As ra­zões pa­ra o ve­to

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

Além do des­ca­so com as fi­nan­ças pú­bli­cas, o re­a­jus­te de 16,38% pa­ra os mi­nis­tros do STF fe­re a Cons­ti­tui­ção. Há, as­sim, mo­ti­vo téc­ni­co cris­ta­li­no pa­ra que o pre­si­den­te Te­mer ve­te o imo­ral re­a­jus­te.

Além do des­ca­so com as fi­nan­ças pú­bli­cas e da in­di­fe­ren­ça com a si­tu­a­ção dos mais de 12 mi­lhões de de­sem­pre­ga­dos no País, o au­men­to de 16,38% do sa­lá­rio dos mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), apro­va­do pe­lo Con­gres­so na quar­ta-fei­ra pas­sa­da, fe­re a Cons­ti­tui­ção. Há, as­sim, um mo­ti­vo téc­ni­co cris­ta­li­no pa­ra que o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer ve­te o imo­ral re­a­jus­te – os atos do Po­der Le­gis­la­ti­vo de­vem se sub­me­ter aos man­da­men­tos cons­ti­tu­ci­o­nais.

O art. 169 da Cons­ti­tui­ção es­ta­be­le­ce que “a des­pe­sa com pes­so­al ati­vo e ina­ti­vo da União, dos Es­ta­dos, do Dis­tri­to Fe­de­ral e dos Mu­ni­cí­pi­os não po­de­rá ex­ce­der os li­mi­tes es­ta­be­le­ci­dos em lei com­ple­men­tar”. E o § 1.º do mesmo ar­ti­go as­se­gu­ra que a con­ces­são de qual­quer van­ta­gem ou au­men­to de re­mu­ne­ra­ção pe­los ór­gãos da ad­mi­nis­tra­ção di­re­ta ou in­di­re­ta só po­de­rá ser fei­ta se hou­ver pré­via do­ta­ção or­ça­men­tá­ria su­fi­ci­en­te pa­ra aten­der às pro­je­ções de des­pe­sa de pes­so­al e aos acrés­ci­mos de­la de­cor­ren­tes e se hou­ver au­to­ri­za­ção es­pe­cí­fi­ca na Lei de Di­re­tri­zes Or­ça­men­tá­ri­as (LDO), res­sal­va­das as em­pre­sas pú­bli­cas e as so­ci­e­da­des de eco­no­mia mis­ta.

A Lei de Di­re­tri­zes Or­ça­men­tá­ri­as de 2019 não con­tém ne­nhu­ma au­to­ri­za­ção pa­ra o au­men­to do sub­sí­dio dos mi­nis­tros do STF. Va­le lem­brar que o re­a­jus­te apro­va­do na quar­ta-fei­ra pas­sa­da pe­lo Con­gres­so al­te­ra a re­mu­ne­ra­ção de to­dos os juí­zes do País – e is­so tam­bém não es­tá pre­vis­to na LDO de 2019.

Co­mo se não bas­tas­se, o pa­re­cer apre­sen­ta­do no Se­na­do so­bre o pro­je­to de lei que con­ce­deu o re­a­jus­te de 16,38%, de au­to­ria do se­na­dor Fer­nan­do Be­zer­ra (MDB-PE), tam­bém não com­pro­va que o tal au­men­to res­pei­ta o te­to de gas­tos cri­a­do pe­la Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal (EC) 95/2016. Nos es­tu­dos cons­tan­tes do re­la­tó­rio não há ne­nhu­ma ava­li­a­ção so­bre o im­pac­to do re­a­jus­te no Or­ça­men­to de 2019 e dos anos se­guin­tes. O que há são es­tu­dos an­ti­gos, an­te­ri­o­res à pró­pria EC 95/2016.

