O na­mo­ro de Do­nald Trump com os de­mo­cra­tas

O Estado de S. Paulo - - Internacional -

Pri­mei­ro, veio o acor­do pa­ra es­ten­der o pra­zo pa­ra au­men­tar o li­mi­te da dí­vi­da pú­bli­ca. De­pois, uma con­ver­sa “pro­du­ti­va” so­bre co­mo man­ter nos Es­ta­dos Uni­dos imi­gran­tes ile­gais que che­ga­ram na in­fân­cia ou ado­les­cên­cia, com re­for­ço da se­gu­ran­ça na fron­tei­ra me­xi­ca­na (e sem mu­ro!). O na­mo­ro de Do­nald Trump com os de­mo­cra­tas en­fu­re­ce alas in­sa­tis­fei­tas do Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no e de­sa­fia as ex­pli­ca­ções.

Des­pre­zo por cau­sas que po­la­ri­zam o país, co­mo dí­vi­da pú­bli­ca e imi­gra­ção? Des­pei­to dos lí­de­res no Con­gres­so, in­ca­pa­zes de apro­var a re­for­ma da saú­de ou de man­ter uma agen­da le­gis­la­ti­va mí­ni­ma em mar­cha? Ten­ta­ti­va de go­ver­nar de mo­do in­de­pen­den­te dos par­ti­dos? Gui­na­da ge­nuí­na pa­ra o cen­tro, de­pois de per­ce­ber que a po­pu­la­ri­da­de de­sa­bou? A res­pos­ta, diz o ana­lis­ta Per­ry Ba­con Jr., ain­da é uma in­cóg­ni­ta. Mas é um er­ro acre­di­tar que Trump se tor­na­rá, de uma ho­ra pa­ra ou­tra, um pre­si­den­te bi­par­ti­dá­rio.

De­pois de ra­char os re­pu­bli­ca­nos nas pri­má­ri­as, ele ten­ta­rá mol­dar o par­ti­do em tor­no de si. Exa­ta­men­te co­mo Ro­nald Re­a­gan cons­truiu uma co­a­li­zão vi­to­ri­o­sa en­tre con­ser­va­do­res fis­cais, re­li­gi­o­sos, li­ber­tá­ri­os e fal­cões na po­lí­ti­ca ex­ter­na nos anos 1980. Trump quer ago­ra reu­nir na­ci­o­na­lis­tas an­ti-imi­gra­ção, re­li­gi­o­sos, in­dus­tri­ais pro­te­ci­o­nis­tas, ad­ver­sá­ri­os das po­lí­ti­cas iden­ti­tá­ri­as e sa­be-se lá mais quem. O en­tu­si­as­mo que an­tes vi­nha do Tea Party es­tá ho­je na ala po­pu­lis­ta e na­ci­o­na­lis­ta do par­ti­do, ca­paz de aplau­dir Trump até mes­mo qu­an­do ele cor­te­ja de­mo­cra­tas.

Aca­bou a lua de mel, Mnu­chin

Ste­ve Mnu­chin (aci­ma), o ban­quei­ro que Trump trou­xe do Gold­man Sa­chs pa­ra a Se­cre­ta­ria do Te­sou­ro, es­tá sob du­pla in­ves­ti­ga­ção: por ter re­qui­si­ta­do um ja­ti­nho do go­ver­no – ao cus­to de US$ 25 mil a ho­ra – em sua lua de mel na Es­có­cia, Fran­ça e Itá­lia (o pe­di­do foi re­cu­sa­do) e por ter le­va­do a mu­lher, Loui­se Lin­ton, nu­ma vi­a­gem a Fort Knox, no Ken­tucky, no dia do eclip­se so­lar.

