San­ções à Ve­ne­zu­e­la

O Estado de S. Paulo - - Internacional - EMAIL: CAR­TA@LOURIVALSANTANNA.COM LOURIVAL SANT’AN­NA ES­CRE­VE AOS DO­MIN­GOS

Re­pre­sen­tan­tes do go­ver­no e da opo­si­ção da Ve­ne­zu­e­la se reu­ni­ram quar­ta e quin­ta-fei­ra em San­to Do­min­go, pa­ra ex­plo­rar a pos­si­bi­li­da­de de ne­go­ci­a­ção. Um no­vo en­con­tro foi mar­ca­do pa­ra o dia 27, tam­bém na ca­pi­tal do­mi­ni­ca­na. De­ve­rão par­ti­ci­par tam­bém Mé­xi­co, Chi­le, Bo­lí­via e Ni­ca­rá­gua – dois paí­ses crí­ti­cos ao re­gi­me cha­vis­ta e dois ali­a­dos, res­pec­ti­va­men­te.

Nos úl­ti­mos dois anos, hou­ve mui­tas reu­niões com es­se pro­pó­si­to, sem re­sul­ta­do. Des­ta vez po­de ser di­fe­ren­te, co­mo su­ge­re o pró­prio for­ma­to da ne­go­ci­a­ção, fo­ra da Ve­ne­zu­e­la, com ro­bus­ta in­ter­me­di­a­ção in­ter­na­ci­o­nal e a par­ti­ci­pa­ção de di­ri­gen­tes im­por­tan­tes de am­bos os la­dos.

As san­ções fi­nan­cei­ras im­pos­tas pe­lo go­ver­no ame­ri­ca­no dia 25 co­me­çam a sur­tir efei­to. Ne­nhum ban­co re­le­van­te quer tran­sa­ci­o­nar com a Ve­ne­zu­e­la e com is­so cor­rer o ris­co de não po­der mais ter ne­gó­ci­os com os EUA.

Co­mo o pró­prio pre­si­den­te Ni­co­lás Ma­du­ro se quei­xou, a Ve­ne­zu­e­la tem di­nhei­ro de­po­si­ta­do em ban­cos, mas não con­se­gue sa­cá-lo pa­ra im­por­tar ali­men­tos e re­mé­di­os. Is­so, num qua­dro já de bru­tal es­cas­sez de pro­du­tos bá­si­cos. Ao co­brir a elei­ção pa­ra a As­sem­bleia Cons­ti­tuin­te em 31 de ju­lho, ana­lis­tas me dis­se­ram que o que fa­ria di­fe­ren­ça se­ri­am não san­ções co­mer­ci­ais so­bre a ven­da de pe­tró­leo, mas san­ções fi­nan­cei­ras co­mo as que fo­ram apli­ca­das.

Em­bo­ra os EUA se­jam o mai­or com­pra­dor de pe­tró­leo da Ve­ne­zu­e­la, ela te­ria con­di­ções de re­o­ri­en­tar su­as ven­das pa­ra ou­tros com­pra­do­res. Per­de­ria re­cei­ta, mas não fi­ca­ria tão as­fi­xi­a­da. Já com san­ções fi­nan­cei­ras, não há o que fa­zer. Não adi­an­ta ven­der, por­que não re­ce­be o pa­ga­men­to; não adi­an­ta ter di­nhei­ro, por­que não con­se­gue com­prar.

O Irã vi­veu es­se dra­ma en­tre 2008 e 2015, qu­an­do san­ções fi­nan­cei­ras e tam­bém me­di­das pa­ra mo­ni­to­rar os car­guei­ros ira­ni­a­nos cau­sa­ram o es­tran­gu­la­men­to de sua eco­no­mia. Hou­ve in­fla­ção e per­da de po­der aqui­si­ti­vo da po­pu­la­ção. A te­o­cra­cia ira­ni­a­na se sen­tiu aba­la­da a pon­to de per­mi­tir a elei­ção do con­ser­va­dor mo­de­ra­do Has­san Roha­ni, em 2013. A re­tó­ri­ca pro­vo­ca­ti­va de Mah­moud Ah­ma­di­ne­jad deu lu­gar à ati­tu­de se­re­na e prag­má­ti­ca de Roha­ni, edu­ca­do em Glas­gow, pos­si­bi­li­tan­do o acor­do nu­cle­ar de 2015.

As elei­ções no Irã são con­tro­la­das pe­lo lí­der es­pi­ri­tu­al Ali Kha­me­nei, des­de a se­le­ção dos can­di­da­tos até a con­ta­gem dos vo­tos, co­mo fi­cou cla­ro na frau­de de 2009 que ga­ran­tiu a re­e­lei­ção de Ah­ma­di­ne­jad. Roha­ni foi re­e­lei­to es­te ano por am­pla mar­gem, der­ro­tan­do o na­ci­o­na­lis­ta Ebrahim Rai­si, que po­de­ria co­lo­car em ris­co o acor­do. Sua mai­or ame­a­ça ho­je é Do­nald Trump, que o de­nun­ci­ou du­ran­te a cam­pa­nha co­mo um “pés­si­mo acor­do”, mas até ago­ra não mo­veu uma pa­lha pa­ra ras­gá-lo, ape­sar das pres­sões de Is­ra­el nes­se sen­ti­do.

Há di­fe­ren­ças en­tre as si­tu­a­ções do Irã e da Ve­ne­zu­e­la. O con­fli­to ve­ne­zu­e­la­no é in­ter­no. O pro­gra­ma nu­cle­ar ira­ni­a­no tem um ca­rá­ter não só de go­ver­no, mas de Es­ta­do. E che­gou a unir uma par­te da po­pu­la­ção em seu fa­vor, em­bo­ra hou­ves­se crí­ti­cas tan­to na opi­nião pú­bli­ca quan­to no in­te­ri­or do re­gi­me con­tra a re­tó­ri­ca abra­si­va de Ah­ma­di­ne­jad, que atraía as pre­o­cu­pa­ções in­ter­na­ci­o­nais e com is­so pu­nha em ris­co o pró­prio pro­gra­ma.

A per­da de qua­li­da­de de vi­da cau­sa­da pe­las san­ções mu­dou o hu­mor dos ira­ni­a­nos com re­la­ção ao so­nho nu­cle­ar, tor­na­do pe­sa­de­lo. Na Ve­ne­zu­e­la, a po­pu­la­ção já es­ta­va so­fren­do an­tes das san­ções, com de­sa­bas­te­ci­men­to e hi­pe­rin­fla­ção, além da tru­cu­lên­cia do re­gi­me. E os cha­vis­tas já ha­vi­am pos­to em prá­ti­ca uma es­tra­té­gia bem-su­ce­di­da de per­ma­nên­cia no po­der, ga­ran­tin­do o apoio dos ge­ne­rais, que lu­cram com a dis­tri­bui­ção dos pro­du­tos. Ago­ra a si­tu­a­ção vai se de­te­ri­o­rar na Ve­ne­zu­e­la, em­pur­ran­do pa­ra um li­mi­te a ca­pa­ci­da­de até mes­mo das for­ças de se­gu­ran­ça de con­ter a in­sa­tis­fa­ção da po­pu­la­ção e de se­to­res do pró­prio re­gi­me.

San­ções im­ple­men­ta­das pe­los EUA se­rão efi­ca­zes pa­ra es­tran­gu­lar eco­no­mia do país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.