Ig­no­rar es­sa evi­den­te in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de con­ti­da no au­men­to do sa­lá­rio dos mi­nis­tros do STF se­ria dar azo a uma ig­nó­bil con­tra­di­ção. O ci­da­dão sustenta, por meio dos im­pos­tos, a Su­pre­ma Cor­te. Tra­ta-se de um gas­to sig­ni­fi­ca­ti­vo pa­ra que a Cons­ti­tui­ção se­ja de­fen­di­da. Co­mo se sa­be, a pri­mor­di­al ta­re­fa do STF é ser o guar­dião da Cons­ti­tui­ção. Ora, es­se au­men­to in­cons­ti­tu­ci­o­nal faz com que a pró­pria ma­nu­ten­ção do Su­pre­mo des­res­pei­te o pre­vis­to na Cons­ti­tui­ção. Não faz ne­nhum sen­ti­do que o ci­da­dão se­ja obri­ga­do a sus­ten­tar de for­ma ain­da mais one­ro­sa um Su­pre­mo por for­ça de um re­a­jus­te sa­la­ri­al dos mi­nis­tros con­ce­di­do à re­ve­lia da Cons­ti­tui­ção.

Pro­fes­sor de Di­rei­to Cons­ti­tu­ci­o­nal, o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer co­nhe­ce a im­por­tân­cia da es­tri­ta obe­di­ên­cia aos man­da­men­tos da Cons­ti­tui­ção. Não ca­bem sub­ter­fú­gi­os pa­ra bur­lar par­te do tex­to cons­ti­tu­ci­o­nal, mui­to es­pe­ci­al­men­te se o te­ma se re­fe­re ao pró­prio STF, que de­ve ser mo­de­lo ir­re­pre­en­sí­vel de cum­pri­men­to da Car­ta Mag­na.

Sempre, mas de for­ma es­pe­ci­al nos tem­pos em que vi­ve­mos, o País ne­ces­si­ta de um Su­pre­mo vi­go­ro­so, que cum­pra com de­no­do seu pa­pel de guar­dião da Cons­ti­tui­ção. Por is­so, é im­pres­cin­dí­vel pre­ser­var a au­to­ri­da­de do STF. Não se po­de per­mi­tir que os mi­nis­tros que têm por mis­são ava­li­ar a cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de das leis, com im­pac­to so­bre to­da a po­pu­la­ção, re­ce­bam sol­dos con­ce­di­dos à re­ve­lia da Car­ta.

O au­men­to con­ce­di­do pe­lo Con­gres­so foi um des­ca­so com a coi­sa pú­bli­ca, es­pe­ci­al­men­te pe­las cir­cuns­tân­ci­as en­vol­vi­das, nes­se fi­nal de le­gis­la­tu­ra. A vo­ta­ção de quar­ta-fei­ra pas­sa­da mais pa­re­ceu uma des­for­ra após as elei­ções, co­mo se o fi­nal de man­da­to per­mi­tis­se um no­vo grau de de­bo­che com as con­tas pú­bli­cas e a cri­se econô­mi­ca e so­ci­al que o País atra­ves­sa. É es­pe­ci­al­men­te tris­te es­sa si­tu­a­ção, que vi­o­la o sen­ti­do de re­pre­sen­ta­ção po­pu­lar exis­ten­te no man­da­to par­la­men­tar, pre­ci­sa­men­te por dei­xar o ci­da­dão in­de­fe­so. Ele já foi às ur­nas e, de ime­di­a­to, na­da po­de­rá fa­zer con­tra o par­la­men­tar que vo­tou con­tra o interesse pú­bli­co.

No en­tan­to, o que se tem aqui é mais do que me­ro des­res­pei­to aos in­te­res­ses do ci­da­dão. Há uma de­so­be­di­ên­cia à Cons­ti­tui­ção, o que, num Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to, é inad­mis­sí­vel. Que o au­men­to re­ce­ba o de­vi­do ve­to pre­si­den­ci­al – e a Cons­ti­tui­ção se­ja cum­pri­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.