Trump de­ve exi­gir mais con­di­ções do Irã em pac­to

Meio ter­mo. Pre­si­den­te ame­ri­ca­no pro­me­teu rom­per acor­do as­sim que as­su­mis­se po­der, mas ten­de a ado­tar po­si­ção in­ter­me­diá­ria se­gun­do o ‘Washing­ton Post’, re­cu­san­do-se a cer­ti­fi­car que Te­e­rã se­gue os com­pro­mis­sos e dei­xan­do uma de­fi­ni­ção com o Con­gres­so

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Cláu­dia Tre­vi­san CORRESPONDENTE / WASHING­TON

O pre­si­den­te Do­nald Trump de­ve anun­ci­ar ho­je que não cer­ti­fi­ca­rá o cum­pri­men­to pe­lo Irã das obri­ga­ções pre­vis­tas no pac­to so­bre o seu pro­gra­ma nu­cle­ar. A me­di­da não re­ti­ra os Es­ta­dos Uni­dos do acor­do. A de­fi­ni­ção fi­ca para o Con­gres­so, que te­rá 60 di­as para de­ci­dir se res­ta­be­le­ce san­ções le­van­ta­das de­pois da con­clu­são das ne­go­ci­a­ções, em 2015. Em­bo­ra vi­es­se pro­me­ten­do, des­de a cam­pa­nha pre­si­den­ci­al, rom­per o pac­to nu­cle­ar, Trump ten­de ago­ra a fa­zer de­man­das adi­ci­o­nais ao Irã.

O pre­si­den­te Do­nald Trump de­ve de­cla­rar ho­je que não cer­ti­fi­ca­rá o cum­pri­men­to pe­lo Irã das obri­ga­ções pre­vis­tas no acor­do so­bre o seu pro­gra­ma nu­cle­ar. Em­bo­ra o lí­der ame­ri­ca­no vi­es­se pro­me­ten­do rom­per es­se pac­to, o anún­cio de Trump não re­ti­ra os EUA do acor­do, que fi­ca em ter­ri­tó­rio in­cer­to. O Con­gres­so te­rá 60 di­as para de­ci­dir se res­ta­be­le­ce san­ções le­van­ta­das de­pois da con­clu­são das ne­go­ci­a­ções, em 2015.

O anún­cio se­rá fei­to pe­lo pró­prio Trump, em dis­cur­so no qual apre­sen­ta­rá sua es­tra­té­gia para ten­tar coi­bir uma sé­rie de ati­vi­da­des do Irã fo­ra de seu pro­gra­ma nu­cle­ar. As me­di­das in­clui­rão san­ções con­tra a Guar­da Re­vo­lu­ci­o­ná­ria, acu­sa­da de apoi­ar ati­vi­da­des ter­ro­ris­tas. “O com­por­ta­men­to im­pru­den­te do re­gi­me ira­ni­a­no, e da Guar­da Re­vo­lu­ci­o­ná­ria em par­ti­cu­lar, re­pre­sen­ta uma das mais pe­ri­go­sas ame­a­ças aos in­te­res­ses dos EUA e à es­ta­bi­li­da­de re­gi­o­nal”, dis­se a Ca­sa Bran­ca em no­ta so­bre o as­sun­to.

Trump afir­ma que o acor­do nu­cle­ar com o Irã é o pi­or já apro­va­do pe­los EUA. Du­ran­te a cam­pa­nha, ele pro­me­teu que iria re­vo­gá-lo as­sim que che­gas­se à Ca­sa Bran­ca. Em vez dis­so, o pre­si­den­te op­tou por um ca­mi­nho in­ter­me­diá­rio, pe­lo qual fa­rá de­man­das adi­ci­o­nais ao Irã, se­gun­do re­por­ta­gem pu­bli­ca­da na edi­ção de on­tem do Washing­ton Post.

Os EUA tam­bém exi­gi­rão um re­gi­me de fis­ca­li­za­ção mais agres­si­vo das obri­ga­ções do Irã pre­vis­tas no pac­to nu­cle­ar, en­tre as quais a ins­pe­ção de ins­ta­la­ções mi­li­ta­res não vi­si­ta­das até ho­je por re­pre­sen­tan­tes da Agên­cia In­ter­na­ci­o­nal de Ener­gia Atô­mi­ca. “Nós va­mos ne­gar ao re­gi­me ira­ni­a­no to­dos os ca­mi­nhos para uma ar­ma nu­cle­ar”, res­sal­tou a Ca­sa Bran­ca.

