Con­se­lho re­vê nor­ma que dá ‘su­per­po­de­res’ ao MP

Al­vo de críticas de ma­gis­tra­dos, ad­vo­ga­dos e po­li­ci­ais, re­so­lu­ção per­mi­te que Mi­nis­té­rio Pú­bli­co fa­ça di­li­gên­ci­as e ins­pe­ções sem au­to­ri­za­ção ju­di­ci­al

O Estado de S. Paulo - - Política - Be­a­triz Bul­la / BRA­SÍ­LIA

A pro­cu­ra­do­ra-ge­ral da Re­pú­bli­ca, Ra­quel Dod­ge, de­sig­nou on­tem três in­te­gran­tes do Con­se­lho Na­ci­o­nal do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co (CNMP) pa­ra ava­li­ar su­ges­tões à re­so­lu­ção 181, que deu po­de­res a pro­cu­ra­do­res e pro­mo­to­res de fa­zer vis­to­ri­as, ins­pe­ções e di­li­gên­ci­as, além de re­qui­si­tar in­for­ma­ções e do­cu­men­tos de au­to­ri­da­des públicas e pri­va­das sem au­to­ri­za­ção ju­di­ci­al. A re­so­lu­ção é cri­ti­ca­da por en­ti­da­des li­ga­das à ma­gis­tra­tu­ra, ad­vo­ga­dos e po­li­ci­ais fe­de­rais sob ar­gu­men­to de que con­ce­de “su­per­po­de­res” ao MP nas in­ves­ti­ga­ções.

O tex­to, re­ve­la­do pe­lo Es­ta­do em 29 de ou­tu­bro, foi aprovado no fim do man­da­to do an­te­ces­sor de Ra­quel, o ex-pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca Ro­dri­go Ja­not, no âm­bi­to do CNMP.

A co­mis­são se­rá com­pos­ta pe­los con­se­lhei­ros Sil­vio Amo­rim, De­mer­val Fa­ri­as e Mar­ce­lo Wet­zel. Eles irão en­vi­ar ao con­se­lhei­ro Lau­ro Ma­cha­do as su­ges­tões de for­ma con­so­li­da­da. No iní­cio de ou­tu­bro, Ma­cha­do ha­via si­do de­sig­na­do re­la­tor do pro­ce­di­men­to que pe­dia a al­te­ra­ção da re­so­lu­ção. Ele ava­li­a­rá a aná­li­se fei­ta pela co­mis­são e vai ela­bo­rar pa­re­cer com ba­se nas su­ges­tões. Não há pra­zo pa­ra o fim des­se tra­ba­lho.

Críticas. A As­so­ci­a­ção dos Ma­gis­tra­dos Bra­si­lei­ros (AMB) e a Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil (OAB) ajui­za­ram ações no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, ques­ti­o­nan­do a re­so­lu­ção.

Pa­ra a AMB, um dos “su­per­po­de­res” cri­a­dos pela re­so­lu­ção es­tá pre­vis­to no ar­ti­go 7.º. “Ne­nhu­ma au­to­ri­da­de pú­bli­ca ou agen­te de pes­soa ju­rí­di­ca no exer­cí­cio de fun­ção pú­bli­ca po­de­rá opor ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co”. Pa­ra a en­ti­da­de, a “nor­ma per­mi­ti­ria ao MP pro­mo­ver que­bras de si­gi­lo dos in­ves­ti­ga­dos sem or­dem ju­di­ci­al”, por exem­plo.

Edi­ta­das no dia 7 de agos­to pa­ra re­gu­lar o pro­ce­di­men­to in­ves­ti­ga­tó­rio cri­mi­nal (PIC), as re­gras re­a­cen­de­ram críticas à for­ma de atu­a­ção do MP. Já no art 1.º, a re­so­lu­ção pre­vê que o PIC é “ins­tau­ra­do e pre­si­di­do pe­lo mem­bro do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co com atri­bui­ção cri­mi­nal” e ser­vi­rá “co­mo pre­pa­ra­ção e em­ba­sa­men­to pa­ra o juí­zo de pro­po­si­tu­ra, ou não, da res­pec­ti­va ação pe­nal”.

Si­gi­lo

“Nor­ma per­mi­ti­ria ao MP pro­mo­ver que­bras de si­gi­lo dos in­ves­ti­ga­dos sem or­dem ju­di­ci­al.”

NO­TA DA AMB

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.