P­NI­CO FAZ MU­LHE­RES ADIAREM GRA­VI­DEZ

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - Mônica Ber­nar­des ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO RE­CI­FE

Após dez anos de ca­sa­men­to, mui­tas con­quis­tas pes­so­ais e pro­fis­si­o­nais, os en­ge­nhei­ros per­nam­bu­ca­nos Eduardo Coim­bra, de 38 anos, e Lu­ci­a­na Cha­ves, de 36, fi­ze­ram pla­nos pa­ra cres­cer a fa­mí­lia em 2016. Mas o pro­je­to aca­bou sen­do adi­a­do por ao me­nos mais dois anos. O mo­ti­vo não foi uma cri­se no re­la­ci­o­na­men­to ou fal­ta de di­nhei­ro, mas o me­do de que a re­cen­te epi­de­mia de mi­cro­ce­fa­lia, pro­vo­ca­da pe­lo surto do zi­ka, pu­des­se ame­a­çar a saú­de do tão so­nha­do be­bê.

“Pas­sa­mos o se­gun­do se­mes­tre de 2015 nos pre­pa­ran­do física e psi­co­lo­gi­ca­men­te pa­ra ten­tar uma gra­vi­dez. Es­tá­va­mos muito fe­li­zes e aí, com o pas­sar dos me­ses, co­me­ça­mos a acom­pa­nhar as no­tí­ci­as so­bre as cen­te­nas de ca­sos de mi­cro­ce­fa­lia. En­trei em pâ­ni­co e de­ci­di não ar­ris­car”, con­tou ela. “Foi frus­tran­te, mas era ne­ces­sá­rio.”

Cha­ves já co­me­ça a re­or­ga­ni­zar os pla­nos pa­ra 2018. “En­ten­do por com­ple­to a op­ção de mi­nha mu­lher. Che­guei a pro­por que acei­tás­se­mos uma pro­pos­ta de em­pre­go fo­ra do País, que eu ha­via re­ce­bi­do, pa­ra que ela pu­des­se en­gra­vi­dar com tran­qui­li­da­de, mas pre­fe­riu es­pe­rar. Acho que, co­mo as coi­sas acal­ma­ram, con­se­gui­re­mos ter nos­so fi­lho ou fi­lha”, diz ele, que mo­ra em Olin­da, na Gran­de Re­ci­fe, que tem uma das mais al­tas ta­xas de zi­ka.

Abor­to. A quí­mi­ca Lú­cia (no­me fic­tí­cio), de 32 anos, in­ter­rom­peu uma gra­vi­dez de 24 se­ma­nas clan­des­ti­na­men­te em de­zem­bro de 2015. Ela, que mo­ra no Re­ci­fe, ha­via re­ce­bi­do o di­ag­nós­ti­co de que o be­bê ti­nha mi­cro­ce­fa­lia. “Era meu pri­mei­ro fi­lho. Nin­guém fi­ca fe­liz com es­sa de­ci­são. En­gra­vi­dei de for­ma pla­ne­ja­da. Eu e meu ma­ri­do não que­ría­mos es­se so­fri­men­to pa­ra o be­bê e pa­ra nós. Por is­so, bus­ca­mos abor­to. So­fre­mos bas­tan­te, mas hoje, ven­do a di­fi­cul­da­de de tan­tas cri­an­ças com a sín­dro­me, te­nho cer­te­za de que foi a me­lhor de­ci­são.”

Já a ar­qui­te­ta Lu­a­na Se­a­bra, de 30 anos, op­tou por ter o be­bê, ge­ra­do no Re­ci­fe, lon­ge da ter­ra na­tal. “Des­co­bri a gra­vi­dez em no­vem­bro de 2015, no au­ge da epi­de­mia. En­trei em pâ­ni­co. Co­mo a fa­mí­lia do meu ma­ri­do mo­ra nos Es­ta­dos Uni­dos, de­ci­di­mos que iría­mos nos mu­dar até que o be­bê nas­ces­se e nos sen­tís­se­mos se­gu­ros.”

JUNIOR SAN­TOS/ESTADÃO–19/2/2016

Re­cém-nas­ci­do. Per­nam­bu­co li­de­ra que­da de natalidade

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.