Ape­sar de san­ções, eco­no­mia da Co­reia do Nor­te cres­ce e ban­ca es­ca­la­da mi­li­tar

Efei­to in­ver­so. Re­gi­me es­tá sob res­tri­ções in­ter­na­ci­o­nais se­ve­ras, mas des­res­pei­ta­das, o que per­mi­te um pe­río­do de pros­pe­ri­da­de econô­mi­ca; mer­ca­dos pri­va­dos se es­pa­lham pe­lo país, ga­ran­tem pro­du­tos à clas­se mé­dia e im­pul­si­o­nam uma eli­te de em­pre­en­de­do­res

O Estado de S. Paulo - - Internacional - Cláudia Tre­vi­san COR­RES­PON­DEN­TE / WASHING­TON

A Co­reia do Nor­te es­tá su­jei­ta ao mais se­ve­ro re­gi­me de san­ções in­ter­na­ci­o­nais da his­tó­ria, mas vi­ve seu pe­río­do de mai­or pros­pe­ri­da­de econô­mi­ca des­de a fo­me de­vas­ta­do­ra pro­vo­ca­da pe­lo fim da União So­vié­ti­ca nos anos 90. Mer­ca­dos pri­va­dos que se es­pa­lham pe­lo país ga­ran­tem a ofer­ta de pro­du­tos à emer­gen­te clas­se mé­dia e im­pul­si­o­nam uma eli­te de em­pre­en­de­do­res cha­ma­dos de don­ju – “mes­tres do di­nhei­ro”.

No­vos edi­fí­ci­os se in­te­gram à pai­sa­gem de Pyongyang a uma ve­lo­ci­da­de sem pre­ce­den­tes e apar­ta­men­tos são ven­di­dos à mar­gem do con­tro­le do Es­ta­do a pre­ços que che­gam a US$ 150 mil, no ca­so de uni­da­des “lu­xu­o­sas” de três quar­tos. Ser­vi­ços pri­va­dos de trans­por­te, cons­tru­ção, edu­ca­ção e até de cor­rei­os pros­pe­ram, en­quan­to é ca­da vez mai­or o nú­me­ro de jo­vens com te­le­fo­nes ce­lu­la­res, que só têm aces­so à cen­su­ra­da in­tra­net nor­te-co­re­a­na.

O país con­ti­nua a ser po­bre e as con­di­ções de vi­da no in­te­ri­or e na zo­na ru­ral são mui­to pi­o­res do que na ca­pi­tal. Qua­se me­ta­de da po­pu­la­ção é des­nu­tri­da, mas a fo­me ge­ne­ra­li­za­da dei­xou de exis­tir. No po­der des­de 2012, Kim Jong-un ex­pe­ri­men­ta re­for­mas que dão mais li­ber­da­de a es­ta­tais e co­o­pe­ra­ti­vas agrí­co­las pa­ra de­fi­nir sua pro­du­ção e a re­mu­ne­ra­ção de seus fun­ci­o­ná­ri­os e pa­ra cri­ar ex­ce­den­tes que são ven­di­dos a pre­ços de mer­ca­do.

A Co­reia do Nor­te não di­vul­ga es­ta­tís­ti­cas so­bre sua eco­no­mia, mas o Ban­co Cen­tral da Co­reia do Sul es­ti­ma que o rei­no da fa­mí­lia Kim cres­ceu 3,9% no ano pas­sa­do, no que po­de ter si­do o mais ele­va­do ín­di­ce em 17 anos. O ta­ma­nho do PIB, po­rém, é de US$ 28,5 bi­lhões, o equi­va­len­te a 2,5% do re­gis­tra­do pe­lo vi­zi­nho do Sul.

“A re­cu­pe­ra­ção econô­mi­ca aju­da a ex­pli­car o ace­le­ra­do rit­mo dos tes­tes ba­lís­ti­cos e nu­cle­a­res con­du­zi­dos por Pyongyang”, dis­se Ni­cho­las Ebers­tadt, es­pe­ci­a­lis­ta em Pe­nín­su­la Co­re­a­na do Ame­ri­can En­ter­pri­se Ins­ti­tu­te, em Washing­ton.

Se­gun­do ele, o prin­ci­pal in­dí­cio da re­la­ti­va pros­pe­ri­da­de é a es­ta­bi­li­da­de na cotação da mo­e­da nor­te-co­re­a­na em re­la­ção ao dó­lar e ao eu­ro nos úl­ti­mos cin­co anos. “Ne­nhum país no es­ti­lo so­vié­ti­co, com pla­ne­ja­men­to cen­tra­li­za­do, con­se­guiu is­so”, ob­ser­vou.

A es­ta­bi­li­da­de re­ve­la que Pyongyang man­te­ve aces­so a re­cur­sos

ex­ter­nos, ape­sar das san­ções in­ter­na­ci­o­nais que res­trin­gem su­as ex­por­ta­ções. Re­la­tó­rio de es­pe­ci­a­lis­tas en­tre­gue há dez di­as ao Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU) con­cluiu que a ex­pan­são das san­ções foi acom­pa­nha­da do au­men­to de seu des­cum­pri­men­to.

