Sub­ma­ri­nos são mai­or ame­a­ça de Pyongyang

Em­bar­ca­ções da Co­reia do Nor­te têm al­can­ce de 2,5 mil km, po­dem le­var ogi­va de 700 kg e dis­pa­rar de uma dis­tân­cia de até 300 km dos EUA

O Estado de S. Paulo - - Internacional - Roberto Go­doy

A ame­a­ça mai­or do ar­se­nal da Co­reia do Nor­te não es­tá ali­nha­da en­tre seus 15 di­fe­ren­tes ti­pos de mís­seis, lan­ça­dos a par­tir de car­re­tas blin­da­das ou das mons­tru­o­sas pla­ta­for­mas mó­veis de 16 ei­xos. O pe­ri­go re­al, o mís­sil Puk­guk­son Kn-11, es­prei­ta a bor­do de sub­ma­ri­nos das clas­ses Sin­po e T-33. Tem al­can­ce de até 2,5 mil km le­van­do uma ca­be­ça de gu­er­ra de até 700 kg.

Dis­pa­ra­dos de al­to mar, nas con­si­de­rá­veis dis­tân­ci­as en­tre 500 km e 300 km do ter­ri­tó­rio dos Es­ta­dos Uni­dos, por exem­plo, po­dem atin­gir al­vos no in­te­ri­or do país de­pois de um voo de ape­nas seis mi­nu­tos. Pou­co tem­po pa­ra a re­a­ção a 100% do es­cu­do an­ti­aé­reo. A ca­pa­ci­da­de de ata­que do Kn-11 é nu­cle­ar, com va­ri­an­tes de ex­plo­si­vos con­ven­ci­o­nais HE6 e agen­tes in­cen­diá­ri­os. Se­gun­do a agên­cia na­ci­o­nal de in­te­li­gên­cia da Co­reia do Sul (NIS), a Ma­ri­nha de Pyongyang ope­ra uma fro­ta de 70 sub­ma­ri­nos de 5 ti­pos. Al­guns de­les, an­ti­gos mo­de­los da ex-União So­vié­ti­ca, dos anos 60. Mas se­te uni­da­des mais pe­sa­das, de 1.830 to­ne­la­das de des­lo­ca­men­to, são ver­sões chi­ne­sas, mo­der­ni­za­das. Em­bo­ra não ha­ja in­for­ma­ções se­gu­ras qu­an­tos aos nú­me­ros, ao me­nos dois na­vi­os te­ri­am si­do con­ver­ti­dos pa­ra abri­gar um ou dois si­los do Kn-1. O úni­co Sin­po ope­ra­ci­o­nal é cer­ta­men­te o por­ta­dor de uma cé­lu­la du­pla dis­pa­ra­do­ra do mís­sil de dois es­tá­gi­os, 9,1 me­tros, 1,5m de di­â­me­tro e 17 to­ne­la­das.

O pro­gra­ma nor­te-co­re­a­no de mís­seis re­co­nhe­ce a re­a­li­za­ção de 12 en­sai­os com o Pukgk­son – 5 de­les bem su­ce­di­dos. O úni­co tes­te mo­ni­to­ra­do da eje­ção sub­ma­ri­na foi con­si­de­ra­do um fra­cas­so pe­lo ser­vi­ço na­val de in­for­ma­ções dos EUA, em maio de 2015 – o fo­gue­te te­ria per­cor­ri­do ape­nas 100 me­tros an­tes de cair no mar, des­go­ver­na­do. “A mé­dia é po­si­ti­va: o sis­te­ma fun­ci­o­nou na mai­o­ria das oca­siões e o me­ca­nis­mo de expulsão do veí­cu­lo na lâ­mi­na de água tam­bém”, des­ta­ca um en­ge­nhei­ro bra­si­lei­ro, ana­lis­ta de um gru­po em­pre­sa­ri­al bri­tâ­ni­co da área de De­fe­sa. O es­pe­ci­a­lis­ta afir­ma que o co­man­do na­val sob con­tro­le de Kim, “já de­ve ter es­pa­lha­do seus sub­mer­sí­veis por mui­tos qua­dran­tes, de for­ma a con­fun­dir a ob­ser­va­ção pe­la cons­te­la­ção de sa­té­li­tes mi­li­ta­res ame­ri­ca­nos e eu­ro­peus”.

A tec­no­lo­gia en­vol­vi­da é com­ple­xa. O mís­sil é dis­pa­ra­do por pres­são, ime­di­a­ta­men­te após a aber­tu­ra das es­co­ti­lhas, den­tro de uma bo­lha de ar com­pri­mi­do que im­pe­de o con­ta­to com a água. A tra­je­tó­ria du­ra pou­cos se­gun­dos. No mo­men­to em que o pe­sa­do SLBM sai do mar, os mo­to­res en­tram em ig­ni­ção e o sis­te­ma ele­trô­ni­co de gui­a­gem as­su­me o co­man­do da na­ve­ga­ção até o ob­je­ti­vo. É pro­vá­vel que o ata­can­te se­ja lo­ca­li­za­do e des­truí­do – o que te­rá pou­co im­por­tân­cia se ti­ver des­pe­ja­do seus mís­seis.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.