O avanMo Oe Kim

O Estado de S. Paulo - - Internacional - MARIO VAR­GAS LLOSA / TRA­DU­ÇÃO DE ROBERTO MUNIZ

Fi­lho e ne­to de ti­ra­nos, ti­ra­no ele pró­prio, nin­guém se pre­o­cu­pou mui­to qu­an­do o jo­vem gor­di­nho e ca­ri­ca­to Kim Jong-un (ho­je ele tem 33 anos e pe­sa 130 qui­los) as­su­miu o po­der na Co­reia do Nor­te. En­tre­tan­to, co­mo o mun­do ho­je per­ce­be, aque­le que pa­re­cia ape­nas um jo­vem sá­tra­pa pe­que­no e mal­cri­a­do ma­te­ri­a­li­zou os so­nhos do avô, Kim Il-sung, fun­da­dor da di­nas­tia e da pró­pria Co­reia do Nor­te, já que tem nas mãos a cha­ve pa­ra uma ca­tás­tro­fe nu­cle­ar que po­de­ria fa­zer o mun­do re­tro­ce­der à idade das ca­ver­nas ou, pu­ra e sim­ples­men­te, ex­tin­guir to­da for­ma de vi­da. Mes­mo tre­men­do de me­do, é pre­ci­so ti­rar o cha­péu pa­ra Kim: ele sa­be ser ma­ca­bro!

Qu­an­do, em ou­tu­bro de 2006, a Co­reia do Nor­te fez sua pri­mei­ra pro­va nu­cle­ar, nin­guém le­vou aqui­lo mui­to a sé­rio. Os ci­en­tis­tas oci­den­tais re­du­zi­ram a im­por­tân­cia do tes­te e até o ri­di­cu­la­ri­za­ram: bom­bas atô­mi­cas es­ta­vam fo­ra do al­can­ce da­que­la sa­tra­pia mi­se­rá­vel e fa­min­ta. E, em to­do ca­so, se as coi­sas fi­cas­sem mais sé­ri­as, Chi­na e Rús­sia, mais re­a­lis­tas que seu ca­chor­ri­nho de es­ti­ma­ção, o fa­ri­am to­mar juí­zo. Na épo­ca, tam­bém te­ria si­do pos­sí­vel de­ter Kim Jong-il com uma ação mi­li­tar li­mi­ta­da que pu­ses­se fim a seu so­nho de con­ver­ter seu país nu­ma po­tên­cia nu­cle­ar e ser­vis­se de li­ção pre­ven­ti­va ao “Bri­lhan­te Ca­ma­ra­da”, co­mo os nor­te-co­re­a­nos cha­mam o se­nhor do país.

Ho­je es­sa ação mi­li­tar já não se­ria pos­sí­vel, por mais que o pre­si­den­te Trump ame­a­ce a Co­reia do Nor­te com “fú­ria e fo­go ja­mais vis­tos no mun­do”. Pri­mei­ro, pe­la sim­ples ra­zão de que tal ação já não se­ria li­mi­ta­da, mas de gran­de en­ver­ga­du­ra – o que sig­ni­fi­ca mi­lha­res de mor­tos; se­gun­do, por­que a res­pos­ta de Kim po­de­ria cau­sar ou­tra ma­tan­ça gi­gan­tes­ca, nos pró­pri­os Es­ta­dos Uni­dos ou na Co­reia do Sul e Ja­pão, e tal­vez de­sen­ca­de­ar uma gu­er­ra ge­ne­ra­li­za­da em que o si­nis­tro bar­ril de pól­vo­ra nu­cle­ar en­tra­ria em erup­ção.

