O po­vo ga­nhou

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto -

Es­sa é a con­clu­são di­an­te do re­sul­ta­do da ses­são do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) que con­fir­mou a prer­ro­ga­ti­va do Con­gres­so Na­ci­o­nal de dar a úl­ti­ma pa­la­vra so­bre a pri­são ou não de seus mem­bros. Não con­fun­dir es­sa con­clu­são com a qua­li­da­de de nos­sas leis ou com a ne­ces­si­da­de de con­de­nar par­te sig­ni­fi­ca­ti­va dos par­la­men­ta­res à ca­deia. Mas nos­sa Cons­ti­tui­ção, cons­tan­te e cres­cen­te­men­te vi­o­la­da pe­la atu­al com­po­si­ção do STF, não pre­vê a pri­são dos mem­bros do Con­gres­so a não ser por con­de­na­ção em processo pe­lo pró­prio STF ou em con­di­ções mui­to es­pe­cí­fi­cas. Ga­nha o po­vo por­que não po­de­mos mais con­vi­ver com a ins­ta­bi­li­da­de ju­rí­di­ca – e no nos­so sis­te­ma ju­rí­di­co o STF não le­gis­la. Faz mui­to mais bem à Na­ção um STF que ob­ser­ve a cla­ra le­tra da nos­sa Car­ta Mag­na. Nes­te mo­men­to, prin­ci­pal- men­te, oim por­tan­teé­que­ju lgu e com ce­le­ri­da­de e ri­gor os nu­me­ro­sos ca­sos cri­mi­nais en­vol­ven­do par­la­men­ta­res e ou­tros ul­tra pri­vi­le­gi­a­dos pe­lo fo­ro es­pe­ci­al, não dei­xan­do pres­cre­ver os pro­ces­sos nem cri­an­do pi­ro­tec­ni­as ju­rí­di­cas para de­fen­der uma Justiça se­le­ti­va efo­ra­do que es­tá ex­pres­sa­men­te pre­vis­to em lei. Afi­nal, é pre­fe­rí­vel uma Car­ta Cons­ti­tu­ci­o­nal im­per­fei­ta, mas su­jei­ta a mo­di­fi­ca­ções de­mo­crá­ti­cas fei­tasà luz do dia, a de­ci­sões ca­suís­ti­cas.Éim por­tan­te tam­bém lem­brar que pau que ba­te em Chi­co ba­te em Fran­cis­co. OSCAR THOMPSON os­carthomp­son@hot­mail.com San­ta­na de Par­naí­ba

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.