In­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al já faz tra­ba­lho cri­a­ti­vo

Com uso de bi­bli­o­te­cas de da­dos, má­qui­nas cri­am de obras de ar­te a per­fu­mes; pa­ra es­pe­ci­a­lis­tas, po­rém, elas não subs­ti­tui­rão hu­ma­nos

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Bru­no Ca­pe­las

Vo­cê usa­ria um per­fu­me fei­to por al­guém sem ol­fa­to? A par­tir do ano que vem, esta se­rá a pro­pos­ta que o Gru­po Bo­ti­cá­rio vai fa­zer aos bra­si­lei­ros. A em­pre­sa de­ve lan­çar dois per­fu­mes cri­a­dos com aju­da da Phy­li­ra, sis­te­ma de in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al da IBM. É ape­nas um dos mui­tos exem­plos do uso de com­pu­ta­do­res em ta­re­fas cri­a­ti­vas. Ho­je, as má­qui­nas tam­bém es­tão pre­sen­tes em ati­vi­da­des co­mo mú­si­ca, li­te­ra­tu­ra e pin­tu­ra, de­sa­fi­an­do a fron­tei­ra en­tre o hu­ma­no e o ar­ti­fi­ci­al.

No ca­so do Bo­ti­cá­rio, que tra­ba­lhou em par­ce­ria com a IBM e a casa de per­fu­mes ale­mã Sym­ri­se, a in­ten­ção era usar má­qui­nas pa­ra cri­ar dois per­fu­mes unis­sex, pa­ra o pú­bli­co jo­vem. “En­si­na­mos o com­pu­ta­dor o pro­ces­so de cri­a­ção de uma fra­grân­cia e in­se­ri­mos da­dos so­bre as mais de 3 mil ma­té­ri­as­pri­mas que usa­mos”, con­ta Je­an Bu­e­no, ge­ren­te de per­fu­ma­ria da em­pre­sa. A má­qui­na tam­bém re­ce­beu in­for­ma­ções so­bre ven­das e re­cep­ção de pro­du­tos nos úl­ti­mos anos.

O re­sul­ta­do de­sa­fi­ou pa­drões: uma das fra­grân­ci­as, com per­fil mais fres­co, pre­fe­ri­do pe­lo pú­bli­co mas­cu­li­no, con­ti­nha jas­mim – in­gre­di­en­te nor­mal­men­te usa­do em per­fu­mes mais ado­ci­ca­dos. “Nun­ca usa­ría­mos jas­mim nu­ma fra­grân­cia mas­cu­li­na, mas fun­ci­o­nou”, afir­ma Bu­e­no.

A em­pre­sa tam­bém viu van­ta­gens no tem­po de cri­a­ção dos pro­du­tos, que têm lan­ça­men­to pre­vis­to pa­ra o pri­mei­ro se­mes­tre de 2019: fo­ram cin­co me­ses de tra­ba­lho, me­nos da me­ta­de da mé­dia pa­ra es­se ti­po de pro­du­to. Mas o pró­prio es­pe­ci­a­lis­ta re­co­nhe­ce: “No­ven­ta e oi­to por cen­to do tra­ba­lho foi da má­qui­na, mas os 2% do per­fu­mis­ta fo­ram fun­da­men­tais. É a sen­si­bi­li­da­de de­le que dá o to­que fi­nal.”

É o ti­po de fra­se que faz res­pi­rar ali­vi­a­do, ao me­nos por ago­ra, quem tem me­do de ser subs­ti­tuí­do por um robô – al­go que afe­ta pro­fis­sões co­mo aten­den­tes de te­le­mar­ke­ting, mo­to­ris­tas de tá­xi e re­cep­ci­o­nis­tas. “Já es­tá cla­ro que a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al vai pou­par os hu­ma­nos de fa­zer ta­re­fas cha­tas e re­pe­ti­ti­vas”, diz Ja­nel­le Sha­ne, pes­qui­sa­do­ra in­de­pen­den­te de in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al. “Por outro lado, ela se­rá uma fer­ra­men­ta po­de­ro­sa pa­ra a cri­a­ção, co­mo as câ­me­ras fo­to­grá­fi­cas fo­ram há cem anos.”