Mor­re­ri­am, as­sim, mi­lhões de pes­so­as. Es­sa pers­pec­ti­va pa­re­ce­rá ab­sur­da e exa­ge­ra­da pa­ra mui­ta gen­te sen­sa­ta, que vi­ve a anos-luz des­se jo­vem ex­tre­mis­ta que go­za de po­de­res ab­so­lu­tos em sua in­fe­liz na­ção e ao qual, pro­va­vel­men­te, a con­di­ção de deus vi­vo à qual foi ele­va­do pe­la adu­la­ção e submissão de seus 25 mi­lhões de vas­sa­los faz vi­ver uma ali­e­na­ção nar­ci­sis­ta de­men­ci­al que o in­duz a acre­di­tar na­qui­lo que alar­deia: que a mi­nús­cu­la Co­reia do Nor­te, ago­ra do­na de uma bom­ba vá­ri­as ve­zes mais po­de­ro­sa que as que se aba­te­ram so­bre Hi­roshi­ma e Na­ga­sa­ki po­de, se qui­ser, fe­rir de mor­te os Es­ta­dos Uni­dos. Tal­vez não con­si­ga fa­zer es­se país de­sa­pa­re­cer, mas po­de­ria cau­sar-lhe da­nos mo­nu­men­tais se for ver­da­de que sua bom­ba de hi­dro­gê­nio po­de ser aco­pla­da a um des­ses mís­seis que, pe­lo vis­to, al­can­ça­ri­am a cos­ta ame­ri­ca­na.

Efi­cá­cia. A ra­zão e o bom sen­so le­va­ram os paí­ses oci­den­tais a res­pon­der ao de­sa­fio nu­cle­ar nor­te-co­re­a­no com san­ções apro­va­das pe­las Na­ções Uni­das que vêm sen­do am­pli­a­das em pro­por­ção aos ex­pe­ri­men­tos nu­cle­a­res de Pyongyang, sem che­gar, po­rém, por opo­si­ção da Rús­sia e da Chi­na, ao ex­tre­mo de­se­ja­do pe­los Es­ta­dos Uni­dos.

Em to­do ca­so, é bom ad­mi­tir a ver­da­de: es­sas san­ções, por mais du­ras que se­jam, não ser­vi­rão ab­so­lu­ta­men­te pa­ra na­da. Em vez de obri­gar o lí­der sta­li­nis­ta a re­cu­ar, elas per­mi­ti­ri­am que ele, co­mo fa­zia Fi­del Cas­tro em re­la­ção às san­ções econô­mi­cas dos Es­ta­dos Uni­dos a Cu­ba, res­pon­sa­bi­li­ze Washing­ton e ou­tros paí­ses oci­den­tais pe­la pe­nú­ria que su­as po­lí­ti­cas es­ta­ti­zan­tes e co­le­ti­vis­tas trou­xe­ram a seu país. Por um gran­de pa­ra­do­xo, san­ções só são efi­ca­zes con­tra re­gi­mes aber­tos, nos quais exis­te uma opi­nião pú­bli­ca que, afe­ta­da por elas, re­a­ge e pres­si­o­na o go­ver­no a ne­go­ci­ar e fa­zer con­ces­sões. Con­tra uma di­ta­du­ra ver­ti­cal en­cas­te­la­da con­tra to­da ati­vi­da­de cí­vi­ca in­de­pen­den­te, co­mo é a Co­reia do Nor­te, as san­ções – que, em to­do ca­so, ja­mais che­ga­ram a va­ler ple­na­men­te, pois mui­tos go­ver­nos as vi­o­lam, além dos con­tra­ban­dis­tas – não afe­tam a cú­pu­la nem a no­men­cla­tu­ra to­ta­li­tá­ria, mas ape­nas o po­vo, obri­ga­do a aper­tar ca­da vez mais o cin­to.

Os que acre­di­tam que san­ções pos­sam aman­sar Kim Jong-un ci­tam o exem­plo do Irã. “Ali não fun­ci­o­na­ram?”, per­gun­tam. Sim, é ver­da­de que as san­ções pro­vo­ca­ram tan­tos da­nos econô­mi­cos e so­ci­ais ao re­gi­me dos ai­a­to­lás que a hi­e­rar­quia se viu obri­ga­da a ne­go­ci­ar e pôr fim a ex­pe­ri­ên­ci­as nu­cle­a­res em tro­ca do le­van­ta­men­to dos em­bar­gos.

