Em bus­ca da im­pu­ni­da­de per­di­da

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto - JO­SÉ NÊUMANNE

De hoje, ani­ver­sá­rio do gol­pe mi­li­tar que “pro­cla­mou” a Re­pú­bli­ca, em di­an­te, a ca­ma­ri­lha di­ri­gen­te dos ne­gó­ci­os pú­bli­cos pros­se­gui­rá em seu in­gen­te es­for­ço pa­ra ter de vol­ta a im­pu­ni­da­de que, na prá­ti­ca, tem go­za­do, mer­cê de fo­ro e de ou­tros pri­vi­lé­gi­os acu­mu­la­dos em 118 anos le­gis­lan­do pri­o­ri­ta­ri­a­men­te em pro­vei­to pró­prio.

Com a chan­ce­la de uma Cons­ti­tui­ção pro­mul­ga­da pe­lo Con­gres­so abu­sa­do e abu­si­vo, nos­sa pri­vi­le­gi­a­da cas­ta di­ri­gen­te se viu im­pren­sa­da na pa­re­de pe­lo po­vo, que em 2013 foi às ru­as re­cla­mar de seus maus­tra­tos à so­ci­e­da­de ex­plo­ra­da, hu­mi­lha­da e es­po­li­a­da. No ano se­guin­te, gra­ças à renovação dos qua­dros de agen­tes con­cur­sa­dos da Po­lí­cia Fe­de­ral (PF) e de pro­cu­ra­do­res da Re­pú­bli­ca e juí­zes fe­de­rais trei­na­dos pa­ra com­ba­ter cri­mes de co­la­ri­nho-bran­co, co­mo la­va­gem de di­nhei­ro, te­ve iní­cio a Ope­ra­ção La­va Ja­to,

A união de es­for­ços de cor­po­ra­ções di­vi­di­das in­ter­na­men­te e ri­vais en­tre si – PF e Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral – le­vou aos juí­zes de pri­mei­ro grau e, em con­sequên­cia, às ce­las do in­fer­no pri­si­o­nal tu­pi­ni­quim, até en­tão ex­clu­si­vas de pre­tos, po­bres e pros­ti­tu­tas, uma cli­en­te­la, bran­ca, po­de­ro­sa econô­mi­ca e po­li­ti­ca­men­te e abo­na­da (em al­guns ca­sos, bi­li­o­ná­ria). Co­mo nun­ca an­tes na História des­te país, no di­zer do ex-pre­si­den­te em cu­ja ges­tão a to­tal per­da de pro­por­ções e do mí­ni­mo de sen­sa­tez pro­du­ziu o mai­or es­cân­da­lo de corrupção da História, ora nos é da­do ver os prín­ci­pes de gran­des fir­mas cor­rup­to­ras to­man­do ba­nho de sol nos pá­ti­os das pri­sões.

O fo­ro pri­vi­le­gi­a­do, que re­ser­va o jul­ga­men­to de 22 mil (ou 55 mil?) oto­ri­da­des (em mais um des­ses ab­sur­dos co­lap­sos de es­ta­tís­ti­ca a ser­vi­ço de me­li­an­tes de lu­xo) à le­ni­ên­cia do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), man­tém um pla­car ab­sur­do de 118 con­de­na­dos em pri­mei­ra ins­tân­cia pela La­va Ja­to con­tra ze­ro (is­so mes­mo, ze­ro) ape­na­do no úl­ti­mo e mais dis­tan­te tri­bu­nal do Ju­di­ciá­rio. Em ca­so ex­tre­mo e iné­di­to, o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca só po­de ser acu­sa­do por de­li­tos co­me­ti­dos no exer­cí­cio do car­go.

Com pâ­ni­co de per­der com o man­da­to os pri­vi­lé­gi­os, a bor­ra po­lí­ti­ca na­ci­o­nal per­mi­tiu-se abrir mão de anéis pa­ra man­ter os lon­gos de­dos das mãos que afa­nam. Mas nes­tes três anos e oi­to me­ses de La­va Ja­to al­guns fa­tos per­mi­ti­ram a seus ma­ga­nões in­ves­tir con­tra es­sa pro­gres­si­va re­du­ção da im­pu­ni­da­de. A cha­pa ven­ce­do­ra em 2014, Dilma-Te­mer, foi ab­sol­vi­da pe­lo Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE) por ex­ces­so de provas. E quan­do o le­ni­en­te STF sai um mi­lí­me­tro da cur­va que in­te­res­sa aos con­gres­sis­tas, es­tes lo­go o re­du­zem à po­si­ção de úl­ti­ma de­fe­sa de su­as prer­ro­ga­ti­vas de de­lin­quir sem ser per­tur­ba­dos. Até Aé­cio, der­ro­ta­do na elei­ção e guin­da­do ao go­ver­no Te­mer, man­tém-se “im­pá­vi­do co­los­so” no ni­nho.

Na ne­go­ci­a­ção pe­lo im­pe­a­ch­ment da de­sas­tra­da Dilma, Ju­cá, o Ca­ju do pro­pi­no­du­to da Ode­bre­cht, de­fi­niu “es­tan­car a san­gria” co­mo me­ta de seu gru­po, al­cu­nha­do pe­lo ex-pro­cu­ra­dor-ge­ral Ja­not de “qua­dri­lhão do PMDB”, pa­ra o com­par­sa Sérgio Ma­cha­do, cu­ja de­la­ção tem si­do con­tes­ta­da. Em­bo­ra is­so es­te­ja sen­do con­fir­ma­do pe­las Ope­ra­ções Ca­deia Ve­lha e Pa­pi­ro de La­ma, no Rio e em Ma­to Gros­so do Sul, des­mas­ca­ran­do os dig­ni­tá­ri­os pe­e­me­de­bis­tas Pic­ci­a­ni e Puc­ci­nel­li.