Parceiro. O gru­po de ar­tis­tas Bot­nik Stu­di­os, que há anos pes­qui­sa

o uso de in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al pa­ra a cri­a­ção de tex­tos, apos­ta nes­sa “par­ce­ria”. Um de seus ex­pe­ri­men­tos é o Voi­ce­box, sis­te­ma que su­ge­re pa­la­vras pa­ra es­cri­to­res, co­mo fa­zem

To­que fi­nal. As­si­na­tu­ra na pin­tu­ra do Ob­vi­ous, fei­ta por com­pu­ta­dor, é al­go­rit­mo usa­do pa­ra cri­a­ção da te­la

os cor­re­to­res or­to­grá­fi­cos pa­ra smartpho­nes. A di­fe­ren­ça é que o Voi­ce­box usa uma bi­bli­o­te­ca es­pe­cí­fi­ca de con­teú­do – co­mo os li­vros de Har­ry Pot­ter, por exem­plo. “A gran­de van­ta­gem de usar a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al é se sen­tir acom­pa­nha­do de um parceiro de ideias”, dis­se El­le O’Bri­en, ci­en­tis­ta che­fe do gru­po, ao Es­ta­do. “O Voi­ce­box em si não é ar­te, mas as pes­so­as con­se­guem cri­ar ar­te com ele.”

Há tam­bém o ca­so do gru­po fran­cês Ob­vi­ous, que há um mês ven­deu em um lei­lão a pri­mei­ra obra fei­ta por uma in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al. Re­a­li­za­do pe­la casa Ch­ris­tie’s, o re­tra­to Ed­mond de Be­lamy, from La Fa­mi­lie de Be­lamy foi ar­re­ma­ta­do por US$ 432,5 mil – mais do que obras de Andy Warhol e Roy Li­ch­tens­tein ofe­re­ci­das no even­to. O qua­dro, da mesma co­le­ção da pin­tu­ra que se vê ao lado, foi ge­ra­do por uma má­qui­na que foi ex­pos­ta a inú­me­ros re­tra­tos fei­tos en­tre os sé­cu­los 14 e 20. “Se eu fe­char um olho, até pa­re­ce um Rem­brandt”, dis­se a his­to­ri­a­do­ra da ar­te Fré­dé­ri­que Baum­gart­ner ao NYT.

Imi­ta­ção. A com­pa­ra­ção com as obras do pin­tor ho­lan­dês não é des­ca­bi­da – e evi­den­cia as li­mi­ta­ções de sis­te­mas que usam o apren­di­za­do de má­qui­na pa­ra a cri­a­ção. É preciso que um ser hu­ma­no “en­si­ne” a pla­ta­for­ma. De­pois, es­se sis­te­ma pre­ci­sa ser ali­men­ta­do com uma bi­bli­o­te­ca de con­teú­do – tex­tos, ima­gens ou “odo­res”. A par­tir des­ses da­dos, a má­qui­na po­de apren­der e imi­tar pa­drões, ain­da que de for­ma ru­di­men­tar (leia mais abai­xo).

Há quem di­ga que es­se pro­ces­so é su­fi­ci­en­te pa­ra di­zer que uma má­qui­na é cri­a­ti­va. Pa­ra Luís da Cu­nha Lamb, es­pe­ci­a­lis­ta da So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Com­pu­ta­ção (SBC), não é bem as­sim. “Ain­da não te­mos um sis­te­ma capaz de fa­zer o que ar­tis­tas im­pres­si­o­nis­tas fi­ze­ram ao re­tra­tar, de for­ma di­fe­ren­te, a re­a­li­da­de que já co­nhe­ci­am. Não ve­jo uma in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al cri­an­do uma es­co­la ar­tís­ti­ca num fu­tu­ro pró­xi­mo.” Há quem acre­di­te que as má­qui­nas pos­sam se tor­nar tão po­de­ro­sas a pon­to de vol­ta­rem-se con­tra os se­res hu­ma­nos – co­mo Elon Musk, po­lê­mi­co fun­da­dor da Tesla. Mas, pa­ra Ja­nel­le Sha­ne, a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al se­rá sempre uma fer­ra­men­ta e nun­ca uma for­ça cri­a­do­ra po­de­ro­sa.

IBM

Chei­ri­nho. Sis­te­ma Phy­li­ra, da IBM: cri­a­ção de per­fu­mes

CH­RIS­TI­AN HART­MANN / REU­TERS – 21/9/2018

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.