As du­as áre­as de pre­o­cu­pa­ção da ad­mi­nis­tra­ção são o de­sen­vol­vi­men­to de mís­seis ba­lís­ti­cos pe­lo Irã e o fa­to de o pac­to pre­ver pra­zo de 10 a 15 anos para o fim das res­tri­ções às ati­vi­da­des nu­cle­a­res do país. O go­ver­no Trump re­co­nhe­ce que a re­pú­bli­ca is­lâ­mi­ca cum­pre as exi­gên­ci­as téc­ni­cas do acor­do, mas sus­ten­ta que sua atu­a­ção no Ori­en­te Mé­dio é de­ses­ta­bi­li­za­do­ra. Du­ran­te a As­sem­bleia-Ge­ral da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU), os eu­ro­peus afir­ma­ram que Te­e­rã res­pei­tou até ago­ra su­as obri­ga­ções e as pre­o­cu­pa­ções dos EUA com o país de­ve­ri­am ser tra­ta­das fo­ra do pac­to nu­cle­ar.

A in­ten­ção do pre­si­den­te de aban­do­nar o acor­do en­fren­tou re­sis­tên­cia dos prin­ci­pais lí­de­res mi­li­ta­res do go­ver­no. Em de­poi­men­to ao Se­na­do no dia 3, o se­cre­tá­rio de De­fe­sa, Ja­mes Mat­tis, dis­se que o pac­to aten- de aos in­te­res­ses de se­gu­ran­ça na­ci­o­nal dos Es­ta­dos Uni­dos. Ne­go­ci­a­do com Irã, EUA, China, Rús­sia, Ale­ma­nha, Fran­ça, In­gla­ter­ra e União Eu­ro­peia, o acor­do le­van­ta san­ções em tro­ca do con­ge­la­men­to ou re­ver­são de ele­men­tos-cha­ve do pro­gra­ma nu­cle­ar ira­ni­a­no.

O processo de cer­ti­fi­ca­ção pe­lo pre­si­den­te não faz par­te do acor­do in­ter­na­ci­o­nal. Ele é uma exi­gên­cia im­pos­ta pe­lo Con­gres­so para su­per­vi­si­o­nar o cum­pri­men­to do pac­to. Is­so sig­ni­fi­ca que a de­ci­são de Trump não le­va à saí­da dos EUA. Ain­da as­sim, ela po­de ter con­sequên­ci­as para a cre­di­bi­li­da­de de Washing­ton. “A re­ti­ra­da da cer­ti­fi­ca­ção vai mi­nar a in­te­gri­da­de e a au­to­ri­da­de dos com­pro­me­ti­men­tos dos EUA ao re­dor do mun­do”, es­cre­veu Su­zan­ne Ma­lo­ney, vi­ce-di­re­to­ra do Cen­tro de Po­lí­ti­cas para o Ori­en­te Mé­dio do Bro­o­kings Ins­ti­tu­ti­on. “Ela vai pai­rar de ma­nei­ra par­ti­cu­lar­men­te acen­tu­a­da so­bre os es­for­ços di­plo­má­ti­cos em tor­no da Co­reia do Nor­te.”

Phi­lip Gor­don, do Coun­cil on Fo­reign Re­la­ti­ons, dis­se que o acor­do es­tá fun­ci­o­nan­do para o que se pro­põe fa­zer, que é li­mi­tar o pro­gra­ma nu­cle­ar do Irã. Em sua opi­nião, não há ne­nhu­ma chan­ce de que a re­pú­bli­ca is­lâ­mi­ca con­cor­de em re­ne­go­ci­ar seus ter­mos. “Há chan­ce de ze­ro de su­ces­so. To­dos os nos­sos par­cei­ros acre­di­tam que o acor­do es­tá fun­ci­o­nan­do”, afir­mou em con­fe­rên­cia te­lefô­ni­ca so­bre o anún­cio de ho­je.

Crí­ti­co do acor­do, o es­pe­ci­a­lis­ta em Ori­en­te Mé­dio do Coun­cil on Fo­reign Re­la­ti­ons Ray Ta­keyh dis­se que há o ris­co de Trump fa­zer uma re­ti­ra­da da cer­ti­fi­ca­ção “Sein­feld”, na qual na­da acon­te­ce de­pois da de­ci­são do pre­si­den­te. Ne­nhum re­pu­bli­ca­no vo­tou a fa­vor do acor­do em 2015, mas al­guns de­les cos­tu­mam se ali­nhar com as po­si­ções dos mi­li­ta­res ame­ri­ca­nos, es­pe­ci­al­men­te no Se­na­do, on­de o par­ti­do tem mai­o­ria de ape­nas dois vo­tos.

ANDREW CABALLERO/AFP

No lim­bo. Pos­si­bi­li­da­de de deixar acor­do com Te­e­rã tor­na pre­si­den­te ame­ri­ca­no al­vo de ma­ni­fes­ta­ções mais uma vez

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.