Di­nhei­ro pú­bli­co e obs­ce­ni­da­de

Em 1989, o Con­gres­so ame­ri­ca­no proi­biu o uso de di­nhei­ro pú­bli­co em ex­po­si­ções de con­teú­do obs­ce­no, ta­ma­nho o fu­ror com uma es­cul­tu­ra de An­dres Ser­ra­no e uma re­tros­pec­ti­va do fo­tó­gra­fo Ro­bert Map­plethor­pe (cu­jo con­teú­do é me­lhor nem des­cre­ver). Va­ga, a lei foi emen­da­da, de­pois de­sa­fi­a­da na Su­pre­ma Cor­te. Por 8 vo­tos a 1, os juí­zes con­cor­da- ram, em 1998, que a obs­ce­ni­da­de po­de ser usa­da co­mo um en­tre tan­tos ou­tros cri­té­ri­os de fi­nan­ci­a­men­to, tão ou mais va­gos.

Den­ver, ci­da­de ide­al pa­ra a no­va se­de da Ama­zon?

A Ama­zon es­go­tou seu es­pa­ço pa­ra cres­cer em Se­at­tle e bus­ca uma no­va se­de, nu­ma re­gião me­tro­po­li­ta­na com mais 1 mi­lhão de ha­bi­tan­tes, boa qua­li­da­de de vi­da e trans­por­te, ofer­ta de mão de obra com com­pe­tên­cia tec­no­ló­gi­ca e – na­tu­ral­men­te – in­cen­ti­vos fis­cais. O blog Upshot cru­zou to­das as exi­gên­ci­as com da­dos do cen­so ame­ri­ca­no e che­gou a um úni­co lo­cal sa­tis­fa­zen­do a to­das con­di­ções: Den­ver, no Es­ta­do do Co­lo­ra­do.

De­sa­fi­ou os ra­bi­nos, te­ve de sair

O de­pu­ta­do is­ra­e­len­se Yi­gal Gu­a­ta, do par­ti­do re­li­gi­o­so Shas, foi obri­ga­do a re­nun­ci­ar ao car­go de­pois de com­pa­re­cer à fes­ta de ca­sa­men­to gay de um so­bri­nho, con­tra­ri­an­do a or­to­do­xia dos ra­bi­nos.

Uber aos sá­ba­dos em Is­ra­el

Em res­pei­to à lei re­li­gi­o­sa, o trans­por­te pú­bli­co não fun­ci­o­na aos sá­ba­dos em Is­ra­el, a não ser em ca­sos ex­cep­ci­o­nais. Em edi­to­ri­al, o Je­ru­sa­lem Post de­fen­deu a li­be­ra­ção do Uber co­mo for­ma de aten­der a de­man­da.

O su­ces­so da de­pi­la­ção bra­si­lei­ra

Aca­ba de sair nos Es­ta­dos Uni­dos The naughty ni­ne­ti­es (Os sa­ca­nas anos 1990), li­vro em que Da­vid Fri­end nar­ra a his­tó­ria de su­ces­so e pos­te­ri­or de­ca­dên­cia das se­te ir­mãs bra­si­lei­ras que le­va­ram pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos a téc­ni­ca de de­pi­la­ção ra­di­cal da vi­ri­lha co­nhe­ci­da co­mo “Bra­zi­li­an wax”, po­pu­lar de­pois de apa­re­cer no se­ri­a­do Sex and the City.

John Le Car­ré sai do frio

Em A le­gacy of spi­es (“Um le­ga­do de es­piões”), o mes­tre John Le Car­ré re­to­ma, aos 85 anos, a ope­ra­ção que ter­mi­nou em tra­gé­dia no clás­si­co O es­pião que saiu do frio, de 1963. Nar­ra­do por Pe­ter Guil­lam, o li­vro traz de vol­ta Alec Le­a­mas, Hans-Di­e­ter Mundt, Karl Ri­e­meck e, cla­ro, ele mes­mo: Ge­or­ge Smi­ley. Se vo­cê não sa­be de quem es­tou fa­lan­do, es­que­ce. Se sa­be, por que ain­da es­tá len­do es­ta co­lu­na em vez do li­vro?

JOHN LOCHER/AP-28/8/2017

MAN­DEL NGAN /AFP

Pla­nos. Trump fler­ta com opo­si­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.