‘Sempre gos­tei de es­tu­dar e ti­nha di­fi­cul­da­de em Por­tu­guês’

Fo­ram 21 su­ges­tões pu­bli­ca­das no jor­nal de 1971 a 1976

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Ed­mun­do Lei­te

Atar­de de 30 de se­tem­bro de 1971 foi es­pe­ci­al pa­ra o jo­vem en­tre­ga­dor de jor­nais de El­do­ra­do Pau­lis­ta. Pe­da­lan­do pe­las ru­as da pe­que­na ci­da­de, o ra­paz de 16 anos ti­nha al­go a mais pa­ra en­tre­gar aos 32 as­si­nan­tes do diá­rio pau­lis­ta­no no mu­ni­cí­pio, que che­ga­ra às 13 ho­ras pe­lo ôni­bus vin­do da ca­pi­tal na­que­la quin­ta-fei­ra. Na ca­pa, a man­che­te prin­ci­pal do Es­ta­do di­zia em le­tras gran­des, di­re­to de Washing­ton, que o Bra­sil iria li­de­rar o ter­cei­ro mun­do nas negociações pa­ra re­for­mu­lar o sis­te­ma fi­nan­cei­ro mun­di­al, en­quan­to nos ou­tros des­ta­ques a guer­ra fria da­va as caras nas no­tí­ci­as in­ter­na­ci­o­nais e até no es­por­te, com o con­fron­to en­tre en­xa­dris­tas da Rús­sia e dos Es­ta­dos Uni­dos.

Mas a no­tí­cia que in­te­res­sa­va ao ado­les­cen­te na­que­le dia es­ta­va na pá­gi­na 39. Não era pro­pri­a­men­te uma no­tí­cia, mas um pro­ble­ma de pa­la­vras cru­za­das que tra­zia na as­si­na­tu­ra o no­me do jo­vem lei­tor que a en­vi­a­ra ao jor­nal: Jair M. Bol­so­na­ro. Se­ria a pri­mei­ra de mui­tas. Cur­san­do o ci­en­tí­fi­co – atu­al en­si­no médio – e ga­nhan­do seus tro­ca­dos com tra­ba­lhos co­mo a en­tre­ga do jor­nal e co­le­ta de pal­mi­to e ma­ra­cu­já, Bol­so­na­ro achou nas pa­la­vras cru­za­das um hobby que lhe to­ma­va cin­co ho­ras quan­do de­ci­dia mon­tar um pro­ble­ma pa­ra ten­tar que fos­se pu­bli­ca­do com o de ou­tros lei­to­res. Com o di­a­gra­ma con­cluí­do, ele ia ao cor­reio pos­tar a car­ta. Aí, eram cer­ca de 15 di­as olhan­do o jor­nal di­a­ri­a­men­te. “Eu vi­via na an­si­e­da­de. E, en­tão, quan­do era pu­bli­ca­do, eu de­mo­ra­va mais pa­ra en­tre­gar o jor­nal. Por­que eu ba­tia na por­ta de to­do mun­do e fa­la­va ‘olha na pá­gi­na tal, tem ma­te­ri­al de El­do­ra­do Pau­lis­ta’”, re­lem­bra aos ri­sos o ago­ra pre­si­den­te elei­to, em en­tre­vis­ta por te­le­fo­ne.

Com a prá­ti­ca ca­da vez mais apri­mo­ra­da e um ca­der­no pró­prio com ban­co de pa­la­vras, Bol­so­na­ro te­ria seu me­lhor de­sem­pe­nho em 1972, quan­do con­se­guiu pu­bli­car no­ve pro­ble­mas de fe­ve­rei­ro a no­vem­bro. Até 1976, quan­do já es­ta­va no Exér­ci­to, fo­ram 21 pa­la­vras cru­za­das no jor­nal. Nos qua­dra­di­nhos, ex­pres­sões que ho­je po­dem ser as­so­ci­a­das à sua tra­je­tó­ria, co­mo “mi­to”, “mu­nir de ar­mas” e os ver­bos “amar” e “orar”, não eram pre­vi­a­men­te pen­sa­dos, mas en­cai­xa­dos on­de fos­se pos­sí­vel. “No co­me­ço é fá­cil. Du­ro é lá em­bai­xo, quan­do tem de fe­char num can­to qual­quer. Vo­cê tem de pesquisar.”

Li­ve. Bol­so­na­ro ci­tou em ví­deo, na sex­ta-fei­ra, as pa­la­vras cru­za­das, no tre­cho em que fa­la­va so­bre mu­dan­ças na Edu­ca­ção. “Mo­ti­vo de or­gu­lho pa­ra mi­nha fa­mí­lia quan­do meu no­me saía no jor­nal.”

ACER­VO JAIR BOL­SO­NA­RO

Hobby. Mesmo no Exér­ci­to, Bol­so­na­ro en­vi­a­va pa­la­vras cru­za­das pa­ra o ‘Es­ta­do’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.