Ne­nhu­ma de­mo­cra­cia po­de vi­ver sob a ame­a­ça de uma es­co­pe­ta.

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Le­an­dro Kar­nal

Hoje é fe­ri­a­do do gol­pe que co­lo­cou fim ao Im­pé­rio. Nas­ci­da de uma rup­tu­ra da or­dem cons­ti­tu­ci­o­nal, a Re­pú­bli­ca apre­sen­ta uma mar­ca de ori­gem pro­ble­má­ti­ca. Uma eli­te po­si­ti­vis­ta in­ca­paz de en­tu­si­as­mar a po­pu­la­ção com seu pro­je­to bus­cou a es­pa­da co­mo am­pa­ro. O ape­lo ao con­ser­va­dor-mo­nar­quis­ta De­o­do­ro foi o re­co­nhe­ci­men­to de uma im­po­tên­cia po­lí­ti­ca. O Exér­ci­to as­su­miu o far­do: o mun­do ci­vil de­ve­ria ser tu­to­ra­do co­mo um ado­les­cen­te bu­li­ço­so.

A in­ter­ven­ção mi­li­tar pros­se­guiu sob Flo­ri­a­no Peixoto. Na dé­ca­da de 1920, jo­vens ofi­ci­ais re­pe­ti­am o mes­mo man­tra: ama­mos o Bra­sil, po­rém seu po­vo não sa­be vo­tar e é anal­fa­be­to, lo­go, pre­ci­sa­mos im­pe­dir que se ma­chu­que até cres­cer. Au­to­pro­cla­ma­dos ba­bás de uma na­ção in­qui­e­ta, te­nen­tes re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os vi­ra­ram ge­ne­rais com o mes­mo mo­de­lo de guar­diões da me­no­ri­da­de tu­pi­ni­quim. Tam­bém foi um gru­po de mi­li­ta­res que der­ru­bou Washing­ton Luís, o úl­ti­mo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca oli­gár­qui­ca.

Um ca­pi­tão, Olím­pio Mou­rão Fi­lho, fez par­te de uma das gran­des far­sas da história do Bra­sil. A des­co­ber­ta de um gran­di­o­so “plano co­mu­nis­ta” (Plano Cohen) veio ao en­con­tro dos an­sei­os do go­ver­no Var­gas pa­ra mi­nar as elei­ções em cur­so. O fal­so com­plô foi di­vul­ga­do co­mo ver­da­dei­ro e o in­te­gra­lis­ta ca­pi­tão Mou­rão ser­viu aos an­sei­os do gol­pe de 1937. A Na­ção, mais uma vez, era vis­ta co­mo in­gê­nua e dó­cil ao can­to fa­tal das se­rei­as mar­xis­tas.

O ca­pi­tão Mou­rão man­te­ve sua de­ci­di­da vo­ca­ção de gol­pis­ta e foi o pi­o­nei­ro na der­ru­ba­da do pre­si­den­te Gou­lart, em 1964. Os te­nen­tes ti­nham vi­ra­do ge­ne­rais. Mu­dam-se os pos­tos e per­ma­ne­ce a ideia: o Bra­sil pre­ci­sa do am­pa­ro or­dei­ro da tro­pa. O es­pí­ri­to cas­tren­se pai­ra­va so­bre a so­ci­e­da­de e cor­ri­gia os des­vi­os dos sem­pre in­qui­e­tos ci­da­dãos. O pen­sa­men­to era com­par­ti­lha­do por mui­tos ci­vis que des­con­fi­a­vam da de­mo­cra­cia co­mo ca­mi­nho. A ve­lha UDN é mais tí­pi­ca da pai­sa­gem tro­pi­cal do que o pau-bra­sil.

Os mo­ni­to­res da von­ta­de na­ci­o­nal nem sem­pre con­cor­da­ram. Por ve­zes, as ba­bás bri­ga­vam en­tre si. O ge­ne­ral Fro­ta qua­se der­ru­bou o ge­ne­ral Gei­sel. A Ma­ri­nha an­dou es­tra­nhan­do a Ae­ro­náu­ti­ca du­ran­te o re­gi­me de ex­ce­ção. Os que man­da­vam dis­cor­da­vam de quan­do em vez, po­rém eram um blo­co mo­no­lí­ti­co so­bre a in­ca­pa­ci­da­de de au­to­go­ver­no da so­ci­e­da­de ci­vil.

Mou­rão Fi­lho usou o me­do co­mu­nis­ta du­as ve­zes pa­ra que a cri­an­ças fos­sem pa­ra a ca­ma or­de­na­da­men­te. Me­do sem­pre foi boa es­tra­té­gia de con­tro­le. A noi­te di­ta­to­ri­al ter­mi­nou com in­fla­ção de mais de 220% ao ano, de­sem­pre­go, de­nún­ci­as de corrupção re­pe­ti­das e o País men­di­gan­do no FMI. Rai­ou o Es­ta­do de Di­rei­to em um país po­bre, de­si­gual e com­ba­li­do. Pe­lo me­nos, não vi­ra­mos uma Cu­ba, era o que se di­zia.

