Va­lo­res podem che­gar a R$ 1 mi­lhão

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - / F.L.

Tan­to qu­em ven­de quan­to qu­em com­pra não re­ve­la os va­lo­res das tran­sa­ções dos bo­xes pú­bli­cos do Mer­ca­dão. Per­mis­si­o­ná­ri­os con­tam que as ne­go­ci­a­ções nos úl­ti­mos anos va­ri­a­ram en­tre R$ 100 mil e R$ 1 mi­lhão, de­pen­den­do do nú­me­ro de bo­xes en­vol­vi­dos e da lo­ca­li­za­ção.

Em­bo­ra se­ja uma prá­ti­ca an­ti­ga e ex­pli­ci­ta­men­te proi­bi­da a par­tir de 2001, as trans­fe­rên­ci­as se in­ten­si­fi­ca­ram na úl­ti­ma dé­ca­da por dois mo­ti­vos, se­gun­do os co­mer­ci­an­tes: a re­for­ma de 2004, que ala­van­cou o tu­ris­mo no Mer­ca­dão, e o co­mér­cio ile­gal de fru­tas do la­do ex­ter­no, que que­brou per­mis­si­o­ná­ri­os do la­do de den­tro. Sem re­tor­no, eles ven­de­ram seus pontos.

Foi as­sim que uma pa­da­ria, uma cer­ve­ja­ria e até uma lo­ja de lem­bran­ci­nhas en­tra­ram ou ex­pan­di­ram seus ne­gó­ci­os. É o ca­so da Cer­ve­ja­ria San­ta The­re­zi­nha, que ven­de cer­ve­jas ar­te­sa­nais em três bo­xes na Rua M. O pon­to foi ad­qui­ri­do em 2013 do ex-per­mis­si­o­ná­rio do se­tor de fru­tas Oswal­do Bo­ra­gi­na. A cer­ve­ja­ria es­tá em no­me de Jo­sé Gui­lher­me da Fon­se­ca e Nil­ton Mon­tei­ro da Sil­va, do­no da Ca­cha­ça­ria San­ta The­re­zi­nha, que tem dois bo­xes na Rua H.

A re­por­ta­gem li­gou na cer­ve­ja­ria e foi in­for­ma­da por um ven­de­dor que os do­nos são o ex-ve­re­a­dor Jus­ce­li­no Ga­de­lha e o em­pre­sá­rio Gil­ber­to Bro­zin­ga, ex-só­ci­os num res­tau­ran­te na Vi­la Ma­da­le­na, zo­na oes­te, que ven­ceu a li­ci­ta­ção de 2004 para ocu­par um box do me­za­ni­no. Ao Es­ta­do, Ga­de­lha afir­mou que é o ad­mi­nis­tra­dor da ban­ca, mas não for­ne­ceu o no­me nem o con­ta­to do pro­pri­e­tá­rio.

Em­bo­ra se mos­tre con­trá­rio ao pro­je­to da Pre­fei­tu­ra, ele dis­se que a con­ces­são po­de ser uma chan­ce “para todo mun­do re­sol­ver si­tu­a­ções pen­den­tes”. “Uma coi­sa é dis­cu­tir o pas­sa­do, ou­tra é dis­cu­tir o fu­tu­ro. O fu­tu­ro é a con­ces­são, e va­mos ver quais se­rão as obri­ga­ções dos per­mis­si­o­ná­ri­os.”

Nem mes­mo qu­em ga­nhou a li­ci­ta­ção para o me­za­ni­no es­ca­pou do as­sé­dio de per­mis­si­o­ná­ri­os tra­di­ci­o­nais e gran­des em­pre­sá­ri­os. “Pas­sei pra fren­te, es­ta­va mui­to ca­ro”, dis­se Pe­dro Na­ki­ri­mo­to, que fe­chou o Ja­pa Lo­ko, de cu­li­ná­ria ja­po­ne­sa, e ho­je tem uma pei­xa­ria em São Ber­nar­do do Cam­po, na Gran­de São Pau­lo. Ele não in­for­mou para qu­em ven­deu nem por qual va­lor. Ape­sar da ne­go­ci­a­ção ter ocor­ri­do em ju­nho de 2016, a trans­fe­rên­cia não foi ho­mo­lo­ga­da. Ou se­ja, para a Pre­fei­tu­ra, é a em­pre­sa de Na­ki­ri­mo­to que ge­re o box 8 do me­za­ni­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.