Fal­tam provas, ale­gam. Mas so­bram fa­tos. Com al­guns vo­tos tu­ca­nos e to­dos do Cen­trão, que de­fen­deu te­naz­men­te Eduardo Cunha, a mai­o­ria da Câ­ma­ra man­dou pa­ra o li­xo in­ves­ti­ga­ções con­tra Te­mer pe­di­das por Ja­not ao STF. O pre­si­den­te até ago­ra não ci­tou um fa­to con­cre­to pa­ra se de­fen­der das acu­sa­ções de corrupção pas­si­va, obs­tru­ção de Justiça e or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa, meio ano após ter si­do di­vul­ga­da a gra­va­ção de sua con­ver­sa com um de­lin­quen­te que usou iden­ti­da­de fal­sa pa­ra aden­trar o pa­lá­cio. E ago­ra se sen­te à von­ta­de pa­ra tro­car na Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca, em cau­sa pró­pria, o de­sa­fe­to Ja­not por Ra­quel Dod­ge, in­di­ca­da pe­lo par­cei­ro de con­ves­co­tes em pa­lá­cio Gilmar Men­des, do STF.

Ca­so si­mi­lar é o de Fer­nan­do Se­gó­via, cu­jo cur­rí­cu­lo fa­la por si. No Ma­ra­nhão, tor­nou­se co­men­sal e afi­lha­do do clã Sar­ney. E não de­ve ter si­do a atu­a­ção de adi­do na Áfri­ca do Sul que ins­pi­rou Pa­di­lha a lu­tar por sua no­me­a­ção. Ao as­su­mir, sem o aval do che­fe di­re­to, o mi­nis­tro Jar­dim, ele pro­me­teu mu­dan­ças “pau­la­ti­nas” na La­va Ja­to e re­co­nhe­ceu que te­rá atu­a­ção po­lí­ti­ca. Atu­a­ção po­lí­ti­ca na che­fia da po­lí­cia que in­ves­ti­ga os po­lí­ti­cos? Hã, hã! O ve­lho Eso­po di­ria que se tra­ta do ca­so da ra­po­sa dis­pos­ta a as­su­mir a se­gu­ran­ça do ga­li­nhei­ro. Mas a fá­bu­la é an­ti­ga!

En­quan­to Se­gó­via, o “tran­qui­lo”, as­su­me o pau­la­ti­no co­mo pau­la­das em su­bor­di­na­dos e pa­gan­tes, o che­fe do go­ver­no ten­ta ob­ter a pró­pria su­pe­rim­pu­ni­da­de por mei­os si­bi­li­nos. Seu ad­vo­ga­do Car­ne­lós pe­diu to­da a vê­nia pos­sí­vel a Fa­chin pa­ra con­ven­cê-lo a de­sis­tir de en­ca­mi­nhar Cunha, Ged­del, Hen­ri­qui­nho, Ro­dri­go da mo­chi­la e Jo­es­ley, en­tre ou­tros, pa­ra a pri­mei­ra ins­tân­cia de Mo­ro e Val­lis­ney. E as­sim evi­tar que sur­jam de­li­tos des­co­nhe­ci­dos em seus de­poi­men­tos ou de­la­ções dos quais o che­fe não to­ma­ria co­nhe­ci­men­to no go­zo de sua in­dul­gên­cia ple­na com da­ta mar­ca­da pa­ra ter­mi­nar: ja­nei­ro de 2019.

Na man­che­te do Es­ta­do an­te­on­tem, Pau­ta-bom­ba no Con­gres­so põe em ris­co ajus­te fis­cal,a reportagem de Fer­nan­do Na­ka­gawa e Adri­a­na Fer­nan­des, de Bra­sí­lia, re­la­ta o per­dão das dí­vi­das dos ru­ra­lis­tas, de­pois da dis­pen­sa de mul­tas e pa­ga­men­tos de par­la­men­ta­res em­pre­sá­ri­os, seus só­ci­os e com­pa­dres em ou­tro Re­fis ami­go. E, se­gun­do o tex­to, a Lei Kan­dir se­rá al­te­ra­da. Sem des­pe­sas, mas com gra­ves da­nos ao com­ba­te à corrupção, vêm, de­pois des­te fe­ri­a­do, a lei do abu­so de au­to­ri­da­de e a re­du­ção das pu­ni­ções da Fi­cha Lim­pa, só pa­ra quem a ti­ver vi­o­la­do após sua vi­gên­cia. Ro­gai por nós!

Na adap­ta­ção da obra-pri­ma de Proust, Em Bus­ca do Tem­po Per­di­do, a me­mó­ria não tem o olor das ma­de­lei­nes, mas dos mi­as­mas de uma Re­pú­bli­ca apo­dre­ci­da, con­ve­ni­en­te­men­te dis­tan­te do Bra­sil real, que não a su­por­ta mais.

Pa­ra man­ter man­da­to e fo­ro, nos­sa cas­ta po­lí­ti­ca apos­ta tu­do em leis em pro­vei­to pró­prio

JOR­NA­LIS­TA, PO­E­TA E ES­CRI­TOR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.