Há in­dí­ci­os de que a Co­reia do Nor­te ven­de equi­pa­men­tos e trei­na­men­to mi­li­tar a paí­ses da Áfri­ca e do Ori­en­te Mé­dio. En­tre seus prin­ci­pais par­cei­ros es­ta­ria a Sí­ria de Bashar As­sad. Pyongyang tam­bém tem um acor­do de co­o­pe­ra­ção “ci­en­tí­fi­ca” com o Irã, ex­pres­são que mui­tos es­pe­ci­a­lis­tas ve­em co­mo um eu­fe­mis­mo pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to nu­cle­ar.

“A mo­e­da nor­te-co­re­a­na dei­xou de se des­va­lo­ri­zar cer­ca de seis se­ma­nas de­pois da as­si­na­tu­ra do acor­do com Te­e­rã”, ob­ser­vou Ebers­tadt. “Eles con­se­gui­ram as­se­gu­rar fon­tes de fi­nan­ci­a­men­to adi­ci­o­nais e in­vi­sí­veis do ex­te­ri­or. Es­sas são coi­sas que não es­tão sen­do de­tec­ta­das de ma­nei­ra ade­qua­da.”

A re­la­ti­va pros­pe­ri­da­de ga­ran­te a des­ti­na­ção de re­cur­sos ao se­tor nu­cle­ar e au­men­ta a ca­pa­ci­da­de de re­sis­tên­cia do re­gi­me a pres­sões econô­mi­cas in­ter­na­ci­o­nais. “Uma aju­da de 50 mil to­ne­la­das de ali­men­tos era su­fi­ci­en­te pa­ra com­prar o diá­lo­go e a co­o­pe­ra­ção com Kim Jong-il, mas coi­sas são di­fe­ren­tes ago­ra”, dis­se es­tu­do di­vul­ga­do no mês pas­sa­do pe­lo Daily NK, pu­bli­ca­ção es­pe­ci­a­li­za­da em Co­reia do Nor­te. “En­quan­to o iní­cio da era de Kim Jong-il foi ca­rac­te­ri­za­da pe­la fo­me em mas­sa, a de Kim Jon-un é mar­ca­da pe­lo au­men­to das opor­tu­ni­da­des pa­ra en­ri­que­cer.”

Es­pe­ci­a­lis­tas es­ti­mam que o se­tor pri­va­do já re­pre­sen­ta de 30% a 50% da eco­no­mia do país e con­ti­nua a se ex­pan­dir em al­ta ve­lo­ci­da­de. “Eles es­tão se­ri­a­men­te se tor­nan­do ca­pi­ta­lis­tas”, dis­se An­drei Lan­kov em en­tre­vis­ta à Vi­ce News. Nas­ci­do na Rús­sia, ele vi­ve em Seul, na Co­reia do Sul, on­de dá au­las na Uni­ver­si­da­de Ko­ok­min e di­ri­ge a em­pre­sa Ko­rea Risk Group.

O prin­ci­pal efei­to des­se pro­ces­so é o au­men­to da de­si­gual­da­de so­ci­al no país no­mi­nal­men­te co­mu­nis­ta. “En­quan­to a ren­da mé­dia men­sal em ci­da­des do in­te­ri­or pa­re­ce ser de US$ 20 a US$ 50, pes­so­as ri­cas po­dem fa­cil­men­te gas­tar al­guns mi­lha­res de dó­la­res a ca­da mês em su­as ne­ces­si­da­des de con­su­mo”, es­cre­veu Lan­kov em es­tu­do di­vul­ga­do pe­lo Car­ne­gie En­dow­ment for In­ter­na­ti­o­nal Pe­a­ce no ano pas­sa­do.

Em três de seus cin­co anos de go­ver­no, Kim Jon-un en­tre­gou com­ple­xos de apar­ta­men­tos e lo­jas que mu­da­ram a pai­sa­gem de Pyongyang. O mais re­cen­te em­pre­en­di­men­to é a Rua Ryomyong, inau­gu­ra­da em abril pa­ra mar­car os 105 anos de nas­ci­men­to de seu avô, Kim Il­sung, fun­da­dor da Co­reia do Nor­te.

A ar­qui­te­tu­ra dos mais de 20 edi­fí­ci­os do bu­le­var es­tá lon­ge da ho­mo­ge­nei­da­de so­vié­ti­ca e é mar­ca­da por cur­vas e as­si­me­tri­as. Os três mil apar­ta­men­tos da re­gião es­tão es­pa­lha­dos em pré­di­os de 30 a 50 an­da­res – o mail al­to de­les tem 70 pi­sos. O re­gi­me se ga­ba de ter con­cluí­do o com­ple­xo em pou­co mais de um ano. O rit­mo fe­roz das cons­tru­ções e o uso de ma­te­ri­al de qua­li­da­de ques­ti­o­ná­vel pro­vo­cou a que­da de um edi­fí­cio de 23 an­da­res, ma­tan­do de­ze­nas de pes­so­as, em maio.

HÉLVIO RO­ME­RO/ESTADÃO -26/7/2013

Ci­da­de em ex­pan­são. Rá­pi­do avan­ço econô­mi­co vem mu­dan­do a pai­sa­gem de Pyongyang, a ca­pi­ta da Co­reia do Nor­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.