Ator-es­cri­tor

Pedro Car­do­so es­treia na li­te­ra­tu­ra com ro­man­ce si­tu­a­do num Bra­sil em con­vul­são

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Ma­ria Fer­nan­da Ro­dri­gues

Pedro Car­do­so es­treia na li­te­ra­tu­ra com O Li­vro dos Títulos.

“Es­cre­ver um li­vro é tal­vez a mis­são mais exi­gen­te en­tre to­das as cha­ti­ces que a hu­ma­ni­da­de in­ven­tou pa­ra se abor­re­cer. Or­ga­ni­zar os in­fi­ni­tos de­ta­lhes que dão co­e­rên­cia a uma es­tó­ria in­ven­ta­da é uma ta­re­fa di­vi­na que quei­ma o cé­re­bro de um sim­ples mor­tal; a de­man­da é so­bre-hu­ma­na.” Quem diz is­so é o pro­ta­go­nis­ta do ro­man­ce de es­treia do ator Pedro Car­do­so que con­fes­sa, lo­go na pri­mei­ra li­nha, que não gos­ta de ler – mas gos­ta de livros.

Des­de ce­do, car­re­ga­va um exem­plar por­que acha­va que, se acre­di­tas­sem que ele era um gran­de leitor, não sen­ti­ri­am pe­na por ele es­tar sem­pre so­zi­nho. Atrás de seu es­cu­do, ele os­ci­la­va en­tre o so­no e a vi­gí­lia, pen­sa­va em coi­sas di­ver­sas, nun­ca lia. Mas ele se apai­xo­nou, e de­ci­diu es­cre­ver um li­vro pa­ra a mo­ça – ela, sim, uma gran­de lei­to­ra.

Es­se é, ba­si­ca­men­te, o en­re­do de O Li­vro dos Títulos, uma história de for­ma­ção, de amor e de lou­cu­ra que acom­pa­nha o per­so­na­gem ao lon­go de sua vi­da. Mas há mais. O pa­no de fun­do é um Bra­sil so­ci­al­men­te in­sa­lu­bre, em “con­vul­são so­ci­al com o sur­gi­men­to de vá­ri­as de­nún­ci­as de ca­sos de corrupção en­vol­ven­do to­das as for­ças po­lí­ti­cas”. Um país do pré e pós-gu­er­ra ci­vil que, ao seu tér­mi­no, te­rá se di­vi­di­do em “420 Es­ta­dos in­de­pen­den­tes, oriun­dos das mi­lí­ci­as que se for­ma­ram du­ran­te os anos de con­fli­to. O novo ma­pa po­lí­ti­co te­rá si­do de­fi­ni­do em uma in­fi­ni­da­de de tra­ta­dos e ar­mis­tí­ci­os, que fi­ca­rão co­nhe­ci­dos co­mo Tra­ta­dos da Des União Bra­si­lei­ra ou Des-Tra­tos da Fun­da­ção”, con­ta o nar­ra­dor.

Pedro re­ve­la que quis es­cre­ver o li­vro nu­ma ten­ta­ti­va de or­ga­ni­zar al­gu­mas idei­as e an­si­e­da­des so­bre o País e com­par­ti­lhar su­as in­qui­e­ta­ções. “Es­cre­vi sob o im­pac­to dos acon­te­ci­men­tos dos úl­ti­mos anos e um pou­co de­ses­pe­ra­do de tan­ta coi­sa so­bre as quais eu gos­ta­ria de fa­lar. Mas o li­vro é um ro­man­ce e não um en­saio teó­ri­co. O que os per­so­na­gens di­zem não é o que eu di­ria. Eu acho que eu nem sei bem o que eu di­ria – es­tou va­zio de cer­te­zas”, diz.

