‘DE­CI­SÃO DO STF É ALER­TA PA­RA OS TIRÂNICOS’

Ma­nu­el Al­ceu Af­fon­so Fer­rei­ra, ad­vo­ga­do

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Gil­ber­to Amen­do­la

Ade­ci­são do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) que der­ru­bou cen­su­ra im­pos­ta ao Es­ta­do de­ve “ser­vir de aler­ta pa­ra aque­les que têm pen­do­res tirânicos”, afir­mou o ad­vo­ga­do do Gru­po Es­ta­do, Ma­nu­el Al­ceu Af­fon­so Fer­rei­ra. O jor­nal es­ta­va proi­bi­do de pu­bli­car in­for­ma­ções da Ope­ra­ção Boi Bar­ri­ca en­vol­ven­do Fer­nan­do Sar­ney, fi­lho do ex-pre­si­den­te José Sar­ney (MDB), des­de 2009. “Foi um pro­ces­so cheio de in­ci­den­tes, que tal­vez jus­ti­fi­que um tem­po a mais. Mas hou­ve exa­ge­ro”, dis­se Fer­rei­ra. Pa­ra ele, a de­ci­são é fun­da­men­tal pa­ra to­da a im­pren­sa.

O ad­vo­ga­do do Gru­po Es­ta­do, Ma­nu­el Al­ceu Af­fon­so Fer­rei­ra, afir­mou que “de­ci­sões co­mo a do Su­pre­mo de­vem ser­vir de aler­ta pa­ra aque­les que têm pen­do­res tirânicos”, ao se re­fe­rir à de­ci­são do mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral Ricardo Lewan­dows­ki de der­ru­bar a cen­su­ra im­pos­ta ao jor­nal O Es­ta­do de S.Pau­lo – que es­ta­va proi­bi­do de pu­bli­car in­for­ma­ções da Ope­ra­ção Boi Bar­ri­ca en­vol­ven­do o em­pre­sá­rio Fer­nan­do Sar­ney, fi­lho do ex-pre­si­den­te José Sar­ney (MDB).

A de­ci­são foi divulgada na quin­ta-fei­ra pas­sa­da, de­pois de o jor­nal com­ple­tar 3.327 di­as sob cen­su­ra por de­ter­mi­na­ção do Tri­bu­nal de Jus­ti­ça do Dis­tri­to Fe­de­ral e dos Ter­ri­tó­ri­os. “Fo­ram no­ve anos com mui­tos in­ci­den­tes. Eu acho que, em par­te, é o tem­po da jus­ti­ça, mas em pou­ca par­te”, dis­se Fer­rei­ra.

Pa­ra o ad­vo­ga­do, a de­ci­são te­ve um as­pec­to fun­da­men­tal: “Per­mi­tir que a im­pren­sa pu­bli­que o re­sul­ta­do de su­as in­ves­ti­ga­ções”, dis­se. “Se a in­for­ma­ção che­gou ao veí­cu­lo de im­pren­sa sem que se apon­tas­se qual­quer par­ti­ci­pa­ção do pró­prio veí­cu­lo na rup­tu­ra des­se segredo (de jus­ti­ça), ele (o segredo) tem que ser re­ve­la­do. Is­so é mais do que uma obri­ga­ção. É um de­ver”, com­ple­tou. Leia a se­guir a en­tre­vis­ta.

• Co­mo o se­nhor re­ce­beu a no­tí­cia do fim da cen­su­ra im­pos­ta ao jor­nal O Es­ta­do de S. Pau­lo?

Vo­cê sa­be o que me veio na ca­be­ça quan­do eu to­mei co­nhe­ci­men­to des­sa de­ci­são? O le­ma dos In­con­fi­den­tes mi­nei­ros: Li­ber­da­de Ain­da Que Tar­dia. De­mo­rou tan­to... São no­ve anos. A ma­té­ria é de ju­lho de 2009. Fo­ram no­ve anos com mui­tos in­ci­den­tes.

• No­ve anos não é tem­po de­mais?

Eu acho que, em par­te, é o tem­po da jus­ti­ça, mas em pou­ca par­te. Eles (ad­vo­ga­dos de Fer­nan­do Sar­ney) che­ga­ram a de­sis­tir da ação. Mas nós nos opo­mos a is­so – di­zen­do que a me­ra de­sis­tên­cia não bas­ta­va. O que nós que­ría­mos é que ele re­nun­ci­as­se a cen­su­ra que fez. En­tão, foi um pro­ces­so cheio de in­ci­den­tes que tal­vez jus­ti­fi­que um tem­po a mais. Mas hou­ve exa­ge­ro.

• O se­nhor sempre te­ve cer­te­za de que o re­sul­ta­do se­ria po­si­ti­vo?

Eu con­fi­ei des­de o iní­cio. Eu acha­va que no fi­nal a ra­zo­a­bi­li­da­de, que é uma mola mes­tra da ci­ên­cia ju­rí­di­ca, ha­via de pre­va­le­cer. E foi o que acon­te­ceu.

• Qual foi o pa­pel do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) nes­se pro­ces­so?

