Te­e­rã não de­ve ter ar­mas atô­mi­cas, cum­pra-se o acor­do

Se os ame­ri­ca­nos se es­qui­va­rem de su­as obri­ga­ções, Irã tam­bém po­de deixar o pac­to, sem avi­so pré­vio

O Estado de S. Paulo - - Internacional - •✱ ERNST J. MONIZ / TRADUÇÃO DE RO­BER­TO MUNIZ

Quan­do o acor­do nu­cle­ar com o Irã foi con­cluí­do, há mais de dois anos, mui­tos se per­gun­ta­ram se Te­e­rã res­pei­ta­ria seus ter­mos. Ho­je, por in­crí­vel que pa­re­ça, a dú­vi­da é se os EUA o res­pei­ta­rão. Se o pre­si­den­te Do­nald Trump re­ti­rar o país do pac­to, os ame­ri­ca­nos de­sen­ca­de­a­rão uma cri­se que au­men­ta­rá sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te os ris­cos nu­cle­a­res.

Um Irã com ar­mas nu­cle­a­res se­ria uma ame­a­ça re­gi­o­nal que o mun­do não po­de per­mi­tir que acon­te­ça. O acor­do nu­cle­ar de 2015 é fun­da­men­tal para im­pe­dir es­se ce­ná­rio e não ape­nas um ins­tru­men­to fa­ci­li­ta­dor, co­mo Trump e ou­tros su­ge­ri­ram. Se os EUA se es­qui­va­rem de su­as obri­ga­ções, o Irã tam­bém po­de sair, sem avi­so pré­vio.

Para se en­ten­der o que es­tá em ris­co, é im­por­tan­te deixar cla­ro o que es­se acor­do es­ta­be­le­ce e o que os EUA po­de­rão per­der se for­ça­rem o co­lap­so do que foi com­bi­na­do.

Pri­mei­ro, per­de­ria mei­os im­por­tan­tes de res­trin­gir as ati­vi­da­des nu­cle­a­res ira­ni­a­nas. Co­mo fí­si­co en­vol­vi­do no pro­gra­ma nu­cle­ar ame­ri­ca­no há dé­ca­das, sei quan­to é pre­ci­so para se cons­truir uma bom­ba nu­cle­ar. Co­mo prin­ci­pal ne­go­ci­a­dor das obri­ga­ções fi­nais ira­ni­a­nas no acor­do, sei que o do­cu­men­to de 159 pá­gi­nas, com de­ta­lhes sem pre­ce­den­tes, é uma sig­ni­fi­ca­ti­va bar­rei­ra para im­pe­dir o Irã de fa­zer uma bom­ba. Sem o acor­do, res­tri­ções que por mais de uma dé­ca­da im­pe­di­ram qual­quer avan­ço po­ten­ci­al do Irã ru­mo a uma bom­ba de­sa­pa­re­ce­ri­am. Os me­ca­nis­mos de con­tro­le que já le­va­ram à re­du­ção do es­to­que ira­ni­a­no de urâ­nio, re­du­zi­ram o nú­me­ro de cen­trí­fu­gas e li­mi­ta­ram sua tec­no­lo­gia se­ri­am per­di­dos. Os EUA tam­bém fi­ca­ri­am sem proi­bi­ções que im­pe­dem o Irã de pro­du­zir quan­ti­da­des sig­ni­fi­ca­ti­vas de plutô­nio, obri­gam o país a man­dar para o ex­te­ri­or todo o re­sí­duo do com­bus­tí­vel nu­cle­ar gas­to e proí­bem qual­quer pes­qui­sa ou de­sen­vol­vi­men­to que pos­sa con­tri­buir para um pro­gra­ma de ar­mas nu­cle­a­res.

Se­gun­do, os EUA per­de­ri­am to­da vi­si­bi­li­da­de crí­ti­ca das ati­vi­da­des nu­clea- res ira­ni­a­nas. O acor­do im­põe ins­pe­ções sem pre­ce­den­tes pe­la Agên­cia In­ter­na­ci­o­nal de Ener­gia Atô­mi­ca (AIEA) para co­lher in­for­ma­ções inin­ter­rup­tas das ati­vi­da­des nu­cle­a­res do Irã e de­tec­tar ten­ta­ti­vas en­co­ber­tas de pro­du­ção de ar­mas. O mo­ni­to­ra­men­to co­bre to­dos os es­tá­gi­os das ati­vi­da­des nu­cle­a­res ira­ni­a­nas com o mais ro­bus­to pro­to­co­lo de ins­pe­ção e ve­ri­fi­ca­ção já ne­go­ci­a­do com qual­quer país. Sem o acor­do, a AIEA não mais te­ria aces­so as­se­gu­ra­do a lo­ca­ções ira­ni­a­nas sus­pei­tas. Os EUA tam­bém per­de­ri­am a ga­ran­tia de po­der re­ver, e re­jei­tar po­ten­ci­al­men­te, qual­quer com­pra pe­lo Irã de ma­te­ri­al re­la­ti­vo a de­sen­vol­vi­men­to nu­cle­ar.