Ele pre­fe­re não dar de­ta­lhes so­bre a história ou fa­lar so­bre o país que cri­ou e que es­tá em de­sin­te­gra­ção, mas, vol­tan­do aos di­as de hoje, co­men­ta que são mui­tos os mo­ti­vos pa­ra nos pre­o­cu­par­mos – e a “ten­ta­ção fas­cis­ta que ilu­de os to­los” é o prin­ci­pal de­les. “Ne­nhum ca­mi­nho au­to­ri­tá­rio nos tra­rá na­da de bom. To­do to­ta­li­ta­ris­mo é fal­so e co­var­de. E os mo­ra­lis­mos que se es­bo­çam, com re­a­ções des­ca­bi­das con­tra a se­xu­a­li­da­de e os mui­tos mo­dos de amar que são pró­pri­os da hu­ma­ni­da­de, são mes­mo in­qui­e­tan­tes e de­vem so­frer a nos­sa mais se­re­na e se­ve­ra opo­si­ção”, diz.

Pedro quer ter es­pe­ran­ça, por­que “de­ses­pe­ran­ça é um lu­xo de gen­te ri­ca e in­di­fe­ren­te”. O ator, no en­tan­to, ain­da não sa­be no que acre­di­tar. “Te­nho fé que al­go novo ha­ve­rá de sur­gir, mas não sei o que se­ja nem de on­de vi­rá. Es­tou à es­pe­ra. Ati­va­men­te, es­pe­ran­do que al­go ve­nha e me di­ga o que nun­ca ima­gi­nei que se­ria o fu­tu­ro. Eu te­nho a con­vic­ção de que só al­go que ain­da não se ma­ni­fes­tou nos ha­ve­rá de ti­rar des­se ato­lei­ro em que nos en­con­tra­mos.”

Pedro Car­do­so vi­ve hoje em Por­tu­gal e diz que a de­ci­são não tem a ver com o momento do Bra­sil. Sem­pre quis ter uma ex­pe­ri­ên­cia co­mo es­sa, mas tu­do acon­te­ceu rá­pi­do de­mais – car­rei­ra, fa­mí­lia – e per­deu a chan­ce de fa­zer is­so mais jo­vem.

Quan­do te­ve di­nhei­ro pa­ra ban­car o so­nho, não con­se­guiu se des­ven­ci­lhar das obri­ga­ções no Bra­sil – por mais de uma dé­ca­da, ele foi o Agos­ti­nho, da Gran­de Fa­mí­lia, su­ces­so da Glo­bo que che­gou ao fim em 2014. Seus pro­je­tos atu­ais es­tão li­ga­dos à pe­ça O Ho­mem Pri­mi­ti­vo, es­cri­ta por ele e por Gra­zi­el­la Mo­ret­to, sua mu­lher, que tra­ta da gê­ne­se e das con­sequên­ci­as do se­xis­mo. Gra­zi­el­la pla­ne­ja um filme so­bre a pe­ça que abor­da uma ques­tão que, co­me­mo­ra o ator, “es­tá fi­nal­men­te ga­nhan­do o pro­ta­go­nis­mo que lhe é de­vi­do”.

Fo­ra is­so, ten­ta em­pla­car uma sé­rie so­bre o Bra­sil, seus ri­cos e seus po­bres, que não te­ve, até ago­ra, o apoio de ne­nhu­ma emis­so­ra. Se não der cer­to mes­mo, o novo es­cri­tor con­si­de­ra trans­for­má-lo num ro­man­ce. “No mais, estudo in­glês e fran­cês co­mo um ado­les­cen­te”, brin­ca.

Ele es­tá no País pa­ra uma sé­rie de lan­ça­men­tos. O ban­ner que co­lo­ca atrás da me­sa de au­tó­gra­fos diz: “Ator de­sem­pre­ga­do à pro­cu­ra de lei­to­res”. Tu­do não pas­sa de uma gra­ça, ga­ran­te. “Uma brin­ca­dei­ra com o fa­to de eu ter fi­ca­do no ar por mui­tos anos e ter de­sa­pa­re­ci­do des­se con­ví­vio se­ma­nal com o pú­bli­co. Eu sin­to sau­da­de dis­so. O de­sem­pre­go é brin­ca­dei­ra.”

