Jo­vem li­ga­do a aten­ta­do em Lon­dres é pre­so

Pa­ra po­lí­cia, ra­paz de 18 anos te­ve par­ti­ci­pa­ção em ata­que que dei­xou 29 fe­ri­dos no me­trô

O Estado de S. Paulo - - Internacional - / AFP, REU­TERS e NYT

A po­lí­cia bri­tâ­ni­ca in­for­mou on­tem que um jo­vem de 18 anos foi de­ti­do por sus­pei­ta de li­ga­ção com o aten­ta­do ter­ro­ris­ta que dei­xou 29 fe­ri­dos na es­ta­ção de me­trô Par­sons Gre­en, na sex­ta-fei­ra. O ho­mem, que ain­da não te­ve a iden­ti­da­de di­vul­ga­da, foi en­con­tra­do na re­gião por­tuá­ria de Do­ver e se­rá in­ter­ro­ga­do. O Es­ta­do Is­lâ­mi­co (EI) as­su­miu a au­to­ria da ação.

A es­ta­ção de me­trô Par­sons Gre­en, no su­do­es­te de Lon­dres, foi re­a­ber­ta on­tem, se­gun­do in­for­mou a Trans­port for Lon­don (TfL), em­pre­sa que ope­ra a re­de de trans­por­tes da ca­pi­tal bri­tâ­ni­ca.

Na ma­nhã de sex­ta-fei­ra, um ar­te­fa­to de fa­bri­ca­ção ca­sei­ra, co­lo­ca­do den­tro de um cu­bo bran­co, ex­plo­diu par­ci­al­men­te em um trem da li­nha Dis­trict, que se­guia pa­ra o cen­tro da ca­pi­tal bri­tâ­ni­ca. As 29 ví­ti­mas re­ce­be­ram aten­di­men­to mé­di­co em di­ver­sos hos­pi­tais de Lon­dres, mas nin­guém se fe­riu com gra­vi­da­de.

Após o ata­que, as au­to­ri­da­des bri­tâ­ni­cas ele­va­ram pa­ra “crí­ti­co” o ní­vel de aler­ta ter­ro­ris­ta no Rei­no Uni­do – o grau mais al­to –, o que sig­ni­fi­ca que um no­vo aten­ta­do po­de­ria ser imi­nen­te. Até en­tão, a ame­a­ça es­ta­va em um ní­vel con­si­de­ra­do “gra­ve”, a quar­to mais al­ta de uma es­ca­la de cin­co, que tra­ta um aten­ta­do ter­ro­ris­ta no Rei­no Uni­do co­mo “al­ta­men­te pro­vá­vel”.

A de­ci­são de su­bir o aler­ta, se­gun­do o go­ver­no, foi to­ma­da pe­lo Cen­tro de Aná­li­se Con­jun­to de Ter­ro­ris­mo, com­pos­to por re­pre­sen­tan­tes de 16 de­par­ta­men­tos e com se­de nos es­cri­tó­ri­os do MI5, o ser­vi­ço se­cre­to bri­tâ­ni­co. A pri­mei­ra-mi­nis­tra do Rei­no Uni­do, The­re­sa May, de­fen­deu a de­ci­são e dis­se que era uma me­di­da “ade­qua­da” e “sen­sí­vel”.

A úl­ti­ma vez que as au­to­ri­da­des bri­tâ­ni­cas de­ci­di­ram ele­var o ní­vel de ame­a­ça pa­ra “crí­ti­co” foi em maio, após o aten­ta­do sui­ci­da dei­xar 22 mor­tos e 59 fe­ri­dos du­ran­te um show da can­to­ra Ari­a­na Gran­de, em Man­ches­ter, no nor­te da In­gla­ter­ra.

Com o au­men­to do aler­ta, sol­da­dos bri­tâ­ni­cos po­dem pres­tar aju­da à po­lí­cia e re­for­çar a se­gu­ran­ça em pon­tos es­tra­té­gi­cos de Lon­dres, co­mo re­de de trans­por­tes e es­tá­di­os de fu­te­bol, já que no fim de se­ma­na ha­ve­ria par­ti­das pe­lo Cam­pe­o­na­to In­glês.

Ape­sar de o ata­que ter si­do rei­vin­di­ca­do pe­lo EI, as for­ças de se­gu­ran­ça do Rei­no Uni­do ain­da não con­fir­ma­ram se o gru­po jiha­dis­ta es­tá re­al­men­te por trás do aten­ta­do. De­ta­lhes so­bre a iden­ti­da­de do sus­pei­to de­ti­do on­tem não fo­ram re­ve­la­dos. O res­pon­sá­vel pe­la uni­da­de an­ti­ter­ro­ris­ta da Sco­tland Yard, Mark Ro­wley, ad­mi­tiu aos jor­na­lis­tas que po­de ha­ver mais de uma pes­soa en­vol­vi­da no ata­que.

De acor­do com ele, nos úl­ti­mos di­as, as for­ças de se­gu­ran­ça fi­ze­ram im­por­tan­tes pro­gres- sos na in­ves­ti­ga­ção. Ro­wley afir­mou ain­da que aguar­da uma aná­li­se dos res­tos do ar­te­fa­to ex­plo­si­vo. “En­quan­to bus­ca­mos ou­tros sus­pei­tos, co­mo é es­pe­ra­do, es­ta­mos for­ta­le­cen­do a pre­sen­ça po­li­ci­al nas ru­as de Lon­dres e em to­do o país”, dis­se.

Trump. Os bri­tâ­ni­cos vol­ta­ram a ex­pres­sar on­tem ir­ri­ta­ção com pre­si­den­te ame­ri­ca­no, Do­nald Trump, que tui­tou na sex­ta-fei­ra, ime­di­a­ta­men­te após o ata­que, que “os ter­ro­ris­tas es­ta­vam na mi­ra da Sco­tland Yard”. Ele ain­da apro­vei­tou a co­mo­ção pa­ra usar o ata­que de sex­ta-fei­ra co­mo jus­ti­fi­ca­ti­va pa­ra sua or­dem exe­cu­ti­va que sus­pen­de a en­tra­da de imi­gran­tes de seis paí­ses de mai­o­ria is­lâ­mi­ca.

“Mais um ata­que a Lon­dres re­a­li­za­do por um ter­ro­ris­ta fra­cas­sa­do. São pes­so­as do­en­tes e lou­cas que es­ta­vam sen­do mo­ni­to­ra­das pe­la Sco­tland Yard. É pre­ci­so ser pro­a­ti­vo”, tui­tou Trump. “Os ter­ro­ris­tas fra­cas­sa­dos de­ve­ri­am ser tra­ta­dos de ma­nei­ra mui­to mais se­ve­ra. A in­ter­net é a prin­ci­pal fer­ra­men­ta de re­cru­ta­men­to, de­ve­mos cor­tá-la e usá-la me­lhor.”

Qu­es­ti­o­na­da so­bre o tuí­te de Trump, a pre­miê bri­tâ­ni­ca cri­ti­cou a pres­sa do pre­si­den­te ame­ri­ca­no. “Acho que não aju­da na­da qu­an­do al­guém es­pe­cu­la so­bre uma in­ves­ti­ga­ção em cur­so”, afir­mou May.

CH­RIS J RATCLIFFE/AFP

Bus­cas. Po­li­ci­ais bri­tâ­ni­cos iso­lam área re­si­den­ci­al de Sun­bury, nos ar­re­do­res de Lon­dres

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.