re­for­ma po­lí­ti­ca e no­vas re­gras pa­ra as elei­ções le­gis­la­ti­vas, al­guns par­ti­dos já es­tão cri­an­do es­tra­ta­ge­mas pa­ra es­co­lher seus fu­tu­ros can­di­da­tos a de­pu­ta­do es­ta­du­al e fe­de­ral. O PSL (fu­tu­ro Li­vres), por exem­plo, pro­me­te lan­çar até o fim des­te ano o cha­ma­do “Uber da Po­lí­ti­ca”, um apli­ca­ti­vo que vai ava­li­ar o po­ten­ci­al elei­to­ral de seus fi­li­a­dos. Já o par­ti­do No­vo es­tá apli­can­do um lon­go pro­ces­so se­le­ti­vo, que con­ta com pro­va oral e me­di­ção de per­for­man­ce em re­des so­ci­ais. Le­gen­das mais tra­di­ci­o­nais ain­da pre­fe­rem le­var em con­ta o “pres­tí­gio” e a “ca­pi­la­ri­da­de” dos pos­tu­lan­tes.

Pa­ra Ma­no Fer­rei­ra, de 27 anos, di­re­tor de Co­mu­ni­ca­ção do PSL/Li­vres, a trans­pa­rên­cia e o fu­tu­ro da re­pre­sen­ta­ção po­lí­ti­ca pas­sam pe­lo smartpho­ne. “O apli­ca­ti­vo vai es­tar dis­po­ní­vel pa­ra qual­quer pes­soa bai­xar em seus ce­lu­la­res. A par­tir de­le, o usuá­rio po­de tra­çar um pla­no de car­rei­ra, par­ti­ci­par de fó­runs, pro­por ações, ir acu­mu­lan­do pon­tos e até se cre­den­ci­ar pa­ra uma can­di­da­tu­ra.”

A pla­ta­for­ma se­rá gra­tui­ta pa­ra “ob­ser­va­do­res” e “co­men­ta­ris­tas”. A ideia é que pa­ra ter aces­so às ou­tras fun­ci­o­na­li­da­des, o usuá­rio te­nha de se fi­li­ar ao PSL/Li­vres. De­pois de fi­li­a­do, o in­te­res­sa­do se­rá ava­li­a­do por ou­tros par­ti­ci­pan­tes tal qual um mo­to­ris­ta de Uber (de 1 a 5 es­tre­las). Pa­ra ter bo­as “no­tas”, o fu­tu­ro can­di­da­to pre­ci­sa­rá “dar check-in” nos even­tos e cur­sos de for­ma­ção po­lí­ti­ca do par­ti­do – e res­pon­der quiz­zes so­bre a po­si­ção do Li­vres so­bre te­mas na­ci­o­nais. Com o acú­mu­lo de pon­tos, o usuá­rio po­de se cre­den­ci­ar pa­ra uma po­si­ção de lí­der re­gi­o­nal ou até plei­te­ar uma can­di­da­tu­ra à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca.

Ou­tro par­ti­do que tam­bém pre­ten­de ino­var na es­co­lha de seus can­di­da­tos é o No­vo. An­dré Strauss, mem­bro da Exe­cu­ti­va Na­ci­o­nal, con­tou que “o par­ti­do sem­pre acre­di­tou em um pro­ces­so se­le­ti­vo pa­ra não ter­cei­ri­zar pa­ra o elei­tor a ta­re­fa de se­pa­rar os bons dos maus”.

O pro­ces­so cri­a­do pe­lo No­vo tem qua­tro eta­pas. Na pri­mei­ra fa­se, o can­di­da­to de­ve en­vi­ar o seu cur­rí­cu­lo pa­ra o par­ti­do, fa­zer uma pro­va es­cri­ta e pro­du­zir um ví­deo pes­so­al. “É im­por­tan­te sa­ber co­mo o can­di­da­to se ex­pres­sa, co­mo de­fen­de su­as idei­as na fren­te de uma câ­me­ra”, dis­se Strauss. Na se­gun­da eta­pa, se­rão re­a­li­za­das en­tre­vis­tas por Sky­pe – o pos­tu­lan­te a can­di­da­to se­rá en­tre­vis­ta­do por uma ban­ca de três ava­li­a­do­res. Na fa­se três, o can­di­da­to te­rá de par­ti­ci­par de ati­vi­da­des re­la­ci­o­na­das à vi­da par­ti­dá­ria. “Tam­bém va­mos ava­li­ar se o can­di­da­to tem uma boa per­for­man­ce em re­des so­ci­ais, por meio do en­ga­ja­men­to nas pos­ta­gens e nos li­ves que ele pro­du­zir”, ex­pli­cou Strauss. A úl­ti­ma eta­pa se­rá mais uma pre­pa­ra­ção po­lí­ti­ca pa­ra a cam­pa­nha em si.

Ou­tros par­ti­dos. A Re­de Sus­ten­ta­bi­li­da­de pre­ten­de re­ser­var 30% das su­as can­di­da­tu­ras ao Le­gis­la­ti­vo pa­ra aqui­lo que o par­ti­do tem cha­ma­do de “can­di­da­tu­ra ci­da­dã”. Na prá­ti­ca, são can­di­da­tu­ras “avul­sas” e que não pre­ci­sam ser or­ga­ni­ca­men­te li­ga­das à Re­de.

As le­gen­das mais tra­di­ci­o­nais ain­da aguar­dam a de­fi­ni­ção das re­gras elei­to­rais pa­ra se mo­vi­men­ta­rem. O PMDB, por exem­plo, de­ve es­pe­rar até o ano que vem pa­ra di­vul­gá-las. Se tu­do con­ti­nu­ar co­mo es­tá, par­ti­dos co­mo o DEM e o PSDB fa­lam em “pres­tí­gio” e “ca­pi­la­ri­da­de” na so­ci­e­da­de. O PT de­ve de­le­gar par­te des­sas es­co­lhas aos Di­re­tó­ri­os Es­ta­du­ais e a cha­ma­da “ba­se par­ti­dá­ria”. O PSOL se­gue o cri­té­rio de re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de re­gi­o­nal e de gru­pos co­mo LGBT, mu­lhe­res e ne­gros.

GA­BRI­E­LA BILO/ESTADÃO

Ava­li­a­ção. Ma­no com ce­lu­lar; usuá­rio po­de acu­mu­lar pon­tos

FA­CE­BO­OK/PSL/LI­VRES

App. Reprodução de apli­ca­ti­vo usa­do pe­lo PSL

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.