Mas de vol­ta à vi­da de es­cri­tor. Pedro Car­do­so con­ta que lê des­de sem­pre, o dia in­tei­ro, muito de­va­gar, por­que é dis­lé­xi­co. Não se con­si­de­ra um gran­de leitor e muito me­nos um eru­di­to ou um gran­de co­nhe­ce­dor de li­te­ra­tu­ra. “Gos­to de ler, sim­ples­men­te. Leio al­gu­ma te­o­ria, al­gu­ma fi­lo­so­fia, bas­tan­te so­bre história e mui­tos ro­man­ces. Mas sou lei­go, re­pi­to. E gos­to de ser um leitor ama­dor. E, muito pro­va­vel­men­te, eu sou tam­bém um es­cri­tor ama­dor.”

Sua obra faz re­fe­rên­ci­as a mui­tas ou­tras da li­te­ra­tu­ra bra­si­lei­ra e es­tran­gei­ra, e o tí­tu­lo foi es­co­lhi­do pe­lo fas­cí­nio que sen­te pe­lo no­me que as coi­sas têm e pe­lo po­der que ele evo­ca. A in­clu­são des­ses livros to­dos em sua história foi por­que ele quis dar um tes­te­mu­nho de um pos­sí­vel câ­no­ne de uma pes­soa de seu tem­po. “Ca­da um de nós tem um bi­bli­o­te­ca na me­mó­ria on­de es­tão guar­da­dos os livros que le­mos e achei que se­ria in­te­res­san­te pa­ra o leitor co­te­jar o câ­no­ne de­le com o do meu li­vro”, ex­pli­ca.

A cer­ta al­tu­ra, o pro­ta­go­nis­ta, que gos­ta­va de dei­tar no chão e pas­sar os olhos pe­los títulos na es­tan­te, che­gou a es­ca­lar uma seleção. “No gol: A Pe­dra do Rei­no; na de­fe­sa: Lu­cío­la, Fo­go Mor­to, Ca­sa Gran­de & Sen­za­la; no meio-campo: Quin­cas Bor­ba, Ed Mort, Ju­ca Mu­la­to e Ca­ta­tau; no ata­que: Ben­ja­mim e Bu­da­pes­te. Téc­ni­co: Ro­man­cei­ro da In­con­fi­dên­cia. Es­ca­lou tam­bém o ti­me ad­ver­sá­rio, e se­le­ções pa­ra os di­ver­sos paí­ses com­bi­nan­do gê­ne­ros e épo­cas.

Pa­ra o per­so­na­gem, eles ti­nham uma outra fun­ção. “Ca­da tí­tu­lo me da­va uma su­ges­tão de pen­sa­men­to que, por ser bre­ve e con­ci­sa, eu con­se­guia pe­ne­trar; ou, me­lhor di­zen­do: eu con­se­guia me dei­xar ser por ela pe­ne­tra­do; e usu­fruía, ima­gi­nan­do que es­tó­ria se con­for­ma­ria com aque­le tí­tu­lo.”

Pedro Car­do­so co­men­ta que a história foi che­gan­do a ele à me­di­da que ele a ia con­tan­do pa­ra um pos­sí­vel leitor. Tem um cer­to hu­mor ali, e o ator es­tra­nha­ria se ele não ti­ves­se se ma­ni­fes­ta­do. “O que me gui­ou foi sem­pre um de­se­jo de agra­dar, de en­tre­ter, de cri­ar um bom momento pa­ra o ou­tro. Es­cre­ver é, cer­ta­men­te, um mo­do de or­ga­ni­zar o pró­prio pen­sa­men­to. E eu es­ta­va pre­ci­san­do or­ga­ni­zar o meu”, fi­na­li­za.

Es­cre­ver é, cer­ta­men­te, um mo­do de or­ga­ni­zar o pró­prio pen­sa­men­to. E eu es­ta­va pre­ci­san­do or­ga­ni­zar o meu”

JF DIORIO/ESTADÃO

JF DIORIO/ESTADÃO

Ator. Lon­ge da te­vê e do Bra­sil, ele brin­ca com o seu ‘de­sem­pre­go’

O LI­VRO DOS TÍTULOS Au­tor: Pedro Car­do­so Edi­to­ra: Re­cord (192 págs.; R$ 34,90)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.