No en­tan­to, ain­da que nos dois ca­sos se tra­te de di­ta­du­ras, a ira­ni­a­na es­tá lon­ge de ser um re­gi­me uni­pes­so­al, de­pen­den­te ex­clu­si­va­men­te de um ti­ra­no. O Irã tem uma es­tru­tu­ra di­ta­to­ri­al re­li­gi­o­sa que pos­si­bi­li­ta al­gu­ma ação cí­vi­ca, den­tro, cla­ro, da “le­ga­li­da­de” ema­na­da do pró­prio sis­te­ma. O mes­mo re­gi­me abri­ga di­fe­ren­ças à ve­zes gran­des, que per­mi­tem ma­ni­fes­ta­ções cí­vi­cas.

Saí­das. En­tão, já que as coi­sas es­tão as­sim, o que se po­de fa­zer? Sim­ples­men­te olhar pa­ra o la­do e, pe­lo me­nos os cren­tes, pe­dir aos deu­ses que a si­tu­a­ção não pi­o­re – ou se­ja, que um er­ro ou aci­den­te não po­nha em mar­cha o me­ca­nis­mo de des­trui­ção que po­de­ria le­var a uma gu­er­ra atô­mi­ca?

Co­mo che­ga­mos a tal si­tu­a­ção? Em mui­tos sen­ti­dos, o mun­do vem me­lho­ran­do nas úl­ti­mas dé­ca­das, dan­do pas­sos gi­gan­tes­cos nos cam­pos da edu­ca­ção, dos di­rei­tos hu­ma­nos, da saú­de, das opor­tu­ni­da­des, da li­ber­da­de, dei­xan­do pa­ra trás as pi­o­res for­mas de bar­bá­rie que ao lon­go de tan­tos sé­cu­los cau­sa­ram so­fri­men­tos atro­zes à mai­or par­te da hu­ma­ni­da­de. Pa­ra a mai­o­ria dos se­res hu­ma­nos, o mun­do é ho­je me­nos cru­el e mais su­por­tá­vel.

En­tre­tan­to, nun­ca a hu­ma­ni­da­de es­te­ve tão ame­a­ça­da de ex­tin­ção quan­to nes­ta era de pro­di­gi­o­sas des­co­ber­tas tec­no­ló­gi­cas em que a de­mo­cra­cia – o re­gi­me me­nos de­su­ma­no de to­dos que se co­nhe­ce – dei­xou pa­ra trás, qua­se fa­zen­do-os de­sa­pa­re­cer, os mai­o­res ini­mi­gos que a ame­a­ça­vam: o fas­cis­mo e o co­mu­nis­mo.

Não te­nho res­pos­tas pa­ra es­sa per­gun­ta, que fa­ço com um gos­to de cin­za na bo­ca. E te­mo que nin­guém te­nha al­go con­vin­cen­te a di­zer so­bre co­mo che­ga­mos a uma si­tu­a­ção na qual um po­bre di­a­bo, cer­ta­men­te in­cul­to e de in­te­li­gên­cia pri­má­ria, que nas te­las de TV pa­re­ce uma ca­ri­ca­tu­ra de si mes­mo, con­si­ga ter nas mãos a de­ci­são so­bre a ci­vi­li­za­ção con­ti­nu­ar exis­tin­do ou ser ex­tin­ta num fes­ti­val ma­ca­bro.

É PRÊ­MIO NO­BEL DE LI­TE­RA­TU­RA © 2016 EDICIONES EL PAÍS, SL. DI­REI­TOS RE­SER­VA­DOS. PU­BLI­CA­DO SOB LI­CEN­ÇA

Por um gran­de pa­ra­do­xo, san­ções só são efi­ca­zes con­tra re­gi­mes aber­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.