A CI­DA­DE DE QUEM FU­GIU DO CON­FLI­TO

Des­lo­ca­dos pe­las Farc são ba­se da po­pu­la­ção

O Estado de S. Paulo - - Internacional - / F.S.

Ope­que­no so­bra­do em que vi­ve e tra­ba­lha Ed­gar Bel­trán Ra­mí­rez tem gra­des al­tas e ca­de­a­dos na fa­cha­da. A ilu­mi­na­ção pre­cá­ria e as aco­mo­da­ções são im­pro­vi­sa­das nes­te que po­de­ria ser con­si­de­ra­do um tí­pi­co imó­vel de Vil­la­vi­cen­cio. Em uma ci­da­de for­ma­da por des­lo­ca­dos pe­lo con­fli­to en­tre a guer­ri­lha e o go­ver­no, o GPS não re­co­nhe­ce da­dos e pla­cas nas ru­as não são a re­gra. Bu­ra­cos e ru­as ala­ga­das, sim.

Ra­mí­rez é uma das 148 mil ví­ti­mas do con­fli­to co­lom­bi­a­no que se des­lo­ca­ram pa­ra a ci­da­de de 384 mil ha­bi­tan­tes, a 120 quilô­me­tros de Bo­go­tá. Há 30 anos, ele vi­ve na pe­que­na ca­sa no bair­ro El Pa­raí­so, um dos mui­tos que nas­ce­ram com a “in­va­são dos des­lo­ca­dos”.

Ter a ca­sa on­de mo­ra pa­re­cia im­pos­sí­vel qu­an­do dei­xou San Jo­sé, on­de ha­via se ca­sa­do e co­me­ça­do a tra­ba­lhar com cos­tu­ra, pa­ra fu­gir das For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia (Farc). “Eles que­ri­am re­cru­tar meus ir­mãos e nos dis­se­ram que po­día­mos acei­tar ou de­sa­pa­re­cer em 24 ho­ras. Fi­ca­mos cor­ren­do por uma noi­te e um dia in­tei­ros até sair da flo­res­ta e che­gar em uma es­tra­da”, lem­bra o co­lom­bi­a­no, ho­je com 58 anos.

Ao che­gar em Vil­la­vi­cen­cio, ele, a mu­lher e os ir­mãos co­me­ça­ram a tra­ba­lhar com a úni­ca má­qui­na de cos­tu­ra que car­re­ga­ram e co­me­ça­ram a cons­truir o lo­cal on­de ele vi­ve atu­al­men­te. Há dois me­ses, a si­tu­a­ção mu­dou e ele foi in­de­ni­za­do pe­lo go­ver­no, fez cur­sos e re­ce­beu qua­tro má­qui­nas de cos­tu­ra no­vas.

“Ago­ra, eu le­van­to às 5h30, ve­jo as cri­an­ças in­do pa­ra a es­co­la, mi­nha mu­lher acor­da, faz o ca­fé e de­pois eu co­me­ço a tra­ba­lhar. Ter­mi­no às 22 ho­ras pa­ra ver um pou­co de TV”, con­ta Ra­mí­rez, apon­tan­do pa­ra o apa­re­lho que con­se­guiu com­prar com a ven­da de ou­tros itens da ca­sa. Sem­pre rin­do, o cos­tu­rei­ro dei­xa um re­ca­do pa­ra ou­tras ví­ti­mas. “Pa­ra te­rem paz na al­ma e se­rem fe­li­zes, per­do­em os ou­tros e o que acon­te­ceu com vo­cês.”

A 30 mi­nu­tos e cen­te­nas de bu­ra­cos da­li, es­tá a ca­sa tér­rea de Glo­ria Pa­tri­cia Aran­go Ji­mé­nez, mais uma des­lo­ca­da pe­la guer­ri­lha que re­cons­truiu sua vi­da em Vil­la­vi­cen­cio. No lo­cal, sa­la e quar­to são a mes­ma coi­sa, a di­vi­são es­tá ape­nas no ba­nhei­ro e na co­zi­nha. Gló­ria vi­ve na ci­da­de des­de 2002 com du­as fi­lhas – a ter­cei­ra já mo­ra so­zi­nha. “So­mos des­lo­ca­dos de um con­fli­to que não era nos­so e pa­ra uma ci­da­de on­de a vi­da é pi­or (do que no cam­po), não há em­pre­go”, la­men­ta.

Ela vi­via em um po­vo­a­do ru­ral, mas a che­ga­da da guer­ri­lha mu­dou a vi­da tran­qui­la. “Com o Exér­ci­to, até tí­nha­mos uma cer­ta tran­qui­li­da­de, mas de­pois os mi­li­ta­res saíam e a guer­ri­lha ma­ta­va to­do mun­do. Che­gou a um pon­to em que não ha­via mais comida nos mer­ca­dos”, dis­se. Foi jus­ta­men­te es­se agra­va­men­to da si­tu­a­ção que per­mi­tiu a ela dei­xar o lo­cal.

Se­gun­do Gló­ria, qu­an­do o de­sa­bas­te­ci­men­to era gran­de, os guer­ri­lhei­ros per­mi­ti­am a cir­cu­la­ção de car­ros em al­guns ho­rá­ri­os pa­ra que as pes­so­as saís­sem pa­ra com­prar comida e re­tor­nas­sem. “Eu con­se­gui sair num dia com mi­nhas fi­lhas e, 15 di­as de­pois, vol­tei e pe­guei mi­nha mãe, jun­ta­men­te com o que con­se­gui­mos car­re­gar da ca­sa”, lem­bra.

Ho­je, Gló­ria quer vol­tar a es­tu­dar – não po­de mais re­a­li­zar es­for­ços fí­si­cos em ra­zão de uma le­são na co­lu­na – e ten­ta en­con­trar o ir­mão, que foi re­cru­ta­do pe­las Farc com 15 anos e de­sa­pa­re­ceu.

“Não sei se ele vi­rou guer­ri­lhei­ro, se ele fu­giu, se mor­reu. É uma an­gús­tia não ter in­for­ma­ções. Meu so­nho é ter uma ca­sa, es­ta­bi­li­da­de pa­ra po­der cri­ar mi­nhas fi­lhas”, con­ta cho­ran­do em uma ca­dei­ra na sa­la es­cu­ra, ilu­mi­na­da ape­nas por uma lâm­pa­da de te­to fra­ca.

Ao seu la­do, uma in­te­gran­te da Uni­da­de de Ví­ti­mas, bra­ço do go­ver­no en­car­re­ga­do de pres­tar au­xí­lio aos atin­gi­dos pe­lo con­fli­to, diz que ten­ta­rá aju­dar com a ques­tão do ir­mão de­sa­pa­re­ci­do. Glo­ria não mos­tra mui­ta es­pe­ran­ça. Até ago­ra, em Vil­la­vi­cen­cio, 14.489 ví­ti­mas fo­ram in­de­ni­za­das.

FER­NAN­DA SI­MAS /ESTADÃO

Chan­ce. Ra­mí­rez cos­tu­ra pa­ra sus­ten­tar fa­mí­lia

INFOGRÁFICO/ESTADÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.