Quan­do o acor­do foi fi­na­li­za­do, al­guns per­gun­ta­ram por que con­cor­da­mos que ele se­ria “tem­po­rá­rio”, as­si­na­lan­do que to­das as res­tri­ções eram de fa­to per­ma­nen­tes. A res­pos­ta é: não con­cor­da­mos. En­quan­to al­gu­mas res­tri­ções so­bre en­ri­que­ci­men­to e ati­vi­da­des nu­cle­a­res dei­xa­rão de vi­go­rar en­tre 2026 e 2031, os as­pec­tos mais im­por­tan­tes do acor­do têm ca­rá­ter per­pé­tuo – a proi­bi­ção per­ma­nen­te de que o Irã te­nha um pro­gra­ma de ar­mas nu­cle­a­res e a con­ti­nui­da­de de ins­pe­ções abran­gen­tes. Sob o acor­do, man­te­mos ho­je e para o fu­tu­ro to­das as op­ções para res­pon­der a qual­quer ten­ta­ti­va do Irã de de­sen­vol­ver ar­mas nu­cle­a­res e as me­lho­res in­for­ma­ções para ga­ran­tir fa­zer is­so.

Ter­cei­ro, per­de­ría­mos um meio efi­caz de ob­ter o apoio de ou­tros paí­ses para reim­por ra­pi­da­men­te du­ras san­ções por meio do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU ca­so o Irã vi­o­le se­ri­a­men­te o pac­to – em­bo­ra na­da no tra­ta­do im­pe­ça os EUA de ado­ta­rem ações mi­li­ta­res se hou­ver evi­dên­cia de que o Irã es­te­ja de­sen­vol­ven­do ar­mas nu­cle­a­res.

Quar­to, re­ti­rar-se do acor­do dei­xa­ria os EUA iso­la­dos. Os EUA con­ven­ce­ram China, Rús­sia, Eu­ro­pa e o res­tan­te do mun­do a, jun­tos, li­mi­ta­rem o pro­gra­ma nu­cle­ar ira­ni­a­no. Se o país ten­tar des­truir o acor­do a pre­tex­to de me­lho­rá-lo, co­mo que­rem al­guns, po­de aca­bar unin­do o mun­do em tor­no do Irã e con­tra os EUA – um pre­sen­te para seus ad­ver­sá­ri­os de todo o pla­ne­ta.

As crí­ti­cas ao acor­do fa­lham ao não pôr na­da me­lhor no lu­gar. Al­guns apon­tam para o que ele não abran­ge – o apoio do Irã ao Hez­bol­lah, o pro­gra­ma de mís­seis de Te­e­rã, su­as am­bi­ções re­gi­o­nais e seu en­dos­so ao re­gi­me as­sas­si­no da Sí­ria. Mas exis­te um lon­go his­tó­ri­co de ne­go­ci­a­ções nu­cle­a­res com paí­ses que têm pontos de vis­ta di­a­me­tral­men­te opos­tos aos dos EUA. O pre­si­den­te Ro­nald Re­a­gan fez acor­dos nu­cle­a­res com os so­vié­ti­cos, com os quais os EUA não se en­ten­di­am em vá­ri­os ou­tros cam­pos. Não há na­da im­pe­ça os EUA, ou a ou­tros paí­ses, de dis­cu­tir te- mas com o Irã fo­ra do âm­bi­to do acor­do. Na ver­da­de, dis­cu­tir es­ses te­mas sem o acor­do po­de­ria ser mui­to mais pe­ri­go­so ca­so o Irã ti­ves­se ar­mas nu­cle­a­res. Bas­ta ver a si­tu­a­ção com a Co­reia do Nor­te. Em vez de ras­gar o acor­do com o Irã e co­me­çar pe­ri­go­sa­men­te do ze­ro, Trump de­ve­ria se con­cen­trar em for­ta­le­cer a proi­bi­ção a ar­mas nu­cle­a­res em to­dos os paí­ses, in­cluin­do o Irã.

Quan­do co­me­ça­mos a dis­cu­tir o pac­to, o Irã es­ta­va a pou­cos me­ses de pro­du­zir uma ar­ma nu­cle­ar e, se a di­plo­ma­cia ti­ves­se fa­lha­do, te­ría­mos de con­tar ape­nas com op­ções mi­li­ta­res para con­ter es­se avan­ço. O con­ge­la­men­to do pro­gra­ma per­mi­tiu uma so­lu­ção di­plo­má­ti­ca, ve­ri­fi­cá­vel e ci­en­tí­fi­ca e tec­ni­ca­men­te viá­vel. Não foi ape­nas uma con­quis­ta di­plo­má­ti­ca, mas um ex­tra­or­di­ná­rio es­for­ço con­jun­to de paí­ses res­pon­sá­veis para re­mo­ver um pe­ri­go ime­di­a­to para a paz e a es­ta­bi­li­da­de. Se os EUA de­rem ago­ra as cos­tas ao acor­do, is­so se­ria mais que um fa­to em­ba­ra­ço­so, uma ação ir­res­pon­sá­vel e pe­ri­go­sa.

É COPRESIDENTE DA INI­CI­A­TI­VA PE­LO TRA­TA­DO NU­CLE­AR. AR­TI­GO PUBLICADO ORIGINALMENTE NO JOR­NAL ‘BOSTON GLOBE’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.