Mor­te vi­o­len­ta de jo­vens cres­ce no Nor­des­te

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - R.J.

As es­ta­tís­ti­cas do IBGE mos­tram ain­da um con­tras­te nas mor­tes por cau­sas ex­ter­nas – co­mo ho­mi­cí­di­os, sui­cí­di­os, atro­pe­la­men­tos e aci­den­tes – no gru­po etá­rio mas­cu­li­no de 15 a 24 anos. Es­se nú­me­ro caiu sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te em Es­ta­dos co­mo São Pau­lo, Rio, Es­pí­ri­to San­to e San­ta Catarina na úl­ti­ma dé­ca­da. Mas cres­ceu 171% na Bahia. Ou­tros Es­ta­dos do Nor­des­te e do Nor­te tam­bém re­gis­tra­ram au­men­tos ex­pres­si­vos.

A ten­dên­cia já vi­nha sen­do apon­ta­da em ou­tros le­van­ta­men­tos. A re­du­ção da quan­ti­da­de de mor­tes no Sudeste e no Sul es­ta­ria re­la­ci­o­na­da aos ga­nhos so­ci­ais e à re­du­ção da de­si­gual­da­de.

“Nor­mal­men­te, a ques­tão dos ho­mi­cí­di­os não es­tá li­ga­da à po­bre­za, mas sim ao de­sem­pre­go e à de­si­gual­da­de”, ex­pli­ca o eco­no­mis­ta Mar­ce­lo Ne­ri, da Fun­da­ção Ge­tu­lio Var­gas (FGV). “No ca­so do Nor­des­te, há um cer­to mis­té­rio por­que as con­di­ções de vi­da me­lho­ra­ram. Mas é al­go que já vi­nha sen­do no­ta­do.”

A mor­ta­li­da­de mas­cu­li­na é mai­or do que a fe­mi­ni­na ao lon­go de to­da a vi­da, mas a di­fe­ren­ça é mais acen­tu­a­da en­tre os jo­vens. Con­si­de­ran­do ape­nas os óbi­tos por cau­sas ex­ter­nas, um brasileiro de 20 anos ti­nha, em 2016, 11 ve­zes mais chan­ce de não com­ple­tar os 25 anos do que uma mu­lher.

En­ve­lhe­ci­men­to. Por fim, o le­van­ta­men­to mos­tra um au­men­to do nú­me­ro de mor­tes em ge­ral no Bra­sil. Fo­ram 1.270.898 óbi­tos no ano pas­sa­do, 3,5% a mais do que em 2015 e 24,7% a mais do que em 2006. Se­gun­do a ge­ren­te da pes­qui­sa, Klí­via Bray­ner de Oliveira, os re­sul­ta­dos re­fle­tem as mu­dan­ças do per­fil de­mo­grá­fi­co do País, com o gra­du­al en­ve­lhe­ci­men­to da po­pu­la­ção e a re­du­ção da mor­ta­li­da­de in­fan­til.

Em 1976, por exem­plo, a par­ce­la da po­pu­la­ção que mais mor­ria era a de me­no­res de 5 anos (34,7%). Hoje, a mor­ta­li­da­de in­fan­til cor­res­pon­de a me­nos de 3% dos óbi­tos. A pro­por­ção de mor­tes en­tre os mai­o­res de 65 anos mais que do­brou no mes­mo pe­río­do, pas­san­do de 29,1% em 1976 pa­ra 58,5%, 40 anos de­pois. /

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.