Vai-se um Mou­rão e des­pon­ta ou­tro. É o ci­clo da tra­gé­dia que vi­ra far­sa. O novo Mou­rão dá uma pa­les­tra em uma lo­ja maçô­ni­ca. Su­po­nho que ge­ne­rais se­jam pro­fis­si­o­nais bem pre­pa­ra­dos pa­ra o exer­cí­cio da gu­er­ra, da es­tra­té­gia, do pre­pa­ro fí­si­co e de ou­tros va­lo­res. Ex­pli­ca­ções so­ci­o­ló­gi­cas e his­tó­ri­cas per­ten­cem ao mun­do fo­ra da ca­ser­na. Um ge­ne­ral dar uma pa­les­tra in­ter­pre­ta­ti­va do Bra­sil é tão ló­gi­co co­mo eu, his­to­ri­a­dor, ser cha­ma­do a des­mon­tar uma me­tra­lha­do­ra ou ex­pli­car téc­ni­cas de so­bre­vi­vên­cia na sel­va. Exis­tem li­mi­tes pro­fis­si­o­nais pa­ra mi­li­ta­res e pa­ra his­to­ri­a­do­res. Pi­or: por prin­cí­pio, ge­ne­rais na ati­va (co­mo An­to­nio Ha­mil­ton Mar­tins Mou­rão) não po­de­ri­am ex­pres­sar opi­niões po­lí­ti­cas.

O ofi­ci­al co­me­teu três equí­vo­cos. O pri­mei­ro foi po­si­ci­o­nar-se pu­bli­ca­men­te so­bre po­lí­ti­ca. O se­gun­do foi não per­ce­ber que sim, as For­ças Ama­das po­dem ser con­vo­ca­das pe­los po­de­res cons­ti­tu­ci­o­nais, po­rém, co­mo diz o ar­ti­go 142 da nos­sa Cons­ti­tui­ção, sob a au­to­ri­da­de su­pre­ma do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e dos po­de­res cons­ti­tuí­dos pela Lei Mag­na. É tão ló­gi­co um mi­li­tar as­su­mir o po­der qu­an­to se­ria plau­sí­vel a OAB dar um gol­pe no País e ins­tau­rar um re­gi­me de ad­vo­ga­dos ou a Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Letras cri­ar uma platô­ni­ca ges­tão in­te­lec­tu­al da Pá­tria. Mi­li­ta­res são pro­fis­si­o­nais fun­da­men­tais pa­ra a na­ção e pre­pa­ra­dos pa­ra uma ati­vi­da­de única e in­subs­ti­tuí­vel. Im­por­tan­te di­zer que es­sa fun­ção não é a ad­mi­nis­tra­ção po­lí­ti­ca. Um gol­pe mi­li­tar é sem­pre um pro­je­to de po­der e de con­tro­le, com frequên­cia in­vo­can­do ver­ni­zes pa­trió­ti­cos.

Va­mos ao úl­ti­mo equí­vo­co. Tal­vez se­ja o mais gra­ve. O ge­ne­ral de­ci­diu ser ci­en­tis­ta so­ci­al e in­vo­cou idei­as do fim do sé­cu­lo 19 e iní­cio do 20. Na­que­la épo­ca, do­mi­na­vam te­o­ri­as ra­cis­tas e se re­pe­tia, ao mo­do de Sil­vio Ro­me­ro, que o Bra­sil era a jun­ção do pi­or de três mun­dos: o lu­si­ta­no, o in­dí­ge­na e o afri­ca­no. A ideia exis­tia no Bra­sil e fo­ra de­le, e foi ata­ca­da pe­lo bri­lho do ser­gi­pa­no Ma­no­el Bon­fim e de­ze­nas de ou­tros. Tor­nou-se per­cep­ção ul­tra­pas­sa­da al­guns anos de­pois e hoje é es­tu­da­da co­mo ana­li­sa­mos as san­gri­as com san­gues­su­gas na história da me­di­ci­na. Bem, o ge­ne­ral Mou­rão usou es­sa ex­pli­ca­ção. A fa­la foi pre­con­cei­tu­o­sa e ana­crô­ni­ca pa­ra di­zer o mí­ni­mo, ra­cis­ta pa­ra di­zer o má­xi­mo.

O Exér­ci­to é for­ma­do por ho­mens hon­ra­dos e é uma for­ça es­sen­ci­al à de­mo­cra­cia. Ja­mais jul­ga­rei o to­do pela par­te. O Bra­sil pre­ci­sa de bons mi­li­ta­res, bons ad­vo­ga­dos e bons pro­fes­so­res. To­dos eles po­dem se can­di­da­tar, em de­ter­mi­na­das con­di­ções, ao exer­cí­cio po­lí­ti­co da ad­mi­nis­tra­ção. O fa­to de po­lí­ti­cos se­rem cor­rup­tos ou in­com­pe­ten­tes le­va-nos a que­rer me­lho­rar o Es­ta­do de Di­rei­to, nun­ca subs­ti­tuí-lo por re­pú­bli­cas de ba­na­nas go­ver­na­das por al­guém fo­ra do jogo cons­ti­tu­ci­o­nal. Di­an­te do des­ca­la­bro éti­co atu­al, in­vo­car in­ter­ven­ção mi­li­tar se­ria co­mo, di­an­te de um er­ro mé­di­co na sa­la de ci­rur­gia, pas­sar o bis­tu­ri pa­ra o che­fe da se­gu­ran­ça do hospital – afi­nal, ho­mem pro­bo e ver­sa­do em ar­mas. Ne­nhum Es­ta­do so­be­ra­no po­de pres­cin­dir das su­as For­ças Ar­ma­das. Ne­nhu­ma de­mo­cra­cia po­de vi­ver sob a ame­a­ça de uma es­co­pe­ta. Bom fe­ri­a­do da Re­pú­bli­ca pa­ra to­dos nós!

Ne­nhu­ma de­mo­cra­cia po­de vi­ver sob a ame­a­ça de uma es­co­pe­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.