Hos­pi­tais in­ves­tem em aten­di­men­to pa­ra es­tran­gei­ros

Mé­di­cos flu­en­tes em ou­tros idi­o­mas e si­na­li­za­ção bi­lín­gue são exem­plos. No Sí­rio-Li­ba­nês, nº de pa­ci­en­tes do ex­te­ri­or cres­ceu 68%

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - Fa­bi­a­na Cam­bri­co­li Luciana Gar­bin

A ca­da ano, mi­lha­res de tu­ris­tas es­tran­gei­ros de­sem­bar­cam no Bra­sil sem es­tar in­te­res­sa­dos em prai­as, ca­cho­ei­ras ou mu­seus. O que os atrai são hos­pi­tais e tra­ta­men­tos mé­di­cos aos quais não têm aces­so em seus paí­ses de ori­gem por ra­zões co­mo atra­so tec­no­ló­gi­co ou al­tos cus­tos.

O des­ti­no des­ses pa­ci­en­tes são hos­pi­tais pri­va­dos de ex­ce­lên­cia que, de olho na de­man­da cres­cen­te, in­ves­tem em ser­vi­ços ex­clu­si­vos pa­ra es­tran­gei­ros. Um de­les é o Sí­rio-Li­ba­nês, que viu o nú­me­ro des­ses cli­en­tes cres­cer 68% em três anos – fo­ram 6,7 mil es­tran­gei­ros aten­di­dos no ano pas­sa­do, an­te 4.007 em 2013. Os nú­me­ros in­clu­em tan­to os que pra­ti­cam tu­ris­mo mé­di­co, ou se­ja, vi­a­jam ex­clu­si­va­men­te pa­ra fa­zer um tra­ta­men­to, quan­to es­tran­gei­ros que vi­vem no Bra­sil. O pri­mei­ro gru­po re­pre­sen­ta 60% do to­tal de aten­di­men­tos.

“Es­se cres­ci­men­to se dá gra­ças à re­pu­ta­ção do hos­pi­tal in­ter­na­ci­o­nal­men­te, cri­a­da por vá­ri­os atri­bu­tos, co­mo a acre­di­ta­ção na Joint Co­mis­si­on In­ter­na­ti­o­nal”, diz Pau­lo Ishi­bashi, di­re­tor de re­la­ções com o mer­ca­do do Sí­rio-Li­ba­nês. Ele con­ta que a mai­o­ria dos pa­ci­en­tes es­tran­gei­ros vem de paí­ses da Amé­ri­ca do Sul: Uru­guai, Pa­ra­guai, Ve­ne­zu­e­la e Bo­lí­via. En­tre as es­pe­ci­a­li­da­des mais pro­cu­ra­das es­tão on­co­lo­gia, car­di­o­lo­gia, or­to­pe­dia e neu­ro­ci­rur­gia.

No hos­pi­tal, on­de to­da a si­na­li­za­ção é bi­lín­gue, há um cen­tro de aten­di­men­to in­ter­na­ci­o­nal com fun­ci­o­ná­ri­os que fa­lam in­glês, es­pa­nhol, ára­be e ale­mão. “Qu­an­do é ne­ces­sá­rio aten­der um pa­ci­en­te que fa­le ou­tro idi­o­ma, aci­o­na­mos as re­pre­sen­ta­ções di­plo­má­ti­cas, em bus­ca de um tra­du­tor”, diz Ishi­bashi.

Di­ag­nos­ti­ca­da nes­te ano com cân­cer na re­gião do pes­co­ço, a uru­guaia Martha Ri­bei­ro, de 58 anos, vi­a­jou pa­ra o Bra­sil pa­ra se tra­tar no Sí­rio-Li­ba­nês. “Aqui há equi­pa­men­tos mais mo­der­nos. Já co­nhe­cia por­que trou­xe meu pai, com cân­cer, há qua­tro anos. No ca­so de­le, a mai­or par­te do tra­ta­men­to foi no Uru­guai e o tu­mor evo­luiu. Des­ta vez, não quis es­pe­rar”, con­ta o fi­lho de­la, o en­ge­nhei­ro Anthony Fi­gue­roa, de 32 anos.

No Hos­pi­tal Sa­ma­ri­ta­no do Rio, são cer­ca de 800 es­tran­gei­ros aten­di­dos por ano. A uni­da­de con­ta com um de­par­ta­men­to pa­ra o re­la­ci­o­na­men­to com es­se pú­bli­co, com equi­pes mé­di­cas flu­en­te em seis lín­guas (in­glês, es­pa­nhol, ita­li­a­no, fran­cês, ale­mão e he­brai­co), gru­po mul­ti­dis­ci­pli­nar ex­clu­si­vo e pro­fis­si­o­nais ad­mi­nis­tra­ti­vos bi­lín­gues. Par­te dos lei­tos de uni­da­de de te­ra­pia in­ten­si­va (UTI) e se­mi-in­ten­si­va con­ta com equi­pa­men­tos de tra­du­ção nas ca­mas e em ta­blets dis­po­ní­veis pa­ra o uso dos pa­ci­en­tes.

No Hos­pi­tal do Co­ra­ção (HCor), 350 es­tran­gei­ros pro­cu­ram aten­di­men­to to­dos os anos. “A mai­o­ria é da Amé­ri­ca do Sul ou de An­go­la, por cau­sa do idi­o­ma. So­mos re­fe­rên­cia na área de car­di­o­lo­gia, mas mui­tos nos pro­cu­ram pa­ra ci­rur­gia de tu­mor de ca­be­ça tam­bém”, ex­pli­ca Marina Cer­van­tes, ge­ren­te de Re­la­ci­o­na­men­to com Pa­ci­en­tes e Mé­di­cos do HCor.

Ma­pe­a­men­to. O Hos­pi­tal Ale­mão Oswal­do Cruz tem ma­pe­a­do os en­fer­mei­ros que fa­lam ou­tras lín­guas, além de con­tar com ser­vi­ço de aten­di­men­to com fun­ci­o­ná­ri­os que do­mi­nam ao me­nos o in­glês e o ale­mão. “Não há uma es­pe­ci­a­li­da­de prin­ci­pal, mas al­gu­mas se des­ta­cam na pro­cu­ra, co­mo urologia, ci­rur­gia di­ges­ti­va e or­to­pe­dia”, diz Fabio Ka­taya­ma, su­pe­rin­ten­den­te ope­ra­ci­o­nal do Hos­pi­tal Ale­mão Oswal­do Cruz.

JF DIORIO /ESTADÃO-1/2/2017

Re­fe­rên­cia. Sí­rio aten­deu 6,7 mil es­tran­gei­ros em 2016

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.