De­ci­são ini­be ‘ala pu­ni­ti­va’ do STF, afir­ma mi­nis­tro

O Estado de S. Paulo - - Política - / B.P.

Para os mi­nis­tros Marco Au­ré­lio Mel­lo e Gil­mar Men­des, ain­da que o ple­ná­rio do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) te­nha de­ci­di­do an­te­on­tem que são apli­cá­veis me­di­das cau­te­la­res con­tra par­la­men­ta­res, a Cor­te de­ve­rá fi­car ini­bi­da de im­por no­vas me­di­das que in­ter­fi­ram no exer­cí­cio do man­da­to. As me­di­das cau­te­la­res, de for­ma ge­ral, têm a fi­na­li­da­de de in­ter­rom­per um cri­me em an­da­men­to e ga­ran­tir o su­ces­so das in­ves­ti­ga­ções.

“A pro­cla­ma­ção foi de que a Ca­sa par­la­men­tar po­de re­ver a me­di­da cau­te­lar que im­pli­que qual­quer em­ba­ra­ço ao exer­cí­cio do man­da­to par­ti­cu­lar. Re­sul­ta­do: a ala do pu­ni­ti­vis­mo pen­sa­rá du­as ve­zes an­tes de im­ple­men­tar me­di­da nes­se sen­ti­do, an­te o ris­co da der­ru­ba­da”, dis­se Marco Au­ré­lio.

Para o mi­nis­tro, a pre­cau­ção é sa­lu­tar e a de­ci­são de en­vi­ar ao cri­vo do Con­gres­so as cau­te­la­res de­ter­mi­na­das “foi um avan­ço cul­tu­ral, for­ta­le­cen­do as ins­ti­tui­ções”. Para ele, “é pre­ci­so se­gu­rar os pu­ni­ti­vis­tas”.

Gil­mar tam­bém con­cor­da co­ma vi­são de que po­de­rá ha­ver um de­sen­co­ra­ja­men­to de no­vas cau­te­la­res que afe­tem o exer­cí­cio do man­da­to de par­la­men­ta­res. De acor­do co­mo mi­nis­tro, elas só podem ser apli­ca­das a par­la­men­ta­res em si­tu­a­ção“ex­cep­ci­o­na­lís­si­ma ”.“Is­so ( apli­ca­ção de cau­te­la­res) não é ne­ces­sá­rio. Ha­ve­rá um ca­so ou ou­tro em que is­so se­rá im­pres­cin­dí­vel. Mui­to mais im­por­tan­te era jul­gar­mos mais ra­pi­da­men­te os pro­ces­sos, ter­mos um pro­ce­di­men­to mais cé­le­re.”

Se­gun­do Gil­mar, a questão do afas­ta­men­to do de­pu­ta­do cas­sa­do Edu­ar­do Cu­nha (PMDB-RJ) “foi mui­to pe­cu­li­ar ”.“Op ro­ble maéo ex­cep­ci­o­nal se tor­nar re­gu­lar .”

A de­ci­são do Su­pre­mo per­mi­ti­rá ao Se­na­do re­ver o afas­ta­men­to de Aé­cio Ne­ves (PSDB-MG), de­ter­mi­na­do du­as ve­zes pe­la Cor­te – pri­mei­ro, por li­mi­nar, do mi­nis­tro Edson Fa­chin, em maio, e de­pois por de­ci­são da Pri­mei­ra Tur­ma do STF, no dia 26 de se­tem­bro. O se­na­dor, fla­gra­do em áu­dio gra­va­do pe­lo em­pre­sá­rio Jo­es­ley Ba­tis­ta, foi de­nun­ci­a­do em ju­nho pe­la Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca por corrupção pas­si­va e em­ba­ra­ço a in­ves­ti­ga­ções, acu­sa­do de acei­tar pro­pi­na de R$ 2 milhões, re­pas­sa­da pe­la J&F a um pri­mo do tu­ca­no e a um au­xi­li­ar par­la­men­tar, e de ter ten­ta­do obs­truir in­ves­ti­ga­ções. Ele ne­ga.

DIDA SAMPAIO/ES­TA­DÃO–10/10/2017

‘Cul­tu­ra’. Marco Au­ré­lio diz que de­ci­são foi um avan­ço

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.