Co­mér­cio eco­no­mi­za R$ 1 bi com re­for­ma

Es­tu­do da CNC con­si­de­ra ga­nhos ob­ti­dos com a queda do nú­me­ro de pro­ces­sos tra­ba­lhis­tas na Jus­ti­ça; no­vas re­gras que mu­da­ram a CLT en­tra­ram em vi­gor há exa­ta­men­te um ano

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Már­cia De Chi­a­ra CO­LA­BO­ROU C.S.

As em­pre­sas do co­mér­cio eco­no­mi­za­ram nes­te ano, até agos­to, R$ 748,7 mi­lhões em in­de­ni­za­ções aos em­pre­ga­dos por cau­sa da re­for­ma tra­ba­lhis­ta, que en­trou em vi­gor há exa­ta­men­te um ano, no dia 11 de no­vem­bro de 2017. Até o fim des­te ano, es­sa re­du­ção de gas­tos po­de che­gar a qua­se R$ 1 bi­lhão.

Es­sa é a prin­ci­pal con­clu­são de es­tu­do da Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal do Co­mér­cio (CNC) fei­to pa­ra ava­li­ar os im­pac­tos do pri­mei­ro ano de vi­gên­cia da re­for­ma tra­ba­lhis­ta. “R$ 1 bi­lhão de re­du­ção de gas­tos com in­de­ni­za­ções tra­ba­lhis­tas é mui­to e po­de me­lho­rar o cai­xa das em­pre­sas do co­mér­cio”, diz o eco­no­mis­ta-che­fe da CNC, Fa­bio Ben­tes, res­pon­sá­vel pe­lo es­tu­do.

Pa­ra cal­cu­lar o cor­te nas des­pe­sas com in­de­ni­za­ções, Ben­tes con­si­de­rou a re­tra­ção de mais de 30% nes­te ano no nú­me­ro de pro­ces­sos tra­ba­lhis­tas e o va­lor médio das in­de­ni­za­ções pa­gas na Jus­ti­ça. Tam­bém le­vou em con­ta o to­tal de­sem­bol­sa­do no ano pas­sa­do pe­lo co­mér­cio com res­ci­sões, que in­clui pro­ces­sos que cor­rem na Jus­ti­ça e

acer­tos fei­tos di­re­ta­men­te en­tre em­pre­sa e em­pre­ga­do.

Em 2017, o co­mér­cio pa­gou R$ 9,3 bi­lhões de in­de­ni­za­ções tra­ba­lhis­tas, se­gun­do da­dos do IBGE. Des­se to­tal, um ter­ço foi por con­ta de in­de­ni­za­ções pa­gas na Jus­ti­ça e dois ter­ços de res­ci­sões fe­cha­das en­tre em­pre­ga­dos e em­pre­ga­do­res. “Co­mo a le­gis­la­ção fi­cou mais fle­xí­vel, os pa­ga­men­tos di­re­tos tam­bém caí­ram”, diz Ben­tes.

O es­tu­do tam­bém con­cluiu que o ga­nho no sa­lá­rio inicial ob­ti­do pe­los tra­ba­lha­do­res for­mais ad­mi­ti­dos co­mo in­ter­mi­ten­tes ou em re­gi­me de tem­po par­ci­al – mo­da­li­da­des de con­tra­to in­tro­du­zi­das pe­la re­for­ma – é mai­or em re­la­ção ao sa­lá­rio médio da eco­no­mia.

En­tre abril e se­tem­bro, os tra­ba­lha­do­res ad­mi­ti­dos em con­tra­tos in­ter­mi­ten­tes ini­ci­a­ram com sa­lá­rio de R$ 906,82, li­gei­ra­men­te aci­ma do va­lor médio do to­tal de ad­mi­ti­dos pe­lo mer­ca­do for­mal no mesmo pe­río­do (R$ 899,24). No ca­so de con­tra­tos por tem­po par­ci­al, a re­mu­ne­ra­ção mé­dia foi de R$ 1.004,36, com ga­nho de 20,5% com­pa­ra­do ao sa­lá­rio re­ce­bi­do por tra­ba­lha­do­res for­mais com jor­na­das de 16 a 20 ho­ras se­ma­nais.

Os da­dos são do Ca­das­tro Ge­ral de Em­pre­ga­dos e De­sem­pre­ga­dos do Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho. Ben­tes ava­li­ou os da­dos a par­tir de abril pa­ra ter in­for­ma­ções mais con­sis­ten­tes, re­la­ci­o­na­das a um pe­río­do de seis me­ses de vi­gên­cia da re­for­ma.

“A re­for­ma não frus­trou o tra­ba­lha­dor, pe­lo con­trá­rio. Nas no­vas mo­da­li­da­des de con­tra­tos o sa­lá­rio médio foi um pou­co mai­or”, diz Ben­tes. Ele atri­bui o ga­nho na re­mu­ne­ra­ção à eco­no­mia nos en­car­gos que hou­ve pa­ra o em­pre­ga­dor ao apli­car as no­vas mo­da­li­da­des de con­tra­ta­ção. Mas, do pon­to de vis­ta de ge­ra­ção de va­gas, a re­for­ma não en­gre­nou, mos­tra o es­tu­do. Me­nos de 1% das va­gas for­mais aber­tas en­tre abril e se­tem­bro fo­ram in­ter­mi­ten­tes ou por tem­po par­ci­al, si­tu­a­ção cre­di­ta­da por Ben­tes à fra­que­za da eco­no­mia.

Sel­va­gem. O pre­si­den­te do Sin­di­ca­to dos Em­pre­ga­dos no Co­mér­cio de São Pau­lo, Ricardo Pa­tah, diz que a queda nas ações em ra­zão da in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca de­ve se re­ver­ter no pró­xi­mo ano. A en­ti­da­de pre­pa­ra di­ver­sas ações co­le­ti­vas, en­vol­ven­do cer­ca de 5 mil co­mer­ciá­ri­os, e questiona vá­ri­os itens, co­mo o tra­ba­lho in­ter­mi­ten­te. “Tem uma em­pre­sa que con­tra­tou in­ter­mi­ten­tes pa­gan­do R$ 4,85 por hora, pa­ra pe­río­do de 5 ho­ras se­ma­nais. O tra­ba­lha­dor re­ce­be R$ 100 por mês, mas, se qui­ser par­ti­ci­par do sis­te­ma pre­vi­den­ciá­rio tem de re­co­lher R$ 80”, diz. “É uma for­ma sel­va­gem de con­tra­ta­ção.”

O sin­di­ca­lis­ta, que tam­bém pre­si­de a cen­tral UGT, diz que, ape­sar de ser con­tra o que cha­ma de “fá­bri­ca de ações”, es­se “ga­nho co­me­mo­ra­do de R$ 1 bi­lhão vai ser eva­po­ra­do no ano que vem”. /

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.