Equi­pe de Te­mer pe­de re­for­ma da Pre­vi­dên­cia pa­ra so­cor­rer Es­ta­dos

Es­tra­té­gia a ser su­ge­ri­da a Bol­so­na­ro é ar­gu­men­tar que aju­da fi­nan­cei­ra aos no­vos go­ver­na­do­res só te­rá efei­to se con­tas es­ta­du­ais fi­ca­rem equi­li­bra­das

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Idi­a­na To­ma­zel­li Adri­a­na Fer­nan­des Lu­ci­a­na Dy­ni­ewicz / BRA­SÍ­LIA

Com o agra­va­men­to da cri­se fi­nan­cei­ra dos Es­ta­dos, a con­ces­são de uma no­va aju­da fi­nan­cei­ra já é con­si­de­ra­da ine­vi­tá­vel pe­la atu­al equi­pe econô­mi­ca. Pe­lo me­nos se­te go­ver­na­do­res in­for­ma­ram à União que vão ex­tra­po­lar o te­to de gas­tos nes­te ano, des­cum­prin­do uma das exi­gên­ci­as le­gais pa­ra ter di­rei­to ao re­fi­nan­ci­a­men­to. A cri­se dos Es­ta­dos é agra­va­da pe­lo rápido avan­ço das des­pe­sas com sa­lá­ri­os e apo­sen­ta­do­ri­as. No ano pas­sa­do, o dis­pên­dio com apo­sen­ta­do­ri­as e pen­sões foi de R$ 162,9 bi­lhões. O cál­cu­lo é de que o dé­fi­cit fi­cou em R$ 106 bi­lhões. A es­tra­té­gia que se­rá su­ge­ri­da pe­la área econô­mi­ca de Mi­chel Te­mer ao pre­si­den­te elei­to, Jair Bol­so­na­ro, é a con­ces­são de so­cor­ro em tro­ca de apoio à re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. A ava­li­a­ção é de que es­sa re­for­ma vai aju­dar a equi­li­brar as con­tas fe­de­rais e da­rá ins­tru­men­tos aos no­vos go­ver­na­do­res pa­ra fa­zer o ajus­te fis­cal ao al­te­rar as re­gras de apo­sen­ta­do­ria no se­tor pú­bli­co.

Pou­co mais de dois anos após a re­ne­go­ci­a­ção da dí­vi­da dos Es­ta­dos com a União, um no­vo so­cor­ro aos go­ver­nos es­ta­du­ais já é con­si­de­ra­do ine­vi­tá­vel pe­la atu­al equi­pe econô­mi­ca. Pe­lo me­nos se­te go­ver­na­do­res já in­for­ma­ram à União que vão ex­tra­po­lar o li­mi­te de gas­tos es­ta­be­le­ci­do pe­lo go­ver­no fe­de­ral co­mo exi­gên­cia pa­ra ade­rir ao pro­gra­ma de re­fi­nan­ci­a­men­to. A es­tra­té­gia que se­rá su­ge­ri­da pe­la equi­pe de Mi­chel Te­mer ao pre­si­den­te elei­to é con­ce­der um no­vo res­ga­te em tro­ca de apoio à re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

A equi­pe de Jair Bol­so­na­ro já foi aler­ta­da de que a cri­se fi­nan­cei­ra dos Es­ta­dos – agra­va­da pe­lo rápido avan­ço dos gas­tos com sa­lá­ri­os e apo­sen­ta­do­ri­as – se­rá um dos primeiros e mai­o­res de­sa­fi­os do no­vo go­ver­no.

No ano pas­sa­do, os gas­tos com apo­sen­ta­do­ri­as e pen­sões nos Es­ta­dos atin­giu a mar­ca de R$ 162,9 bi­lhões. O dé­fi­cit fi­cou em R$ 106 bi­lhões, se­gun­do le­van­ta­men­to do eco­no­mis­ta Pau­lo Taf­ner, au­tor de uma das pro­pos­tas de re­for­ma pre­vi­den­ciá­ria en­tre­gue a Pau­lo Gu­e­des, fu­tu­ro mi­nis­tro da Eco­no­mia.

O qua­dro é mais gra­ve que na União, que já ajus­tou al­gu­mas re­gras no pas­sa­do e aca­bou com a pos­si­bi­li­da­de de servidores que in­gres­sa­ram após 2013 se apo­sen­ta­rem com be­ne­fí­cio aci­ma do te­to do INSS. Na mai­o­ria dos Es­ta­dos, is­so ain­da é per­mi­ti­do pa­ra to­dos os servidores.

Um re­la­tó­rio do Te­sou­ro Na­ci­o­nal di­vul­ga­do na semana pas­sa­da mos­tra que, em 2017, 16 Es­ta­dos e o Dis­tri­to Fe­de­ral des­ti­na­ram mais de 60% da re­cei­ta pa­ra pa­gar servidores, o que não é per­mi­ti­do pe­la Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal. Ao com­pro­me­ter a mai­or par­te da re­cei­ta com pes­so­al, so­bra ca­da vez me­nos pa­ra man­ter o fun­ci­o­na­men­to de ser­vi­ços bá­si­cos que es­tão sob a res­pon­sa­bi­li­da­de dos Es­ta­dos, co­mo se­gu­ran­ça e edu­ca­ção.

Al­guns go­ver­na­do­res já es­tão pro­cu­ran­do o go­ver­no fe­de­ral des­de ago­ra pa­ra ten­tar al­gum ti­po de re­ne­go­ci­a­ção, so­bre­tu­do por­que a pers­pec­ti­va é de agra­va­men­to da cri­se fi­nan­cei­ra em 2019. A ava­li­a­ção na equi­pe econô­mi­ca, po­rém, é que a União não tem ne­nhu­ma obri­ga­ção de dar al­gum alí­vio an­tes da apro­va­ção da Pre­vi­dên­cia, que não só aju­da­rá a equi­li­brar as con­tas fe­de­rais, mas tam­bém da­rá ins­tru­men­tos aos no­vos go­ver­na­do­res pa­ra fa­zer o ajus­te fis­cal ao al­te­rar as re­gras de apo­sen­ta­do­ria no se­tor pú­bli­co.

Pa­ra dar um alí­vio ime­di­a­to aos Es­ta­dos, a equi­pe de tran­si­ção es­tá sen­do acon­se­lha­da a apoi­ar um pro­je­to que cria uma con­tri­bui­ção pre­vi­den­ciá­ria com­ple­men­tar pa­ra servidores pú­bli­cos fe­de­rais. O li­mi­te ho­je é de 14% – que é a re­fe­rên­cia pa­ra os Es­ta­dos –, e po­de­ria che­gar, nes­se ca­so, a 22%. Bol­so­na­ro dis­se na sex­ta-fei­ra, po­rém, que ele­var a alí­quo­ta a 22% se­ria “um ab­sur­do” e que de­ve apro­vei­tar pou­ca coi­sa da pro­pos­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.