O Su­pre­mo re­a­fir­mou aqui­lo que vem de­ci­din­do ul­ti­ma­men­te em vá­ri­os acór­dãos li­de­ra­dos pe­lo mi­nis­tro Cel­so de Mel­lo e pe­lo mi­nis­tro Luís Ro­ber­to Bar­ro­so. Se a re­cla­ma­ção de 2009 ti­ves­se si­do aco­lhi­da, o tem­po se­ria bem me­nor. Mas o pa­pel do STF foi mui­to po­si­ti­vo – não só pa­ra o jor­nal, mas pa­ra o im­pren­sa em ge­ral e o jor­na­lis­mo in­ves­ti­ga­ti­vo.

• O que es­sa de­ci­são sig­ni­fi­ca pa­ra o mo­men­to po­lí­ti­co do País?

Pa­ra a im­pren­sa tem um as­pec­to fun­da­men­tal – que é o de per­mi­tir que a im­pren­sa pu­bli­que o re­sul­ta­do de su­as in­ves­ti­ga­ções. Mesmo que as pro­vas es­te­jam sob segredo de jus­ti­ça, o des­ti­na­tá­rio do segredo de jus­ti­ça é o juiz, o fun­ci­o­ná­rio do car­tó­rio e os ad­vo­ga­dos. Mas se a in­for­ma­ção che­gou ao veí­cu­lo sem que se apon­tas­se qual­quer par­ti­ci­pa­ção do pró­prio veí­cu­lo de im­pren­sa na rup­tu­ra des­se segredo, ele (o segredo) tem que ser re­ve­la­do.

Is­so é mais do que uma obri­ga­ção. É um de­ver.

• Nes­se sen­ti­do a de­ci­são do Su­pre­mo po­de ser­vir co­mo um alen­to con­tra as ten­ta­ti­vas de cen­su­rar a im­pren­sa?

Eu espero que sir­va de aler­ta pa­ra que não ha­ja um re­cru­des­ci­men­to da cen­su­ra. E pa­ra que es­ses po­lí­ti­cos al­can­ça­dos pe­las La­va Ja­tos da vi­da não si­gam o mesmo ca­mi­nho sa­ben­do que vão per­der. De­ci­sões co­mo a do Su­pre­mo de­vem ser­vir de aler­ta pa­ra aque­les que têm pen­do­res tirânicos. A im­pren­sa cum­pre o pa­pel de­la quan­do in­for­ma e opi­na.

• Os ris­cos à li­ber­da­de de im­pren­sa fi­ze­ram par­te do de­ba­te elei­to­ral des­te ano. Co­mo o se­nhor viu es­se de­ba­te?

Es­se é um te­ma que tem que es­tar

per­ma­nen­te­men­te re­ce­ben­do luz, não po­de ser es­con­di­do nos es­ca­ni­nhos da jus­ti­ça. A pi­or cen­su­ra é aque­la que vem do Ju­di­ciá­rio. É o po­der que me­nos se es­pe­ra ati­tu­des des­se ti­po. Vin­das do Exe­cu­ti­vo já ti­ve­mos vá­ri­as no re­gi­me mi­li­tar; vin­das do le­gis­la­ti­vo tam­bém; mas não vin­das do Ju­di­ciá­rio, que é um po­der in­de­pen­den­te. Ju­di­ciá­rio e im­pren­sa pre­ci­sam an­dar de mãos da­das.

• Co­mo o se­nhor ava­lia a re­la­ção do pre­si­den­te elei­to, Jair Bol­so­na­ro, com a im­pren­sa?

Eu ti­nha uma ex­pec­ta­ti­va pi­or, mas ele es­tá sa­ben­do aca­tar as in­cur­sões da im­pren­sa. Se não fi­zer por con­vic­ção pró­pria, faz por ha­bi­li­da­de. Es­sa é uma ba­ta­lha que a im­pren­sa sempre ven­ce­rá. Mesmo em tem­pos de Do­nald Trump (pre­si­den­te

dos EUA que tem uma re­la­ção con­fli­tu­o­sa com a im­pren­sa).

• O jor­nal Fo­lha de S.Pau­lo tem so­fri­do crí­ti­cas e ame­a­ças de re­ta­li­a­ção do pre­si­den­te elei­to...

Pa­re­ce que ele já vol­tou atrás com a ideia de cor­tar ver­bas pu­bli­ci­tá­ri­as. O úni­co ca­mi­nho é o da Jus­ti­ça. O de pro­ces­sar quem ele con­si­de­rar que abu­sou da li­ber­da­de de im­pren­sa – coi­sa que a Fo­lha não fez.

• As cha­ma­das fa­ke news (no­tí­ci­as fal­sas) são um ins­tru­men­to que cor­ro­em a li­ber­da­de de ex­pres­são?

É preciso pru­dên­cia no com­ba­te às fa­ke news. A li­ber­da­de de ex­pres­são tem que pre­va­le­cer. Pu­nir no­tí­ci­as fal­sas e quem as es­pa­lha é com­pe­tên­cia da Jus­ti­ça e de mais ne­nhum agente pú­bli­co.

NIL­TON FUKUDA/ES­TA­DÃO

Cen­su­ra. Af­fon­so Fer­rei­ra, ad­vo­ga­do do Gru­po Es­ta­do; ca­so fi­cou no­ve anos na Jus­ti­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.