Mais so­fis­ti­ca­dos, mer­ca­dos se mul­ti­pli­ca­ram

Es­ta­be­le­ci­men­tos pri­va­dos ga­ran­tem o sus­ten­to de 4 mi­lhões, cer­ca de um ter­ço da po­pu­la­ção do país

O Estado de S. Paulo - - Internacional - WASHING­TON / C.T.

Mai­or ex­pres­são do ca­pi­ta­lis­mo na Co­reia do Nor­te, os mer­ca­dos pri­va­dos se mul­ti­pli­ca­ram nos úl­ti­mos anos e sus­ten­tam 4 mi­lhões de pes­so­as, um ter­ço da po­pu­la­ção que vi­ve nas ci­da­des, se­gun­do es­ti­ma­ti­va de es­tu­do do Daily NK. Re­a­li­za­do ao lon­go de dois anos com ba­se em re­la­tos de uma re­de de in­for­man­tes, o le­van­ta­men­to iden­ti­fi­cou 387 mer­ca­dos le­gais, on­de tra­ba­lham 600 mil pes­so­as. Ou­tras 400 mil ven­dem mer­ca­do­ri­as em lo­cais to­le­ra­dos pe­lo Es­ta­do. Se for con­si­de­ra­da a mé­dia de 4 in­te­gran­tes por fa­mí­lia, che­ga-se ao nú­me­ro de 4 mi­lhões.

A re­por­ta­gem do Es­ta­do es­te­ve em um des­ses mer­ca­dos em 2013. As tran­sa­ções são fei­tas em di­nhei­ro vi­vo – e não em cu­pons –e a ofer­ta vai de ali­men­tos a pro­du­tos fal­si­fi­ca­dos “Ma­de in Chi­na”, pas­san­do por ele­trô­ni­cos, cos­mé­ti­cos e rou­pas. O co­mér­cio é do­mi­na­do por mu­lhe­res ca­sa­das, que não têm obri­ga­to­ri­e­da­de de cum­prir ex­pe­di­en­te nas es­ta­tais.

“Vá­ri­os ocu­pan­tes de bai­xo es­ca­lão ou do apa­ra­to de se­gu­ran­ça de­le­gam a ad­mi­nis­tra­ção dos ne­gó­ci­os a su­as mu­lhe­res, que usam a in­fluên­cia po­lí­ti­ca e ad­mi­nis­tra­ti­va de seus ma­ri­dos”, es­cre­veu An­drei Lan­kov em es­tu­do di­vul­ga­do pe­lo Car­ne­gie En­dow­ment for In­ter­na­ti­o­nal Pe­a­ce. “Não é coin­ci­dên­cia que a sa­be­do­ria po­pu­lar dos ca­sa­men­tei­ros ve­ja com bons olhos a união de fi­lhos de fun­ci­o­ná­ri­os do Es­ta­do com as fi­lhas de co­mer­ci­an­tes.”

A ne­ces­si­da­de de dis­tri­bui­ção de pro­du­tos nos mer­ca­dos deu ori­gem a ser­vi­ços de trans­por­tes de car­ga fo­ra da es­tru­tu­ra es­ta­tal. E os que po­dem pa­gar têm aces­so a seis com­pa­nhi­as pri­va­das de tá­xis na ca­pi­tal.

Em­pre­en­de­do­res pri­va­dos tam­bém es­tão por trás de res­tau­ran­tes e ca­fés em Pyongyang, nos quais o aten­di­men­to e a comida são com­pa­rá­veis a um pa­drão mé­dio na Chi­na ou no Oci­den­te. Quem tem di­nhei­ro, po­de to­mar Nes­pres­so. Des­de abril, a emer­gen­te clas­se mé­dia tam­bém po­de fa­zer com­pras na Mi­ni­so, re­de ja­po­ne­sa que se tor­nou a pri­mei­ra em­pre­sa es­tran­gei­ra a fin­car sua ban­dei­ra na Co­reia do Nor­te.

REU­TERS

Co­mér­cio. Lo­ja em Pyongyang ven­de brin­que­dos chi­ne­ses

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.