So­ci­al-de­mo­cra­cia ver­sus li­be­ra­lis­mo

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto - CI­EN­TIS­TA PO­LÍ­TI­CO, SÓCIODIRETOR DA CON­SUL­TO­RIA AUGURIUM, MEM­BRO DAS ACADEMIAS PAU­LIS­TA DE LETRAS E BRA­SI­LEI­RA DE CIÊNCIAS, É AU­TOR DO LI­VRO ‘LIBERAIS E ANTILIBERAIS’ (COM­PA­NHIA DAS LETRAS, 2016)

Só mes­mo a me­di­o­cri­da­de atu­al do de­ba­te po­lí­ti­co bra­si­lei­ro per­mi­te com­pre­en­der que uma questão tão mal pos­ta co­mo a opo­si­ção so­ci­al­de­mo­cra­cia x li­be­ra­lis­mo cir­cu­le por aí com tan­ta de­sen­vol­tu­ra, sem ser in­co­mo­da­da.

Dá-se ge­ral­men­te por as­sen­ta­do que so­ci­al-de­mo­cra­cia é sinô­ni­mo de es­quer­da, co­mo se es­te se­gun­do con­cei­to es­ban­jas­se cla­re­za, na­da mais se re­que­ren­do, por­tan­to, para es­cla­re­cer o pri­mei­ro. Es­sa dis­cu­tí­vel pre­mis­sa es­tá na raiz de ou­tras tan­tas es­qui­si­ti­ces, co­mo ten­ta­rei de­mons­trar adi­an­te.

Sim, é cer­to – e aqui vou di­re­to ao exem­plo re­le­van­te – que o Par­ti­do So­ci­al-De­mo­cra­ta Ale­mão tem ori­gens mar­xis­tas. Mais que uma ori­en­ta­ção ge­ral, a fi­li­a­ção ao mar­xis­mo che­gou mes­mo a ser uma cláu­su­la es­ta­tu­tá­ria, re­mo­vi­da, co­mo é de co­nhe­ci­men­to ge­ral, no con­gres­so de Bad Go­des­berg de 1959. Des­sa cir­cuns­tân­cia de ori­gem e de ou­tras tu­pi­ni­quins que lhes fo­mos agre­gan­do de­cor­re­ram no­vas con­fu­sões, al­gu­mas bem pre­sen­tes na ma­ça­ro­ca ide­o­ló­gi­ca que ora im­pe­ra em nos­so país. Creio ser útil ci­tar du­as des­sas con­fu­sões.

Pri­mei­ro, den­tro do PSDB, a si­no­ní­mia so­ci­al-de­mo­cra­cia = es­quer­da é o nú­cleo de uma acen­dra­da dis­pu­ta en­tre du­as alas, uma va­ri­a­vel­men­te de­sig­na­da co­mo de­sen­vol­vi­men­tis­ta, in­ter­ven­ci­o­nis­ta, es­ta­tis­ta, etc., e a ou­tra ex­pli­ci­ta­men­te mais pro­pen­sa ao pen­sa­men­to li­be­ral. Se­gun­do, pos­tu­la-se (há qu­em pos­tu­le!) que PSDB e PT dis­pu­tam o es­pa­ço so­ci­al­de­mo­crá­ti­co, va­ri­a­vel­men­te iden­ti­fi­ca­do co­mo es­quer­da, cen­tro-es­quer­da e até co­mo cen­tro tout court!

Ora, para pôr um pou­co de or­dem nes­se ema­ra­nha­do pen­so que pre­ci­sa­mos ape­nas de uma dis­tin­ção ló­gi­ca ele­men­tar e de umas pou­cas ob­ser­va­ções his­tó­ri­cas.

A dis­tin­ção ló­gi­ca é aque­la que tra­di­ci­o­nal­men­te es­ta­be­le­ce­mos en­tre fins e mei­os. Um mes­mo fim – ou ide­al, ou pro­gra­ma po­lí­ti­co – po­de ser bus­ca­do com ba­se em di­ver­sos mei­os, ou ins­tru­men­tos. Por ca­mi­nhos al­ter­na­ti­vos, se pre­fe­rem, con­for­me se­jam as cir­cuns­tân­ci­as , os re­cur­sos dis- po­ní­veis, os per­fis dos con­ten­do­res. Tam­bém aqui me pa­re­ce útil ir di­re­to ao exem­plo mais re­le­van­te: a trans­for­ma­ção do mar­xis­mo em mar­xis­mo-le­ni­nis­mo.

Co­mo nin­guém ig­no­ra, o fim co­li­ma­do pe­los mar­xis­tas até a an­te­vés­pe­ra da Re­vo­lu­ção Rus­sa era a re­vo­lu­ção, a des­trui­ção do ca­pi­ta­lis­mo e a ins­tau­ra­ção da so­ci­e­da­de sem clas­ses. Es­se, na ter­mi­no­lo­gia que su­ge­ri, era o ide­al, o pro­gra­ma ide­o­ló­gi­co. E os fins? Es­tes, de Marx à fun­da­ção do Par­ti­do Co­mu­nis­ta rus­so, ha­ve­ri­am de ser a mo­bi­li­za­ção de mas­sas, sob a égi­de do pro­le­ta­ri­a­do, úni­co su­jei­to le­gí­ti­mo da His­tó­ria. Mas eis que um dia Le­nin, pon­de­ran­do as cir­cuns­tân­ci­as e os re­cur­sos que te­ria even­tu­al­men­te ao seu dis­por, man­dou pas­sar uma bor­ra­cha em tu­do is­so. Re­sol­veu que o fim – a so­ci­e­da­de sem clas­ses – es­ta­va cer­to e de­via ser con­si­de­ra­do imu­tá­vel, mas o meio es­ta­va er­ra­do e exi­gia ur­gen­te al­te­ra­ção. O su­jei­to da re­vo­lu­ção não po­de­ria ser uma mas­sa nu­me­ro­sa, amor­fa e in­dis­ci­pli­na­da, mas uma or­ga­ni­za­ção pe­que­na, fer­re­a­men­te dis­ci­pli­na­da e ades­tra­da na ar­te da lu­ta clan­des­ti­na. Um gru­po de re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os pro­fis­si­o­nais, “pou­cos, mas bons”. Da­que­le pon­to em di­an­te, o su­jei­to da His­tó­ria pas­sou a ser o par­ti­do, que de­le- ga­ria seus po­de­res ao ple­num, que, por sua vez, os de­le­ga­ria ao pre­si­dium e es­te ao se­cre­tá­rio-ge­ral.

Pos­so ima­gi­nar quan­tos lei­to­res, im­pa­ci­en­tes, es­tão a per­gun­tar o que a mi­nha pe­ro­ra­ção so­bre a Re­vo­lu­ção Rus­sa tem que ver com o tí­tu­lo des­te ar­ti­go.

Ora, sa­be­mos to­dos que a so­ci­al-de­mo­cra­cia pós-Bad Go­des­berg foi uma cons­tru­ção dos paí­ses mais adi­an­ta­dos da Eu­ro­pa, con­ven­ci­dos de que era mais prá­ti­co re­a­li­zar o fim a que al­me­ja­vam no marco das de­mo­cra­ci­as oci­den­tais, e mais ain­da no qua­dro da re­cu­pe­ra­ção econô­mi­ca en­se­ja­da pe­la aju­da ame­ri­ca­na, con­subs­tan­ci­a­da no Pla­no Marshall. Na­que­la pros­pe­ri­da­de que su­bi­ta- men­te lhes pa­re­ceu eter­na, os di­ri­gen­tes so­ci­al-de­mo­cra­tas dos paí­ses re­fe­ri­dos ela­bo­ra­ram o que o his­to­ri­a­dor de­sig­nou co­mo a “nar­ra­ti­va so­ci­al­de­mo­crá­ti­ca”: a eli­mi­na­ção da po­bre­za e uma pro­gres­si­va uni­ver­sa­li­za­ção do bem-es­tar por meio do gas­to pú­bli­co. Re­cor­do que es­sa vi­são fo­ra já ela­bo­ra­da por Tho­mas Marshall em seu clás­si­co De­mo­cra­cia, Ci­da­da­nia e Clas­se So­ci­al, obra de 1951. Nes­se tra­ba­lho, re­pen­san­do a evo­lu­ção histórica da Eu­ro­pa, Marshall ar­gu­men­tou que o es­sen­ci­al era con­ver­ter as­pi­ra­ções e de­se­jos que já se es­bo­ça­vam na prá­ti­ca em di­rei­tos, ou se­ja, em plei­tos res­pal­da­dos pe­lo di­rei­to po­si­ti­vo.

Al­guém con­tes­ta­rá que es­se, tam­bém no Bra­sil, é o fim de­se­ja­do? Não é exa­ta­men­te es­se o ide­al ou pro­gra­ma que os cons­ti­tuin­tes de 1988 con­si­de­ra­ram ade­qua­do para me­lhor in­te­grar e pa­ci­fi­car a so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra?

O pro­ble­ma, evi­den­te­men­te, são os mei­os, e aqui va­le a pe­na ser ta­xa­ti­vo: no Bra­sil, os ide­ais da so­ci­al-de­mo­cra­cia só podem ser re­a­li­za­dos com ba­se em ins­tru­men­tos que ten­dem ao li­be­ra­lis­mo. Por meio de um no­vo le­ni­nis­mo, ou ce­den­do a um in­ter­ven­ci­o­nis­mo rom­bu­do co­mo o pos­to em prá­ti­ca pe­la sra. Rous­seff, is­so cer­ta­men­te não se­rá pos­sí­vel. Os er­ros de Lu­la e Dil­ma fo­ram pal­ma­res: es­co­lhe­ram os “cam­peões” em­pre­sa­ri­ais, mas nem se­quer en­co­men­da­ram tor­no­ze­lei­ras em quan­ti­da­de su­fi­ci­en­te. Eis aqui o trá­gi­co, o gro­tes­co equí­vo­co dos soi-di­sant de­sen­vol­vi­men­tis­tas bra­si­lei­ros. Não com­pre­en­dem que es­tão tor­cen­do o na­riz jus­ta­men­te para os ins­tru­men­tos de que dis­po­mos para re­por o País nos tri­lhos: equi­lí­brio fis­cal, aber­tu­ra da eco­no­mia, pri­va­ti­za­ções, for­te in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro na in­fra­es­tru­tu­ra, ên­fa­se no mé­ri­to, uma re­for­ma enér­gi­ca na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca, apoio à pe­que­na e mé­dia em­pre­sa e, last but not le­ast, uma re­vo­lu­ção edu­ca­ci­o­nal.

Uma fal­sa opo­si­ção, que só a me­di­o­cri­da­de do atu­al de­ba­te po­lí­ti­co per­mi­te cir­cu­lar por aí

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.